Menu
Busca quinta, 17 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
OPERAÇÃO BOCA LIVRE

MPF denuncia 31 pessoas acusadas de fraudes usando a Lei Rouanet

06 novembro 2017 - 17h05Por Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 31 pessoas acusadas de participar do esquema que desviou R$ 21 milhões por meio da Lei Rouanet. Os acusados de participar das fraudes descobertas pela Operação Boca Livre, deflagrada em junho de 2016, pela Polícia Federal (PF) devem responder pelos crimes de organização criminosa, estelionato contra a União e falsidade ideológica. A 3ª Vara Federal em São Paulo vai apreciar a denúncia e decidir se dá prosseguimento ao processo.

Segundo as investigações que, além do MPF, envolveram a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União, o Grupo Bellini Cultural desenvolvia projetos fictícios e apresentava contrapartidas ilícitas ao mecanismo de fomento cultural por renúncia fiscal. Criada em 1991, a Lei Rouanet concede incentivos fiscais para projetos e ações culturais. Por meio da lei, pessoas físicas e jurídicas podem aplicar parte do Imposto de Renda devido em projetos culturais.

De acordo com a denúncia, os acusados usavam diversos meios, como notas fiscais falsas, para simular a execução ou superfaturar a prestação de contas dos projetos culturais. Havia também a apresentação de projetos duplicados, usando a mesma ação para justificar a prestação de contas de duas propostas enviadas ao Ministério da Cultura. Ainda segundo a procuradoria, espetáculos e apresentações financiados com os recursos públicos acabam se tornando eventos institucionais fechados.

Os recursos, que dentro das propostas deveriam ser usados para apresentações de orquestras e realização de exposições em cidades do interior ou em áreas periféricas, chegaram até, conforme apontam as investigações, a custear o casamento do um dos sócios do grupo acusado.

Além dos diretores e funcionários da Bellini, são acusados de participar das fraudes representantes das empresas doadoras. Entre as companhias estão uma montadora, um escritório de advocacia, rede de farmácias, rede de loja de eletrodomésticos e empresas de consultoria e auditoria.

Além da análise da documentação apreendida, as provas contra os acusados estão baseadas em cerca de quatro meses de escutas telefônicas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Deficientes físicos têm direito a desconto na compra do veículo e no pagamento do tributo
PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS
COMER BEM
Maionese refrecante é opção de acompanhamento para o almoço
CRIATIVIDADE
Conheça a casa flutuante dobrável desenvolvida para vítimas de terremotos
ATENÇÃO
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana em MS
BALANÇO
Guarda apreendeu quase 2t de drogas na rodoviária de Dourados em 2018
EMBOSCADA
Dupla morta em atentado foi executada a tiros de pistola 9mm
BRASIL
Brasil bate recorde de mortes violentas em 2017
NOVELA
Nova personagem de Letícia Persiles aparece no presente em ‘Espelho da Vida’
TOMA LÁ, DA CÁ!
Comitiva do PSL com dois parlamentares de MS na China é chamada de "semianalfabeta" por "guru" de Bolsonaro

Mais Lidas

DOURADOS
Rapaz assassinado em emboscada foi preso por tentativa de furto a caixa eletrônico
NOVA LEI
Multa mínima para quem capturar Dourado na próxima temporada de pesca será de R$ 2,7 mil
INQUÉRITO CIVIL
Denúncia leva MP investigar recursos destinados à Saúde de Dourados
DOURADOS
Seis são apontados por participação em emboscada que matou interno do Semiaberto