Menu
Busca domingo, 19 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Itamaraty teme pela interrupção do resgate de brasileiros

07 agosto 2006 - 12h56

O Itamaraty já teme pela interrupção da operação de resgate de brasileiros do Líbano se os ataques às principais vias de acesso ao país continuarem. O chanceler Celso Amorim sugeriu que os brasileiros que ainda estejam no Líbano e que queiram sair do país que o façam assim que possível. "Está complicado e estamos vendo que a situação ficará ainda mais delicada. Se os bombardeios continuarem no ritmo que estamos vendo, não sei até quando poderemos fazer os resgates e se conseguiremos tirar todos os brasileiros do Líbano que queiram sair ", afirmou o ministro das Relações Exteriores. A operação de retirada dos brasileiros é a maior das últimas décadas e, tanto em Beirute como na Síria e na base montada de Brasil na Turquia, ninguém se arrisca a calcular quantos brasileiros existem no país em guerra. No total, mais de 2,2 mil brasileiros já deixaram o Líbano. No domingo o chanceler ainda pediu que o Ministério protestasse diante do governo de Israel contra a dificuldade que os diplomatas do País estão tendo para entrar no Líbano para ajudar no resgate. Entre sábado e domingo um dos funcionários do governo viajou para a Turquia. De lá, com um carro, percorreu a estrada em direção à Síria, mas não conseguiu entrar no Líbano pela fronteira norte do país. Normalmente a região é considerada como mais segura. Mas o governo brasileiro não conseguiu o aval de Israel para que o diplomata passasse pela região com o mínimo de segurança. "Os israelenses não estão dando mais garantias para carros individuais", explicou o chanceler, visivelmente irritado com a postura de Israel. Apesar das dificuldades e das críticas a Israel, o Itamaraty garante que o governo não irá seguir a política da Venezuela de retirar seu embaixador de Tel-Aviv. Um dos principais motivos seria a necessidade de manter um diálogo com o governo israelense exatamente para negociar a saída de comboios de ônibus do Líbano em direção à Síria e Turquia. Amorim também ensaia uma visita à Beirute. Mas as condições de segurança ainda tornam a visita difícil. Um eventual cessar-fogo ou uma diminuição o ritmo dos bombardeios podem permitir que o chanceler siga ainda nesta semana à capital libanesa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLÊNCIA
Homem é executado com 11 tiros na Capital
POLÍCIA
Funcionária de supermercado tem celular furtado enquanto trabalhava
DEODÁPOLIS
Pecuarista é multado por degradações ambientais em áreas protegidas
PONTA PORÃ
Caminhonetes são encontradas incendiadas no lado brasileiro da Fronteira
ECONOMIA
Brasil assina acordo de cooperação agrícola com a Alemanha
DOURADOS
Concursados da PM, Bombeiros e GM se unem para cobrar convocação
FRONTEIRA
Polícia de MS alia forças ao Paraguai para captura de foragidos de presídio em Pedro Juan
DOURADOS
Casal têm celulares roubados durante caminhada no Jardim Progresso
POLÍTICA
Novo partido não usará fundo eleitoral sancionado, diz Bolsonaro
SÃO GABRIEL DO OESTE
Adolescente é morta a tiros pelo marido após discussão

Mais Lidas

CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
TRÁFICO
Polícia flagra esquema de venda de droga no cartão em Dourados
DOURADOS
Mulher é trancada no banheiro durante assalto no BNH 3º Plano
GUARDA
Traficante que queria ganhar R$ 12 mil vendendo drogas é presa em Dourados