Menu
Busca segunda, 18 de junho de 2018
(67) 9860-3221
DIREITOS HUMANOS

MEC decide acatar decisão do Supremo sobre redação do Enem

04 novembro 2017 - 21h01Por G 1

O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsáveis pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) divulgaram nota neste sábado, dia 04 de novembro, informando que vão acatar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proibiu aos órgãos dar nota zero em redações com teor de "desrespeito" aos direitos humanos.

Mais cedo, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, manteve decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) do último dia 25 que permite somente o desconto de no máximo 200 pontos (de um total de 1.000 da redação), conforme as cinco competências exigidas para o texto.

"O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) comunicam que acatam a decisão do Supremo Tribunal Federal e que não vão recorrer da decisão. O MEC e o Inep entendem que os participantes do Enem 2017 precisam fazer a prova com segurança jurídica e com a tranquilidade necessária ao Exame.

Diante disso, o MEC e o Inep informam aos participantes do Enem 2017 que não haverá anulação automática da redação que violar os Direitos Humanos, como previa o Edital do Enem. Continuam em vigor os critérios de correção das cinco competências, conforme estabelecido na Cartilha de Participante - Redação no Enem 2017", diz a nota.

Na decisão, Cármen Lúcia diz não enxergar "lesão a interesses públicos relevantes" na decisão do TRF-1, que, para ela, "expande os direitos fundamentais", ao garantir o exercício da liberdade de expressão e de opinião dos candidatos.

"Não se desrespeitam direitos humanos pela decisão que permite ao examinador a correção das provas e a objetivação dos critérios para qualquer nota conferida à prova. O que os desrespeitaria seria a mordaça prévia do opinar e do expressar do estudante candidato", afirmou a ministra.

Cármen Lúcia rejeitou pedidos apresentados pela Advocacia Geral da União (AGU) e da Procuradoria Geral da República (PGR) que visavam suspender a decisão do TRF-1.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TV
Faustão critica presidente da Globo: "é proibido falar 'Projac'"
SELEÇÃO BRASILEIRA
Empate não abala confiança do grupo, afirmam atletas
ECONOMIA
Saques do PIS/Pasep colocarão R$ 34,3 bilhões na economia
BR-163
Homem morre em UPA após ser encontrado sangrando em rodovia
Vítima chegou foi socorrida por bombeiros
BRASIL
Petrobras reduz em 1,24% o preço da gasolina nas refinarias
CAPITAL
Três acusados de tentativa de homicídio por vingança vão a júri
SEM MOTIVOS APARENTES
Morador é esfaqueado depois de ter a casa invadida por grupo armado
Os três moradores da residência, segundo informações, foram agredidos pelos criminosos
ECONOMIA
MS bate recorde na contratação do FCO em cinco meses de 2018
SOLIDARIEDADE
Douradense busca ajuda para conseguir manter a família
DOURADOS
Polícia fecha boca de fumo e prende homem no Clímax

Mais Lidas

ATENTADO
Suspeitos de atentado contra prefeito de Paranhos são presos
TRÁFICO
Douradense é preso após abandonar veículo carregado com maconha na BR-463
DOURADOS
Homem morre após acidente na Guaicurus
PEDRO JUAN
Jovem dado como morto pela família fronteira aparece no próprio velório