Menu
Busca quinta, 18 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
DIREITOS HUMANOS

MEC decide acatar decisão do Supremo sobre redação do Enem

04 novembro 2017 - 21h01Por G 1

O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsáveis pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) divulgaram nota neste sábado, dia 04 de novembro, informando que vão acatar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proibiu aos órgãos dar nota zero em redações com teor de "desrespeito" aos direitos humanos.

Mais cedo, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, manteve decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) do último dia 25 que permite somente o desconto de no máximo 200 pontos (de um total de 1.000 da redação), conforme as cinco competências exigidas para o texto.

"O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) comunicam que acatam a decisão do Supremo Tribunal Federal e que não vão recorrer da decisão. O MEC e o Inep entendem que os participantes do Enem 2017 precisam fazer a prova com segurança jurídica e com a tranquilidade necessária ao Exame.

Diante disso, o MEC e o Inep informam aos participantes do Enem 2017 que não haverá anulação automática da redação que violar os Direitos Humanos, como previa o Edital do Enem. Continuam em vigor os critérios de correção das cinco competências, conforme estabelecido na Cartilha de Participante - Redação no Enem 2017", diz a nota.

Na decisão, Cármen Lúcia diz não enxergar "lesão a interesses públicos relevantes" na decisão do TRF-1, que, para ela, "expande os direitos fundamentais", ao garantir o exercício da liberdade de expressão e de opinião dos candidatos.

"Não se desrespeitam direitos humanos pela decisão que permite ao examinador a correção das provas e a objetivação dos critérios para qualquer nota conferida à prova. O que os desrespeitaria seria a mordaça prévia do opinar e do expressar do estudante candidato", afirmou a ministra.

Cármen Lúcia rejeitou pedidos apresentados pela Advocacia Geral da União (AGU) e da Procuradoria Geral da República (PGR) que visavam suspender a decisão do TRF-1.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORUMBÁ
Jogos de Aventura do Pantanal acontece em novembro
DOURADOS
Após sensação térmica bater perto de 40ºC, tempo vira e traz ventania
PORTO MURTINHO
Pescador é multado por captura e transporte de caranguejos usados para isca
DOURADOS
Semáforos serão instalados em pontos do centro
BENEFÍCIO
Bolsa Família de outubro começa a ser pago nesta quinta-feira
DOURADOS
Ebserh convoca 20 novos servidores para o HU-UFGD
BRASIL
Pagamento do 13º salário injeta R$ 211,2 bilhões na economia
CASSILÂNDIA
Homem é preso e rifle e munições são apreendidas após denúncia de caça
BRASIL
Médicos examinam Bolsonaro, mas permanece expectativa sobre debates
GERAL
IFMS leva 22 estudantes aos Jogos dos Institutos Federais

Mais Lidas

DOURADOS
Homem morre ao tentar atravessar “lago da rodoviária” a nado
PEDRO JUAN
Suspeita de envolvimento em roubo a vereador douradense é executada na fronteira
CENAS DE CINEMA
Perseguição e troca de tiros termina com veículos recuperados em Dourados
OLAVO SUL
Vereador douradense é ameaçado de morte ao separar briga em distrito