Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
TECNOLOGIA

Justiça multa em R$ 5 mil homem que apagou Facebook de empresa após deixar emprego

13 junho 2018 - 17h05Por G1

Justiça do Trabalho de São Paulo multou em R$ 5 mil um homem que apagou a página de uma empresa no Facebook após se desligar dela.

A decisão foi proferida pela 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região nesta segunda-feira (11).

Diego Sabino da Silva era gerente e sócio de uma empresa chamada Centro Criativo de Tecnologia, que cria games e promove cursos de desenvolvimento de jogos e funciona em São Paulo. Depois de romper a sociedade, em julho de 2016, ele levou consigo as senhas de acesso à página da empresa do Facebook.

Justiça julga válida demissão com justa causa por ‘curtida’ no Facebook
Além de se negar a revelar as credenciais de acesso, Silva entrou com uma ação trabalhista contra a empresa pedindo o reconhecimento de vínculo empregatício e uma restituição salarial equivalente. O valor requerido por ele era de um valor próximo a R$ 1 milhão.

Sem senha

A companhia rebateu o pedido com um novo processo, em que exigia a restituição das senhas da página no Facebook. Ganhou na primeira instância. Após o juiz exigir a devolução da posse do perfil, Silva apagou a página.

O Centro Criativo criou uma nova página no Facebook e pediu o pagamento de danos e perdas pela página perdida, além de uma compensação no valor de R$ 661 para custear os anúncios contratados por meio da rede social.

Na decisão desta semana, o colegiado do TRT descartou atender o pedido do vínculo empregatício – o nome de Silva estava no quadro societário nos documentos submetidos pela empresa à Junta Comercial de São Paulo—e obrigou o ex-gerente a pagar R$ 5 mil para reparar os danos sofridos pela empresa.

Silva diz que não houve dano à empresa, já que ela criou uma outra página no Facebook dias após sua saída.

“O simples fato de a reclamada ver-se compelida a criar nova página em dezembro de 2016 ante o não fornecimento das senhas pelo autor, não lhe retira o interesse em pretender a administração da página primeva, a qual, indubitavelmente, contém maior número de seguidores e clientes vinculados”, escreveu em seu voto o desembargador Marcos César Amador Alves, relator do caso.

Silva tentou justificar a exclusão dizendo que a página da empresa estava ligada a seu perfil pessoal no Facebook. O magistrado também descartou esse argumento. “A tese recursal de que a exclusão foi perpetrada em virtude de a página encontrar-se vinculada ao perfil pessoal do reclamante não é idônea a amparar o notório descumprimento.”

Nova lei trabalhista

O TRT não determinou o pagamento dos anúncios porque a empresa não definiu em qual período o dinheiro foi gasto.

Erlani Regina Dias Benício, a advogada de Silva, afirmou que vai recorrer.

“O interessante desse processo é que ele começou a tramitar antes da nova lei trabalhista. Se ele entrasse com uma ação após a nova lei, ele ia tomar um prejuízo maior”, afirma o advogado da Centro Criativo, Santiago Mendes Cortes.

A nova lei estabelece que quem perder a ação terá de pagar entre 5% e 15% do valor da sentença para os advogados da parte vencedora, os chamados honorários de sucumbência. Neste caso, os percentuais se aplicariam ao cerca de R$ 1 milhão pedido por Silva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ANDRADINA
Adolescentes pedem pizza, pagam com notas falsas e acabam presos
DOURADOS
Prejuízo ao narcotráfico chega a R$ 28 mi, aponta balanço
SAÚDE MENTAL
Depressão: precisamos falar sobre
VIAGEM
Praia do Rosa tem como 'charme' a bela natureza preservada
DOURADOS
Polícia não encontra e João Fava Neto é considerado foragido da Justiça
SÓ NO TRUQUE
Como ficar mais alta mesmo sem usar salto
ESPORTE
Game pantaneiro de beach tennis promete movimentar as areias do Belmar Fidalgo no fim de semana
HUMMMM!
Salada de Arroz com berinjela
ARQUITETURA
Reforma elimina paredes e garante vista panorâmica
EDUCAÇÃO
Notas do Enem já estão disponíveis para consulta

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS