Menu
Busca quarta, 29 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
BRASIL

Lava Jato diz que decisão de Toffoli impacta investigações

17 julho 2019 - 17h20Por Agência Brasil

A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro disseram hoje (17), que a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendendo investigações com dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e da Receita Federal, sem autorização judicial, terá impacto em "muitos casos" que apuram corrupção e lavagem de dinheiro. O levantamento preciso ainda não foi realizado.

Na decisão proferida ontem (16), o ministro suspendeu todas as investigações que foram baseadas em dados fiscais repassados pelo Coaf e pela Receita, além do Banco Central, ao Ministério Público sem autorização judicial.

Procuradores

Em nota conjunta divulgada à imprensa, os procuradores do MPF afirmam que, ao longo de cinco anos, as forças-tarefas receberam inúmeras informações de indícios de crimes. Segundo os procuradores, o compartilhamento de informações sobre supostas atividades criminosas é dever dos órgãos que utilizam dados bancários e fiscais dos contribuintes.

"A referida decisão contraria recomendações internacionais de conferir maior amplitude à ação das unidades de inteligência financeira, como o Coaf, inclusive em sua interação com os órgãos públicos para prevenir e reprimir a lavagem de dinheiro", diz a nota.

Na manifestação, a Lava Jato também defendeu que a liminar proferida pelo presidente do STF seja rapidamente julgada definitivamente pelo plenário da Corte. De acordo com os investigadores, as apurações não podem ficar paradas.

"A suspensão de investigações e processos por prazo indeterminado reduz a perspectiva de seu sucesso, porque o decurso do tempo lhes é desfavorável. Com o passar do tempo, documentos se dissipam, a memória de testemunhas esmorece e se esvai o prazo de retenção pelas instituições de informações telefônicas, fiscais e financeiras", diz a nota.

Com a decisão de Toffoli, as investigações que estão em andamento em todo o país só poderão ser retomadas após o plenário da Corte decidir sobre a constitucionalidade do compartilhamento, com o Ministério Público, de dados sigilosos de pessoas investigadas. O julgamento da questão deve ocorrer em novembro.

A liminar do ministro atinge todos os inquéritos e procedimentos de investigação criminal (PIC), apuração interna do MP, que tramitam no Ministério Público Federal (MPF), além dos estaduais, em que não houve prévia decisão judicial para repasse dos dados pela Receita, Coaf e Banco Central.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Jovem de 23 anos morre em acidente de motocicleta em Campo Grande
SAÚDE
Ministério da Agricultura identifica mais 10 lotes de cerveja contaminada
CAMPO GRANDE
Após 4 horas, suspeito de roubar caminhonete é preso em matagal
ESPORTE
Corrida de rua abre inscrições para prova com percurso de 30 km
CHAPADÃO DO SUL
Suspeita de matar menina de 13 anos é transferida para Capital
ECONOMIA
Dispensa de alvará beneficiará 10,3 milhões de empresas de baixo risco
CHAPADÃO DO SUL
Homem é preso com pornografia infantil, paga fiança e é solto
DOURADOS
Matrículas dos veteranos da UFGD começarão na próxima sexta-feira
TRÊS LAGOAS
Homem furta celular, pede R$ 50 para devolver e acaba preso
ALERTA
Brasil monitora casos suspeitos de coronavírus em MG, RS e PR

Mais Lidas

VÍDEO
Ventania derruba árvores e destelha casas na região sul de Dourados
DOURADOS
Mulher deixa carro com chave na ignição e tem surpresa 15 horas depois
REGIÃO
Condutor de caminhonete é preso após atingir sete veículos estacionados
JARDIM FLÓRIDA
Homem é preso acusado de 'passar a mão' em menina de 11 anos