Menu
Busca sexta, 21 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
SUPREMO

Lewandowski pede vistas e plenário do STF deve julgar recurso de Lula

14 setembro 2018 - 19h20Por G 1
O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), pediu "vista" nesta sexta-feira, dia 14 de setembro, de um recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a prisão após condenação em segunda instância – pedir vista, no jargão jurídico, significa que o ministro quer mais tempo para estudar o caso.
 
O julgamento do recurso estava sendo decidido no plenário virtual (no qual os ministros votam pelo computador). Com o pedido de Lewandowski, será transferido para o plenário físico, onde os ministros se reúnem presencialmente.
 
No plenário físico, o julgamento começará de novo – todos os ministros votarão, inclusive os que já tinham se posicionado no plenário virtual. Estes poderão manter ou modificar o voto.
 
Antes do pedido de vista, o placar estava 7 a 1 contra o recurso. Se no novo julgamento o recurso for aceito, Lula, preso desde abril em Curitiba, ganha liberdade.
 
Quem determinará a data do novo julgamento é o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que tomou posse nesta quinta (13).
 
A votação eletrônica no plenário virtual começou no último dia 7. O prazo para conclusão se encerraria às 23h59 desta sexta-feira. Faltavam os votos dos ministros Luiz Fux, Celso de Mello e do próprio Lewandowski.
 
Lewandowski informou que pediu vista diante da divergência apresentada pelo ministro Marco Aurélio Mello, o único a se manifestar contra a manutenção da prisão.
 
No recurso, a defesa de Lula pediu que o Supremo considere inadequada a ordem de prisão porque o juiz não indicou os motivos para a necessidade de prender o ex-presidente.
 
No entendimento dos advogados, a prisão em segunda instância foi permitida, mas não pode ser automática, já que os juízes precisariam esclarecer as razões para prender alguém enquanto ainda houver recurso pendente de julgamento.
 
O relator do caso, ministro Luiz Edson Fachin, enviou o processo para julgamento no plenário virtual por considerar que não há mais necessidade de discussão do assunto porque o STF já consolidou o entendimento de que é possível executar a pena de prisão a partir da condenação confirmada por tribunal de segunda instância.
 
Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) – um tribunal de segunda instância – a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.
 
O ministro Marco Aurélio Mello, único a votar a favor da liberdade de Lula, entendeu que o ex-presidente não poderia ter sido preso sem que o juiz justificasse a necessidade da prisão.
 
"Procede a irresignação, considerada a omissão verificada, ante o fato de a ordem de prisão ter sido implementada automaticamente, a partir do esgotamento da jurisdição em segunda instância, sem fundamentação adicional sobre a adequação da medida no caso concreto."

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Criança de 1 ano desaparece de dentro de casa no Dioclécio Artuzi
CAMPO GRANDE
Proprietário rural é autuado em R$ 30 mil por incêndio de vegetação nativa
BRASIL
Dólar abre em alta de 0,46% cotado a R$ 4,0888
PARADESPORTO
Megaevento Paralímpico ocorre amanhã em Dourados e Campo Grande
EVENTO
Dia Mundial da Paz tem aula show de dança em Dourados
DOURADOS
Grupo ABV realiza Corrida Rosa 2018
OPERAÇÃO MENDACIUM
Polícia Federal faz operação contra fraude no seguro-desemprego
DOURADOS
Polícia flagra homem carregando botijão furtado no Jardim Itália
ELEIÇÕES 2018
MP convoca órgãos de segurança e orienta contra crimes eleitorais
NA RODOVIÁRIA
Paraguaio é preso em Dourados com quase 7kg de skunk

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia fecha entreposto de drogas e prende três no Jardim Colibri
DOURADOS
Esquema começou há 1 ano e maconha era armazenada em pneus
DOURADOS
PF apreende mais de 150 quilos de cocaína na Guaicurus
IVINHEMA
Mecânico morre ao ficar preso em cardan de caminhão