Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
DELAÇÃO DA J&F

MPF pede condenação de ex-assessor no caso da mala com R$ 500 mil

11 janeiro 2019 - 20h50Por Agência Brasil

O MPF (Ministério Público Federal) pediu à Justiça Federal a condenação do ex-deputado federal e ex-assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo da Rocha Loures. Ele é réu em processo por corrupção envolvendo a JBS. Segundo a Procuradoria da República no Distrito Federal, ele teria recebido dinheiro como intermediário do ex-presidente Michel Temer para beneficiar o grupo em medidas no âmbito do Executivo Federal.

A posição do MPF foi apresentada no documento de alegações finais. Segundo a denúncia, o ex-parlamentar teria recebido propina da JBS para operar vantagens ao grupo. Investigação da Polícia Federal a partir da denúncia apontou que Rocha Loures teria recebido uma mala com R$ 500 mil do grupo.

Um vídeo registrou o momento da entrega da valise em um restaurante em São Paulo. Além dos valores, o esquema envolveria outros pagamentos de valor semelhante ou superior. A propina, diz o procurador federal Carlos Henrique Martins Lima, autor da peça, “constituiu o pagamento pelas intervenções do réu junto a organizações ligadas ao Estado e representou parte de um montante que poderia atingir o patamar de R$ 38 milhões”.

O dinheiro seria destinado ao presidente Michel Temer, que nega envolvimento no caso. O repasse teria como finalidade garantir ao conglomerado benefícios em uma questão com a Petrobras envolvendo preços de gás. Nas alegações finais, o procurador destaca que Rocha Loures atuou em cargos próximos ao ex-presidente, como na chefia da assessoria parlamentar da Vice-Presidência da República quando Temer ocupava o cargo.

Segundo o MPF, a relação de Temer com Joesley Batista, dirigente da JBS, vem “de longa data”. Os dois interagiam diretamente, mas após a chegada de Temer à Presidência, Rocha Loures teria assumido a condição de intermediário.

“A indicação de Rodrigo Loures ocorreu por interesse de Joesley Batista e sob o aval de Michel Temer, atendendo à necessidade de manutenção de canal de comunicação direto e confidencial, capaz de projetar a autoridade da Presidência para a intervenção não republicana em organizações da estrutura estatal, aos interesses escusos de Joesley Batista”, escreveu o procurador.

Na avaliação dos procuradores, embora Rocha Loures tenha argumentado que não sabia do que se tratava e que os valores eram propina, seu comportamento no episódio do repasse da valise indicou prévio conhecimento. Loures “em nenhum momento esboça estranhamento ou questiona aquilo que poderia ser um mal entendido. Ao contrário, observa-se que os diálogos fluem normalmente com a participação do réu, que aparenta entrosamento e domínio do assunto”, registra o MPF.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Previd abre inscrição para eleição de diretoria na próxima segunda-feira
POLÍCIA
Dupla presa em operação Bad Family pode ser transferida ao RJ
DOURADOS
Operação fecha ‘boca de fumo’ próximo a creche e escola no Jardim Rasslem
ECONOMIA
Feira de Calçados, Couros e Acessórios de MS projeta movimentar R$ 15 milhões em três dias
CAPITAL
Bandidos invadem lanchonete, trocam tiros com a polícia e dois morrem
DOURADOS
Jovem é esfaqueada por desafetos e vai parar em estado grave no HV
LUTO
Marciano, cantor sertanejo, morre aos 67 anos
MARACAJU
Homem é preso com cinco espingardas contrabandeadas do Paraguai
TELEVISÃO
Entenda: como foi formado o Superparedão do BBB19
TRÊS LAGOAS
Discussão familiar termina com homem de 35 anos morto a tiros

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS