Menu
Busca quarta, 17 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Justiça manda soltar todos os 439 bombeiros presos no Rio

10 junho 2011 - 09h59

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro expediu na madrugada desta sexta-feira um alvará de soltura para os 439 bombeiros presos na semana passada após invadirem o quartel central da corporação. O pedido de habeas corpus foi conseguido pelos deputados federais Alessandro Molon (PT-RJ), Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) e Doutor Aluizio (PV-RJ).

A decisão foi tomada pelo desembargador Cláudio Brandão, e deverá ser encaminhada à Auditoria Militar ainda nesta sexta-feira. O deputado Protógenes Queiroz comemorou a decisão em seu perfil no Twitter. "Nessa madrugada consegui um Habeas corpus para libertar os 439 bombeiros millitares do RJ. Viva a Justiça brasileira!!!", escreveu ele.

Na quinta-feira, parlamentares da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados visitaram os bombeiros presos no hospital da corporação e no quartel do Méier, no Rio de Janeiro. Mais tarde, os três parlamentares que conseguiram o habeas corpus, além do deputado Mendonça Prado (DEM-SE) se encontraram com líderes do movimento que estão sob custódia no Grupamento Especial Prisional em São Cristóvão. Na sequência, foram ao quartel de Charitas, onde 430 dos 439 militares continuavam presos.

###Bombeiros na cadeia
Cerca de 2 mil bombeiros que protestavam por melhores salários invadiram o quartel do Comando-Geral dos Bombeiros, na praça da República, em 3 de junho. Os manifestantes chegaram a usar mulheres como escudo humano para impedir a entrada da cavalaria da Polícia Militar no local. No entanto, o Batalhão de Choque da Polícia Militar (Bope) invadiu o quartel por volta das 6h do dia seguinte e prendeu 439 bombeiros.

Os integrantes do protesto responderão pelos crimes de motim, dano ao aparelhamento militar (carros e mobiliário), dano a estabelecimento (quartel) e inutilização do meio destinado a salvamentos (impedir que carros saíssem para socorro). Dados oficiais apontam que os manifestantes danificaram viaturas, arrombaram portas do quartel e saquearam alimentos.

A situação vinha se tornando mais tensa desde maio, quando uma greve de guarda-vidas, que durou 17 dias, levou cinco militares à prisão. A paralisação acabou sendo encerrada por determinação da Justiça. Os bombeiros alegavam não ter recebido contraproposta do Estado sobre a reivindicação de aumento do piso mínimo para R$ 2 mil. Segundo eles, os profissionais recebem cerca de R$ 950 por mês.


Deixe seu Comentário

Leia Também

A DONA DO PEDAÇO
Chiclete descobre bomba sobre Vivi
JULHO AMARELO
Saúde desenvolve campanha sobre IST e Hepatites Virais em Dourados
SIDROLÂNDIA
Guarda noturno atira contra homem e o fere na boca e costas
FRONTEIRA
Veículo furtado que seria trocado por droga no Paraguai é recuperado
JUSTIÇA
Corretor é condenado a repassar R$ 45 mil de comissão de corretagem
DOURADOS
Homem é preso tentando furtar envelope com R$ 3,8 mil de cliente de banco
Iluminação Pública
Mesmo com cobrança suspensa, prefeitura prevê R$ 18 milhões com Cosip em 2020
BRASIL
PIB recua 0,8% no trimestre encerrado em maio, diz FGV
DEBATE
Audiência no dia 22 trata de projeto que extingue cargos indígenas
DOURADOS
Recapeamento na rua Cuiabá ‘trava’ em trecho de 10 quadras

Mais Lidas

DOURADOS
Coordenadora de Ceim é exonerada e pais fazem abaixo-assinado para tentar mantê-la
POLÍCIA
Investigação vê indícios de relação entre homicídios no Jardim Pantanal e Guanabara
DOURADOS
Assassinado em conveniência já cumpriu pena por tráfico e lavagem de dinheiro
DOURADOS
Upiran entrega carta de demissão a Délia e aguarda substituto para deixar Educação