Menu
Busca terça, 23 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

Maioria no STF abre caminho para permanência de Battisti

08 junho 2011 - 17h10

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira que não cabe ao governo da Itália questionar um despacho do presidente da República relativo à condução das relações internacionais. Caso nenhum pedido de vista seja feito e o julgamento se encerre nesta tarde, a decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que manteve o italiano Cesare Battisti no Brasil, deve ser validada, o que abre caminho para a permanência de ex-ativista no País.

A impossibilidade da Itália questionar a decisão de um presidente da República no judiciário local foi suscitada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e pelo advogado de defesa de Battisti, Luís Roberto Barroso.

Por isso, antes mesmo do relator do caso, Gilmar Mendes, proferir seu voto, o ministro Marco Aurélio Mello disse que havia uma preliminar a ser votada: "A Itália pode ou não questionar o ato de Lula no Supremo?"

Os ministros Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto entenderam que não, o que configurou a opinião da maioria da Corte, já que Antonio Dias Toffoli e Celso de Mello se disseram impedidos. Foram vencidos os ministros Gilmar Mendes, Ellen Gracie e o presidente da Corte, Cezar Peulso.

A argumentação da maioria foi de que, aceitar a reclamação da Itália contra o fato de Lula não ter extraditado Battisti feriria a soberania brasileira e o princípio da não interferência em assuntos internos da República. Além do fato de que cabe ao presidente da República conduzir a política internacional de seu país, não sendo a mesma passível de questionamentos jurídicos, por parte de outros países, na Suprema Corte nacional.

Durante a discussão, Joaquim Barbosa citou o caso do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, que quando foi deposto conseguiu de Lula abrigo na Embaixada Brasileira daquele país. “Seria absurdo se questionar o abrigo aqui no STF, para desconstituir uma decisão soberana do País”, argumentou.
Após a apreciação da “preliminar”, o ministro Lewandowski quis encerrar as discussões, alegando que, uma vez não aceita, não existe mais, na prática, a reclamação da Itália. A posição foi compartilhada por Marco Aurélio Mello.

O relator, Gilmar Mendes, contudo, disse que Mello “não é censor de colega”, e começou a discursar sobre o tema. Falou que, dando este tipo de poder ao presidente da República, o STF se transformaria num clube “lítero-poético-recreativo” e que, “se for assim, é melhor suprimir a competência do STF para extradição” pois, “daqui a pouco, vamos ter decisão que o próprio presidente pode conceder habeas corpus” para liberar extraditandos.

Fonte: iG

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Talitha Morete, repórter do "Mais Você", exibe boa forma em praia carioca
ANHANGUERA
Palestra do BNDES chega a Dourados na próxima quarta-feira
FRONTEIRA
Dois são presos acusados de invadirem agência de cooperativa de crédito
RURAL
Produtores de MS já plantaram mais da metade da nova safra de soja
PARAGUAI
Homem sofre atentado a tiros e morre a caminho do hospital
PRÁTICA ABUSIVA
Tim é multada em R$ 50 milhões por "derrubada" de chamadas
EDUCAÇÃO
Professor apresenta projetos de pesquisa da UEMS em Nova York
IMBRÓGLIO
O que se sabe sobre a troca de tiros entre policiais de Minas e São Paulo
UFGD
Estudantes de Artes Cênicas convidam para 1ª Mostra NAC
CONCURSO
Marinha abre inscrições para cerca de 400 vagas a oficiais temporários

Mais Lidas

OPERAÇÃO SATURAÇÃO
Megaoperação cumpre dezenas de mandados de prisão em Dourados
DOURADOS
Ação contou com apoio de 4 delegacias da Capital e cumpriu mais de 40 mandados de prisão
DOURADOS
Dupla é presa suspeita de pelo menos 30 furtos em comércios
SIDROLÂNDIA
Homem é preso em Dourados pela morte de idoso em assentamento