Menu
Busca terça, 10 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
DIREITOS HUMANOS

MEC decide acatar decisão do Supremo sobre redação do Enem

04 novembro 2017 - 21h01Por G 1

O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsáveis pela aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) divulgaram nota neste sábado, dia 04 de novembro, informando que vão acatar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proibiu aos órgãos dar nota zero em redações com teor de "desrespeito" aos direitos humanos.

Mais cedo, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, manteve decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) do último dia 25 que permite somente o desconto de no máximo 200 pontos (de um total de 1.000 da redação), conforme as cinco competências exigidas para o texto.

"O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) comunicam que acatam a decisão do Supremo Tribunal Federal e que não vão recorrer da decisão. O MEC e o Inep entendem que os participantes do Enem 2017 precisam fazer a prova com segurança jurídica e com a tranquilidade necessária ao Exame.

Diante disso, o MEC e o Inep informam aos participantes do Enem 2017 que não haverá anulação automática da redação que violar os Direitos Humanos, como previa o Edital do Enem. Continuam em vigor os critérios de correção das cinco competências, conforme estabelecido na Cartilha de Participante - Redação no Enem 2017", diz a nota.

Na decisão, Cármen Lúcia diz não enxergar "lesão a interesses públicos relevantes" na decisão do TRF-1, que, para ela, "expande os direitos fundamentais", ao garantir o exercício da liberdade de expressão e de opinião dos candidatos.

"Não se desrespeitam direitos humanos pela decisão que permite ao examinador a correção das provas e a objetivação dos critérios para qualquer nota conferida à prova. O que os desrespeitaria seria a mordaça prévia do opinar e do expressar do estudante candidato", afirmou a ministra.

Cármen Lúcia rejeitou pedidos apresentados pela Advocacia Geral da União (AGU) e da Procuradoria Geral da República (PGR) que visavam suspender a decisão do TRF-1.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA
Brasil envia navio polar para ajudar nas buscas por avião chileno
MATO GROSSO DO SUL
Pessoas com fibromialgia passam a ter prioridade de atendimento
RIBAS DO RIO PARDO
Após série de roubos, polícia prende ladrão e receptador
DOURADOS
Campanha ‘Nota Dourada’ dá créditos e sorteia prêmios
INTERNACIONAL
Presidente do Senegal é convidado por Bolsonaro a visitar o Brasil em 2020
ALCINÓPOLIS
Colisão termina com dois mortos e caminhão caído em ribanceira
LUTO
Marie Fredriksson, vocalista do Roxette, morre aos 61 anos
DOURADOS
Secretário revela fechamento de turmas em cinco escolas da Rede Municipal
BRASIL
Bolsonaro assina hoje MP da regularização fundiária
DOURADOS
Mulher disse ter matado marido por estar cansada de apanhar

Mais Lidas

ARQUITETURA & DESIGN
Conheça o portifólio do escritório FA+MC ARQUITETURA e surpreenda com a qualidade e requinte dos nossos projetos!
DOURADOS
Travesti é assaltada por dupla de bicicleta no Centro
ESPORTE
Sul-mato-grossenses destacam-se na Copa Brasil de Wrestling
PARANHOS
Retroescavadeira furtada no Paraná é recuperada em MS