Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
OPERAÇÃO BOCA LIVRE

MPF denuncia 31 pessoas acusadas de fraudes usando a Lei Rouanet

06 novembro 2017 - 17h05Por Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 31 pessoas acusadas de participar do esquema que desviou R$ 21 milhões por meio da Lei Rouanet. Os acusados de participar das fraudes descobertas pela Operação Boca Livre, deflagrada em junho de 2016, pela Polícia Federal (PF) devem responder pelos crimes de organização criminosa, estelionato contra a União e falsidade ideológica. A 3ª Vara Federal em São Paulo vai apreciar a denúncia e decidir se dá prosseguimento ao processo.

Segundo as investigações que, além do MPF, envolveram a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União, o Grupo Bellini Cultural desenvolvia projetos fictícios e apresentava contrapartidas ilícitas ao mecanismo de fomento cultural por renúncia fiscal. Criada em 1991, a Lei Rouanet concede incentivos fiscais para projetos e ações culturais. Por meio da lei, pessoas físicas e jurídicas podem aplicar parte do Imposto de Renda devido em projetos culturais.

De acordo com a denúncia, os acusados usavam diversos meios, como notas fiscais falsas, para simular a execução ou superfaturar a prestação de contas dos projetos culturais. Havia também a apresentação de projetos duplicados, usando a mesma ação para justificar a prestação de contas de duas propostas enviadas ao Ministério da Cultura. Ainda segundo a procuradoria, espetáculos e apresentações financiados com os recursos públicos acabam se tornando eventos institucionais fechados.

Os recursos, que dentro das propostas deveriam ser usados para apresentações de orquestras e realização de exposições em cidades do interior ou em áreas periféricas, chegaram até, conforme apontam as investigações, a custear o casamento do um dos sócios do grupo acusado.

Além dos diretores e funcionários da Bellini, são acusados de participar das fraudes representantes das empresas doadoras. Entre as companhias estão uma montadora, um escritório de advocacia, rede de farmácias, rede de loja de eletrodomésticos e empresas de consultoria e auditoria.

Além da análise da documentação apreendida, as provas contra os acusados estão baseadas em cerca de quatro meses de escutas telefônicas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Guarda encontra pé de maconha cultivado por usuários em mata
BRASIL
Atividade econômica cresce 1,74% no terceiro trimestre
MATO GROSSO DO SUL
Fazenda projeta queda no ICMS de Dourados e mais 23 municípios
DOURADOS
Desembargador nega Habeas Corpus a ex-secretário preso na Operação Pregão
PREVISÃO DO TEMPO
Final de semana deve ser marcado por calor e chuva em Dourados
NOVA ALVORADA DO SUL
Briga de família termina com pai esfaqueando a filha
BRASIL
Operações resgatam 48 trabalhadores em situação análoga à escravidão
DOURADOS
Mulher é roubada ao chegar em hotel
SOLIDARIEDADE
Família de bebê de 4 meses pede ajuda para conseguir respirador
MAIS MÉDICOS
Governo cubano quer retirar todos os médicos do Brasil até o fim do ano

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil