Menu
Busca quarta, 20 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
VIGÍLIA

Indígenas de MS fazem manifestação em frente ao STF, em Brasília

27 junho 2019 - 07h21Por G 1

Integrantes de comunidade indígenas Guarani Kaiowá do tekoha Guyraroka, fazem uma vigília em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília. O grupo, que chegou nesta quarta-feira, dia 26 de junho, reivindica a demarcação de terras no município de Caarapó, em Mato Grosso do Sul.

Nesta quinta-feira (27), o STF deverá decidir, no plenário, se mantém ou não a anulação da demarcação da Terra Indígena Guyraroka.

O grupo protesta também contra o fim do marco temporal que prevê que indígenas só teriam direito à demarcação de terras que estivessem sob suas posses em 5 de outubro de 1988. Assim, aqueles que estavam fora dessas áreas à época, ficariam impedidos de voltar para os territórios.

Para o líder do movimento Atyguaçu Guarani, Eliseu Pereira, de 43 anos, a ação é considerada um genocídio para a comunidade indígena.

"Eles querem acabar com o nosso povo."

Conflitos agrários

Os conflitos no campo foram os responsáveis por ao menos 24 assassinatos ocorridos em 2018. Foram cinco mortes envolvendo indígenas e quilombolas.

O número total de casos é inferior aos registrados em 2017, quando houve 71 mortes, mas não representa uma queda na violência, diz a Comissão Pastoral da Terra (CPT), responsável pelo levantamento. No ano passado, foram 575 tentativas de ameaça e expulsão em territórios indígenas, em Mato Grosso do Sul, de acordo com levantamento feito pelo CTP.

A Funai (Fundação Nacional dos Índios), afirma que são no total 567 terras indígenas no Brasil e 116 terras em estudos. Mas o líder Guarani contesta. Afirma que eles não têm espaço em Mato Grosso do Sul, além de sofrerem todo tipo de violência, seja verbal a física.

“Nós queremos que parem de matar nossas lideranças e que haja Justiça”.

“O nosso sonho é que tenham projetos voltados para a causa indígena como saúde, educação, segurança, social, porque a situação lá está muito difícil”, afirma Eliseu Pereira.

Processo que arrasta por anos

O processo da demarcação de terras para as comunidades indígenas do povo Guarani Kaiowá se arrastam há 20 anos, afirma o Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Um dos questionamentos do grupo, é o fato dos indígenas não serem ouvidos durante o processo da delimitação dos territórios.

"A gente não tem voz. Qualquer decisão que o governo toma é sem nos consultar", diz Eliseu.

Durante a vigília, o indígena Tito Virilhalva, de 100 anos, e a esposa, Miguela Almeida, encaminharam ao STF um memorial contando a história dos Guarani Kaiowá. Eles querem que o presente seja entregue aos ministros "para que eles entendam o contexto histórico".

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE
Sanesul abre processo seletivo para contador, engenheiro e psicólogo
R$ 6 MILHÕES
Carga milionária de cigarros que saiu de Caarapó é apreendida no Paraná
DOURADOS
Corregedoria abre sindicância para apurar ação da Guarda que terminou em morte
ANÁLISE
Nota MS Premiada passa pela CCJR e segue para votação em Plenário
CRIME AMBIENTAL
Assentado é multado em R$ 5 mil por corte irregular de árvores
EDUCAÇÃO
Enade: termina amanhã prazo para responder questionário
AGRONEGÓCIO
Maiores produtores de soja do Estado ainda não concluíram plantio
COXIM
Capivara é capturada em quintal de residência
FUTEBOL
Sport pode carimbar acesso à Série A nesta quarta-feira
BRASIL
Bolsonaro enviará hoje à Câmara projeto de excludente de ilicitude

Mais Lidas

ESTELIONATO
Suspeita de aplicar golpes em Dourados é presa na Paraíba
OPERAÇÃO PATRON
Dono de loja de importados na fronteira também é alvo de operação
DOURADOS
Nove homens acusados pela morte de interno da PED vão a júri nesta quarta
RIO BRILHANTE
Vítima de acidente em rodovia morre em hospital de Dourados