Menu
Busca quarta, 21 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
Clube Indaiá - Janeiro 2018
IGUALDADE

MEC e Inep recomendam respeito aos direitos humanos na redação do Enem

01 novembro 2017 - 19h50Por Agência Brasil

Apesar de o Inep ainda não ter sido notificado da decisão judicial que determinou a suspensão da regra do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que determina que quem desrespeitar os direitos humanos na prova de redação pode receber nota zero, a recomendação é que os candidatos sigam as regras do edital.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse hoje (1), que a decisão judicial será respeitada, mas orientou os candidatos a respeitarem os direitos humanos na redação.

“A questão dos direitos humanos é básico e fundamental, até porque estamos falando em educação, e não poderíamos ter uma linha de ação distante dessa realidade. Mas ao mesmo tempo temos que cumprir a decisão judicial, que leva a possibilidade de ter zero na prova. Como cautela, eu diria que o melhor é se submeter ao exame e fazer a redação respeitando os critérios de direitos humanos”, recomendou o ministro.

A prova de redação do Enem será aplicada a mais de 6,7 milhões de candidatos neste domingo (5).

O ministro disse que o Inep vai recorrer da decisão até a última instância. Segundo ele, o respeito aos direitos humanos é um pressuposto constitucional elementar que não conflita com a liberdade de expressão.

Mendonça Filho garantiu que as linhas de pensamento ideológicos e políticos dos candidatos serão respeitados durante a correção da prova. “Ao mesmo tempo, jamais um ente como o MEC ou o Inep, em uma avaliação, pode aceitar teses que defendam por exemplo o holocausto, apartheid, a segregação racial, a discriminação do ponto de vista religioso, de raça”, disse.

A presidente do Inep, Maria Ines Fini, também recomendou que os direitos humanos sejam levados em conta na hora de escrever a redação. “Como cidadã e educadora, eu recomendo que os jovens  reproduzam o respeito aos direitos humanos não só na prova, mas também na sua vida”, ressaltou.

Mesmo se a decisão da Justiça for mantida, o respeito aos direitos humanos deve ser considerado pelos candidatos que farão a prova. Isso porque uma das cinco competências avaliadas na correção da redação do Enem prevê a elaboração de uma proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos. Esse item não foi modificado pela decisão judicial.

Cada competência cobrada na redação recebe nota que varia de 0 a 200 pontos. A decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região anula apenas o item do edital que prevê a anulação da prova de alunos que dissertarem contra os direitos humanos. Nos anos anteriores, provas foram anuladas por causa dessa exigência.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Solteira, Dani Sperle posa nua e diz o que homem precisa para conquistá-la
JUSTIÇA
Empresa de telefonia deve ressarcir consumidor por cobrança ilegal
ACOMPANHAMENTO
Comissão de senadores vai fiscalizar intervenção federal no Rio de Janeiro
PARAGUAI
PRF intercepta carregamento de cigarros contrabandeados na BR-163
TESTE
Celular pirata habilitado a partir de amanhã no DF será bloqueado em maio
REUNIÃO
Governo define estratégias de segurança para a cidade de Três Lagoas
CORUMBÁ
Homem espancado no carnaval morre após ficar 9 dias internado
BUROCRACIA
Senado aprova projeto para simplificar certidão de débitos tributários
APOIO
Militares auxiliam atingidos por enchentes e resgata cutia em Aquidauana
INÉDITO
Brasileira passa à final da patinação artística na Coreia do Sul

Mais Lidas

DESAPARECIDA
Corpo encontrado no rio Dourados é de Débora Dias
RESIDENCIAL ROMA
Criança fica ferida ao cair de prédio em Dourados
ESTRELA PORÃ
Polícia fecha “boca” que abastecia região Oeste de Dourados
DOURADOS
Gaeco cumpre mandados em nova ação contra o tráfico