Menu
Busca quarta, 15 de agosto de 2018
(67) 9860-3221

Maioria no STF abre caminho para permanência de Battisti

08 junho 2011 - 17h10

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira que não cabe ao governo da Itália questionar um despacho do presidente da República relativo à condução das relações internacionais. Caso nenhum pedido de vista seja feito e o julgamento se encerre nesta tarde, a decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que manteve o italiano Cesare Battisti no Brasil, deve ser validada, o que abre caminho para a permanência de ex-ativista no País.

A impossibilidade da Itália questionar a decisão de um presidente da República no judiciário local foi suscitada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e pelo advogado de defesa de Battisti, Luís Roberto Barroso.

Por isso, antes mesmo do relator do caso, Gilmar Mendes, proferir seu voto, o ministro Marco Aurélio Mello disse que havia uma preliminar a ser votada: "A Itália pode ou não questionar o ato de Lula no Supremo?"

Os ministros Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto entenderam que não, o que configurou a opinião da maioria da Corte, já que Antonio Dias Toffoli e Celso de Mello se disseram impedidos. Foram vencidos os ministros Gilmar Mendes, Ellen Gracie e o presidente da Corte, Cezar Peulso.

A argumentação da maioria foi de que, aceitar a reclamação da Itália contra o fato de Lula não ter extraditado Battisti feriria a soberania brasileira e o princípio da não interferência em assuntos internos da República. Além do fato de que cabe ao presidente da República conduzir a política internacional de seu país, não sendo a mesma passível de questionamentos jurídicos, por parte de outros países, na Suprema Corte nacional.

Durante a discussão, Joaquim Barbosa citou o caso do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, que quando foi deposto conseguiu de Lula abrigo na Embaixada Brasileira daquele país. “Seria absurdo se questionar o abrigo aqui no STF, para desconstituir uma decisão soberana do País”, argumentou.
Após a apreciação da “preliminar”, o ministro Lewandowski quis encerrar as discussões, alegando que, uma vez não aceita, não existe mais, na prática, a reclamação da Itália. A posição foi compartilhada por Marco Aurélio Mello.

O relator, Gilmar Mendes, contudo, disse que Mello “não é censor de colega”, e começou a discursar sobre o tema. Falou que, dando este tipo de poder ao presidente da República, o STF se transformaria num clube “lítero-poético-recreativo” e que, “se for assim, é melhor suprimir a competência do STF para extradição” pois, “daqui a pouco, vamos ter decisão que o próprio presidente pode conceder habeas corpus” para liberar extraditandos.

Fonte: iG

Deixe seu Comentário

Leia Também

ARTIGO
Evolução no judiciário
ROBÓTICA SESI
Clube de Robótica do Sesi prepara crianças para profissões do futuro
AUSTERIDADE
Novo presidente do Paraguai promete combater a impunidade
LAVA JATO
Moro adia interrogatório de Lula no processo envolvendo o sítio de Atibaia
RIBAS DO RIO PARDO
PMA autua empresa pecuarista em R$ 21 mil por exploração ilegal de madeira
GUERRERO NO INTER
Guerrero agradece recepção e sonha com títulos no Inter
16º IINTERDISTRITAL
Funed retorna domingo com mais uma rodada da competição
PRÉ-JOGRAN
Mesa redonda prepara estudantes de Odontologia para Jornada Acadêmica
BRASIL
Sancionada lei que regulamenta uso de dados pessoais
MÉTODO SUPERA
Bem-estar psicológico no processo de envelhecimento normal

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia não descarta crime passional em caso de cabeleireiro morto a facadas
DOURADOS
Motociclista invade a contramão e executa homem no Piratininga
DOURADOS
Homem é encontrado morto dentro de veículo estacionado em acostamento
DOURADOS
Casal é preso por tráfico no João Paulo II após denúncia de populares