Menu
Busca domingo, 20 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

Justiça manda soltar todos os 439 bombeiros presos no Rio

10 junho 2011 - 09h59

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro expediu na madrugada desta sexta-feira um alvará de soltura para os 439 bombeiros presos na semana passada após invadirem o quartel central da corporação. O pedido de habeas corpus foi conseguido pelos deputados federais Alessandro Molon (PT-RJ), Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) e Doutor Aluizio (PV-RJ).

A decisão foi tomada pelo desembargador Cláudio Brandão, e deverá ser encaminhada à Auditoria Militar ainda nesta sexta-feira. O deputado Protógenes Queiroz comemorou a decisão em seu perfil no Twitter. "Nessa madrugada consegui um Habeas corpus para libertar os 439 bombeiros millitares do RJ. Viva a Justiça brasileira!!!", escreveu ele.

Na quinta-feira, parlamentares da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados visitaram os bombeiros presos no hospital da corporação e no quartel do Méier, no Rio de Janeiro. Mais tarde, os três parlamentares que conseguiram o habeas corpus, além do deputado Mendonça Prado (DEM-SE) se encontraram com líderes do movimento que estão sob custódia no Grupamento Especial Prisional em São Cristóvão. Na sequência, foram ao quartel de Charitas, onde 430 dos 439 militares continuavam presos.

###Bombeiros na cadeia
Cerca de 2 mil bombeiros que protestavam por melhores salários invadiram o quartel do Comando-Geral dos Bombeiros, na praça da República, em 3 de junho. Os manifestantes chegaram a usar mulheres como escudo humano para impedir a entrada da cavalaria da Polícia Militar no local. No entanto, o Batalhão de Choque da Polícia Militar (Bope) invadiu o quartel por volta das 6h do dia seguinte e prendeu 439 bombeiros.

Os integrantes do protesto responderão pelos crimes de motim, dano ao aparelhamento militar (carros e mobiliário), dano a estabelecimento (quartel) e inutilização do meio destinado a salvamentos (impedir que carros saíssem para socorro). Dados oficiais apontam que os manifestantes danificaram viaturas, arrombaram portas do quartel e saquearam alimentos.

A situação vinha se tornando mais tensa desde maio, quando uma greve de guarda-vidas, que durou 17 dias, levou cinco militares à prisão. A paralisação acabou sendo encerrada por determinação da Justiça. Os bombeiros alegavam não ter recebido contraproposta do Estado sobre a reivindicação de aumento do piso mínimo para R$ 2 mil. Segundo eles, os profissionais recebem cerca de R$ 950 por mês.


Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTES
Jorjão retoma programação na terça-feira e disponibiliza oito atividades
TRÁFICO
Motorista é flagrado com 40 quilos de cocaína que levaria para Minas Gerais
EDUCAÇÃO
Sisu abre inscrições na terça; veja dicas para conseguir uma vaga
PONTA PORÃ
Homem é morto a facadas por sobrinhos após agredir a esposa
OPORTUNIDADES
Concursos: 18 órgãos abrem inscrições para 277 vagas nesta segunda
FENÔMENO
Eclipse com 'superlua' será visível nesta madrugada em todo o Brasil
CAPITAL
Homem é encontrado morto com mãos amarradas e enrolado em cobertor
CORUMBÁ
Ação contra poluição sonora multa dois e apreende aparelhagem de som
JARDIM CARAMURU
Populares denunciam e homem é preso tentando furtar igreja
BIKE
Inscrições para o "Bonito Cross" terminam neste domingo

Mais Lidas

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Discussão entre casal termina com mulher baleada em Dourados
FRONTEIRA
Jogador de futebol, ‘Alicate’ é executado com 26 tiros de fuzil
DOURADOS
Homem furta loja do shopping, alarme dispara e ele acaba preso
CAMPO GRANDE
Bandidos que morreram em confronto com a polícia são identificados