Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
STF

Janot denuncia Temer, Joesley e mais 7 por obstrução e organização criminosa

14 setembro 2017 - 16h50

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (14) uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer, desta vez pelos crimes de obstrução à Justiça e organização criminosa.

Outras oito pessoas são alvos da mesma denúncia (dois ministros, dois ex-ministros, dois ex-deputados, um empresário e um executivo). De acordo com o procurador, os políticos denunciados arrecadaram mais de R$ 587 milhões em propina.

O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, está entre os denunciados – ele tinha a garantia de que não seria denunciado nem preso, mas Janot entendeu que houve descumprimento dos termos do acordo de delação premiada. Na última sexta, ao expedir mandado de prisão de Joesley, o ministro Edson Fachin, do STF, suspendeu os efeitos do acordo. Agora, o procurador-geral decidiu pedir a rescisão do compromisso.

O STF somente poderá analisar a denúncia contra Temer se a Câmara autorizar. Em agosto, a Câmara rejeitou a primeira denúncia de Janot contra Temer, por corrupção passiva.

Além de Temer e de Joesley, também foram denunciados nesta quinta:

Eliseu Padilha (PMDB-RS), ministro da Casa Civil

Moreira Franco (PMDB-RJ), ministro da Secretaria-Geral

Ricardo Saud, executivo do grupo J&F

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-deputado

Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ex-deputado e ex-ministro

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro

Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-deputado e ex-assessor de Temer

Organização criminosa

Segundo Rodrigo Janot, Temer, Cunha, Henrique Alves, Geddel, Rocha Loures, Padilha e Moreira Franco, todos integrantes do PMDB, formaram um núcleo político para cometer crimes contra empresas e órgãos públicos.

De acordo com a denúncia, os integrantes do suposto esquema receberam valores de propina que, somados, superam R$ 587,1 milhões, arrecadados de empresas e órgãos públicos, entre os quais ais Petrobras, Furnas, Caixa Econômica Federal, Ministério da Integração Nacional, Ministério da Agricultura, Secretaria de Aviação Civil e Câmara dos Deputados.

Obstrução de justiça

Entre as ações que configuram obstrução de justiça, a denúncia se refere ao "pacto de silêncio" entre Funaro e Joesley Batista para que eles não fechassem acordo de delação. Funaro é apontado como operador de propinas do PMDB. Os dois se tornaram delatores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Preço da gasolina em Dourados tem nova queda, aponta ANP
DOURADOS
Um ano após pedido de demissão, ex-secretário de Délia retorna à prefeitura
GERAL
Centro alerta sobre revogação da exigência da emissão do Registro Aduaneiro
TRÁFICO DE DROGAS
Homem é preso com mais de 40kg de maconha na BR-060
CAMPO GRANDE
Ciclista suspeito de estar bêbado é atropelado e morre
ECONOMIA
Mercado reduz projeção de crescimento da economia para 2,48% em 2019
DOURADOS
“Buracão da Federal” dá prejuízo a motoristas em via movimentada
EDUCAÇÃO
230 mil estudantes da Rede Estadual de Ensino retornam às aulas nesta segunda-feira
ELEIÇÕES 2018
Pedido de Bernal para validar votos é negado pelo STF
CAMPO GRANDE
Ex-tenente acusado de furtar cadáver é preso dirigindo bêbado

Mais Lidas

DOURADOS
Após denúncia anônima, Polícia fecha “boca de fumo” no jardim Itália
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
Homem é assassinado a tiros de pistola na região de fronteira
TRÁFICO
Homem de 27 anos é preso com 185 quilos de maconha em residência