Menu
Busca quinta, 20 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Justiça obriga casal a se separar após marido mudar de sexo

17 junho 2011 - 07h29

A Justiça italiana obrigou um casal da cidade de Bolonha a se separar contra a própria vontade, depois que o homem trocou de sexo e se tornou mulher.

Alessandro Bernaroli, 40 anos, se submeteu a uma operação de troca de sexo em 2009, quatro anos após ter se casado no civil e no religioso. Ele passou a se chamar de Alessandra e não tinha a intenção de se separar da mulher. Nem ela dele.

Em outubro do ano passado, um tribunal de Modena, cidade onde foi celebrado o casamento, reconheceu que o casal tinha o direito de permanecer unido legalmente.

Agora, uma sentença do tribunal de apelação de Bolonha, onde eles moram, impôs o divorcio, alegando falta de diversidade sexual entre os cônjuges.

###Regularização
O problema surgiu quando Alessandra foi regularizar seus documentos com a nova identidade feminina na prefeitura. Um funcionário anulou o casamento alegando não ser possível legalizar a união entre duas mulheres.

"Pensei que fosse suficiente mudar o nome na certidão de casamento, mas eles decidiram que a gente tinha que se separar", disse ela à BBC Brasil.

Segundo o advogado do casal, embora a legislação italiana não reconheça os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, não há lei que os obrigue a se divorciar sem o próprio consentimento.

"A lei de ratificação da identidade sexual não prevê a dissolução automática do casamento. E ainda que a mudança de sexo seja motivo para pedir o divórcio, ele deve ser solicitado pelo cônjuge", explicou o advogado Michele Giarratano ao jornal La Repubblica.

###Discriminação
O casal se considera vítima de discriminação. "É uma situação intolerável, pois não se julga com base na legislação existente e sim no preconceito. Não queremos que nosso casamento tenha uma definição: homossexual, transexual ou heterossexual, mas continuar vivendo como antes", diz Alessandra.

Agora os advogados vão entrar com um recurso no tribunal de última instância, cuja sentença definitiva deve sair em 4 ou 5 anos.

"Enquanto isso, não sabemos se somos casados ou não, o que podemos e o que não podemos fazer. Isto fere nossa dignidade ", reclama.

Caso a última sentença seja negativa, Alessandra disse que pretende recorrer à Corte Europeia de Direitos Humanos e pedir asilo político a um país membro da União Europeia.

Ela é também ativista de um grupo que defende os direitos dos homossexuais e afirmou que deseja transformar seu caso numa batalha pelos direitos de todos.

"Queremos que a Itália seja como o Brasil, por exemplo, onde as pessoas do mesmo sexo já podem conviver legalmente", afirma.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPERAÇÃO CARNAVAL
Polícia alerta para aumento em até 40% de veículos em rodovias de MS
ESPORTE
Abertas as inscrições para o estadual de beach tennis
APÓS CONFRONTO
Força Nacional é enviada ao Ceará para apoio nas ações de segurança
CAMPO GRANDE
TJ decide ser contra o desmatamento do Parque dos Poderes
DOURADOS
Após goteiras e reclamações, prefeitura anuncia melhorias estruturais no aeroporto
AGENDAMENTOS
Cassems alerta que falta a consultas sem justificativas atrapalha andamento das unidades de saúde
COMÉRCIO E WHATSAPP
Após série de denúncias, delegado faz alerta a novos golpes em Dourados
ESTADUAL DE FUTEBOL
Vitória garante ao Águia vaga antecipada para as quartas
ARQUITETURA & DESIGN
Juliana Saraiva fala sobre a importância de recepções nos consultórios
INFORME PUBLICITÁRIO
Além do conforto: troca de colchão proporciona qualidade de vida e evita doenças

Mais Lidas

APÓS 9 ANOS
Hipermercado fecha as portas em Dourados no final do mês
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
VIOLÊNCIA
Homem é assassinado em frente a padaria em Dourados
DOURADOS
Júri termina com réu condenado a 15 anos por matar desafeto em 2018