Menu
Busca quarta, 17 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Ministros de quase 200 países devem participar da reunião de alto nível na COP18

30 novembro 2012 - 18h30

Há quatro dias, negociadores de países em desenvolvimento e de economias desenvolvidas buscam acordos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa a fim de evitar que o aquecimento do planeta continue produzindo grandes tragédias mundiais, como as enchentes e extremas secas que o mundo tem presenciado nos últimos anos. Até o último dia da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP18), que ocorre em Doha, no Catar, os representantes de quase 200 nações devem definir qual a meta de redução que cada país desenvolvido terá que cumprir nos próximos anos.

“Há um entendimento entre os países em desenvolvimento [G77 e a China] de que é importante termos um segundo período de compromissos do Protocolo de Quioto”, explicou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira que embarca para Doha no domingo (2). Por enquanto, as negociações na COP18 seguem no nível técnico. Especialistas tentam alinhavar os principais pontos do debate sobre mudanças climáticas para que os ministros, a partir do dia 4 de dezembro, façam os últimos ajustes e assinem um documento final com os compromissos que vão valer a partir de janeiro do ano que vem.

A impressão de observadores é que as metas para o próximo período tendem a ser muito tímidas. Além de pontos polêmicos que estão longe de conclusões entre os negociadores, países como o Canadá, os Estados Unidos e a Nova Zelândia já declararam que não vão assumir compromissos obrigatórios.

Segundo Izabella Teixeira, a ausência desses países pode trazer alguma dificuldade política na definição dos novos caminhos para evitar que a temperatura do planeta suba além de 2 graus Celsius (ºC) nos próximos anos. Esse limite de aquecimento é um compromisso firmado entre as economias desenvolvidas e em desenvolvimento para minimizar os prejuízos provocados pelas mudanças do clima. Segundo a ministra, a delegação brasileira vai buscar a conclusão do tratado.

“O que buscamos é que tenha um caminho que assegure Quioto e o compromisso legalmente vinculante dos países envolvidos em relação à redução das emissões de gases de efeito estufa. Muitos países desenvolvidos fizeram sua parte e reduziram emissões, como [os da] União Europeia, que é a favor de um segundo período [do protocolo]. Mas tem países emissores, como Estados Unidos, que nunca ratificaram Quioto”, lembrou.

Ao afastar o pessimismo de alguns especialistas que colocam em dúvida a conclusão dos debates em Doha, a ministra destacou que, “para o Brasil, esse [o Protocolo de Quioto] é o único acordo que define o compromisso vinculante na questão climática para os países desenvolvidos”. “Tirar Quioto da mesa deixa um vácuo, até que você tenha um acordo geral”, disse ela, ao mencionar a Plataforma Durban, acordada por todos os países no ano passado. Pelo acordo, tanto economias desenvolvidas quanto as de países em desenvolvimento terão compromissos obrigatórios com a redução das emissões a partir de 2020.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROCESSO
MP encaminha denúncia contra produtor acusado de ameaçar senadora durante campanha eleitoral
Agronegócio
Geada não afeta estimativa de produtividade e milho deve ter safra recorde em MS
A DONA DO PEDAÇO
Chiclete descobre bomba sobre Vivi
JULHO AMARELO
Saúde desenvolve campanha sobre IST e Hepatites Virais em Dourados
SIDROLÂNDIA
Guarda noturno atira contra homem e o fere na boca e costas
FRONTEIRA
Veículo furtado que seria trocado por droga no Paraguai é recuperado
JUSTIÇA
Corretor é condenado a repassar R$ 45 mil de comissão de corretagem
DOURADOS
Homem é preso tentando furtar envelope com R$ 3,8 mil de cliente de banco
Iluminação Pública
Mesmo com cobrança suspensa, prefeitura prevê R$ 18 milhões com Cosip em 2020
BRASIL
PIB recua 0,8% no trimestre encerrado em maio, diz FGV

Mais Lidas

DOURADOS
Coordenadora de Ceim é exonerada e pais fazem abaixo-assinado para tentar mantê-la
DOURADOS
Upiran entrega carta de demissão a Délia e aguarda substituto para deixar Educação
POLÍCIA
Investigação vê indícios de relação entre homicídios no Jardim Pantanal e Guanabara
DOURADOS
Assassinado em conveniência já cumpriu pena por tráfico e lavagem de dinheiro