Menu
Busca sábado, 22 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Juíza nega indenização para associação de fumantes

26 maio 2011 - 17h16

A juíza Fernanda Gomes Camacho, da 19ª Vara Cível de São Paulo, rejeitou as pretensões indenizatórias da Associação de Defesa da Saúde do Fumante (ADESF), no dia 16 de maio. Trata-se de uma ação coletiva proposta contra as fabricantes de cigarros Souza Cruz e Philip Morris Brasil. Segundo a associação, autora da ação, o pedido é de mais de R$ 30 bilhões. Cabe recurso.

Fernanda Gomes Camacho citou laudos periciais, que comprovam que “o consumo de cigarros é mero fator de risco (probabilidade) de diversas doenças e não causa necessária”. Segundo a juíza, “a inexistência de alertas sobre os malefícios do consumo do cigarro nas embalagens e nas peças publicitárias, quando não havia exigência legal de tal advertência, não comporta responsabilização das rés”.

Com base nos processos anteriores, inclusive no Superior Tribunal de Justiça, a juíza ressaltou que “é fato notório, há décadas, que o cigarro é prejudicial à saúde do fumante” e que, “embora seu consumo cause riscos à saúde, não há proibição de sua produção e comercialização. Ao contrário, o comércio de cigarros é atividade lícita, permitida em nosso ordenamento”.
No caso foi feita uma inédita perícia médica para analisar cuidadosamente as doenças associadas ao consumo de cigarros. E ainda: uma extensa perícia publicitária para analisar as propagandas veiculadas nos últimos 30 anos pelas duas fabricantes no país. As perícias foram feitas a pedido do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A médica constatou que não é possível determinar, de forma antecipada, se um fumante desenvolverá algum tipo de doença, mas apenas apontar a existência de fatores de risco. Já a publicitária confirmou que o uso do tabaco em todas as suas formas remonta a tempos antigos, mais antigos do que a publicidade e que esta não é o único fator determinante na escolha por fumar ou não de um indivíduo.

Essa foi a primeira ação indenizatória por danos atribuídos ao consumo de cigarros ajuizada no país. Em 1995, a ADESF entrou com ação exigindo indenização por danos morais e materiais para todos os “consumidores-fumantes”. O argumento foi o que de que a publicidade das fabricantes era enganosa e abusiva.

A associação chegou a ter uma decisão favorável de primeira instância, em julgamento antecipado. A ré alegou não ter tido tempo de produzir as provas requeridas. Em 2008, o Tribunal de Justiça de São Paulo anulou a sentença por entender que a condenação sem provas viola o direito constitucional de ampla defesa.

O processo foi, então, devolvido para 19ª Vara Cível de São Paulo, até que fossem produzidas provas, inclusive periciais que já haviam sido determinadas pelo próprio Tribunal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
China já tem mais de 2.300 casos do novo coronavírus
TJMS
Expediente no Judiciário retorna apenas na quinta-feira
CAMPO GRANDE
Justiça manda município reformar escola rural pioneira
CAMPO GRANDE
Bandidos invadem condomínio de luxo e levam joias, dinheiro e armas
CAMPEONATO CARIOCA
Flamengo e Boavista decidem primeiro turno neste sábado
SEGURANÇA PÚBLICA
Operação Fronteira Segura é deflagrada no Sul do Estado
CORUMBÁ
Homem morre ao ser esfaqueado e assassino é preso
GAUCHÃO
Grêmio encara decisão contra o Caxias
DESACATO
Filha de vereador é presa após xingar policiais em blitz
BR-262
Pescadores liberam rodovia após quase 4h de protesto

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher ameaça se jogar de torre no Jardim Guaicurus
DOURADOS
Fechamento e promoções levam multidão a fazer fila em hipermercado
DOURADOS
Após negociação, mulher é resgatada de torre no Guaicurus
DOURADOS
Bombeiro usou técnica de rapel para resgatar mulher em torre