Menu
Busca quinta, 18 de julho de 2019
(67) 9860-3221
PROTESTO

'Marcha das Vadias' pede legalização do aborto durante protesto

30 maio 2015 - 16h08

A quinta edição da "Marcha das Vadias" de São Paulo teve como tema central a legalização do aborto. O grupo de ativistas se concentrou no vão livre do Masp e saiu em caminhada na Avenida Paulista no início da tarde deste sábado, dia 30 de maio. Cerca de 150 pessoas participam do ato, segundo balanço da Polícia Militar (PM).

Integrante do coletivo da "Marcha das Vadias", uma funcionária pública de 29 anos que preferiu não se identificar contou ao G1 sobre um aborto que fez aos 14 anos, quando engravidou do primeiro namorado. "Nunca tinha ido ao ginecologista. Não vou dizer que não tinha nenhuma informação, mas não estava totalmente preparada para me prevenir", relatou.

Com o apoio dos pais, ela realizou o aborto em uma clínica clandestina, "com toda a segurança, toda a higiene, com um obstetra e um anestesista", pontuou. A jovem não teve nenhum tipo de sequela e disse que o processo não causou nenhum trauma, mas milita pela causa porque "muitas meninas não têm condições, tem que ir para um 'açougueiro' mesmo ou comprar Citotec [remédio abortivo] de um modo clandestino e perigoso".

Na concentração do evento, uma oficina de Sling - tecido que serve para carregar o bebê junto ao corpo - reuniu mães feministas. A ilustradora Camila Conti, de 34 anos, conta que já participou da marcha outras vezes, mas levou pela primeira vez o filho, de 1 ano e um mês.

Ela disse que fez parto domiciliar, aprendeu muito sobre maternidade ativa, e hoje luta contra a violência obstétrica e outras causas de gênero relacionas à maternidade. "Quando me vi mãe, vi que o mercado de trabalho fecha as portas", contou. "Sou a favor da legalização do aborto. Acho fundamental que a maternidade seja uma escolha, e não um castigo".

Integrante do coletivo da marcha das vadias, Samanta Dias, de 30 anos, afirmou que a meta é pedir a legalização do aborto até pelo menos a 12 semana, garantido pelo SUS e determinada apenas pela escolha da mulher. A ativista também defende que a medida "garantiria a sobrevivência das mulheres negras e pobres, que são as que sofrem mais sequelas [do aborto clandestino]".

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Fundação contratada por R$ 243 mil apresenta Plano de Arborização Urbana
FRONTEIRA
Pistoleiros são presos após executarem homem a tiros
FUTEBOL
Série B do Brasileirão tem um jogo marcado para hoje
DOURADOS
"Pirão do Bem" acontece neste sábado no Rotary Guaicurus
DANOS MORAIS
Acusada por furto que não cometeu será indenizada em R$ 15 mil por supermercado
DOURADOS
Reunião na Câmara discutirá meio de reverter corte em obra do aeroporto
ADEQUAÇÃO
Lei que proíbe canudos plásticos em MS é sancionada
BRASIL
Índice de confiança do empresário cresce pelo segundo mês consecutivo
NORTE DE MS
Homem é encontrado morto no meio da rua e suspeita é de hipotermia
POLÍTICA
“Não vai ter privilégio para ninguém”, diz senador de MS sobre indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA

Mais Lidas

DOURADOS
Execução de comerciante douradense foi “comemorada” com tiros em bairro da periferia
DOURADOS
Indígenas invadem propriedade e atacam policiais com flechas e coquetel molotov
DINHEIRO NOVO
Governo deve anunciar ainda esta semana a liberação de saques do FGTS
POLÍCIA
Polícia prende ladrão de moto e descobre ‘boca de fumo’ no Dioclécio Artuzi