Menu
Busca segunda, 22 de julho de 2019
(67) 9860-3221
VIGÍLIA

Indígenas de MS fazem manifestação em frente ao STF, em Brasília

27 junho 2019 - 07h21Por G 1

Integrantes de comunidade indígenas Guarani Kaiowá do tekoha Guyraroka, fazem uma vigília em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília. O grupo, que chegou nesta quarta-feira, dia 26 de junho, reivindica a demarcação de terras no município de Caarapó, em Mato Grosso do Sul.

Nesta quinta-feira (27), o STF deverá decidir, no plenário, se mantém ou não a anulação da demarcação da Terra Indígena Guyraroka.

O grupo protesta também contra o fim do marco temporal que prevê que indígenas só teriam direito à demarcação de terras que estivessem sob suas posses em 5 de outubro de 1988. Assim, aqueles que estavam fora dessas áreas à época, ficariam impedidos de voltar para os territórios.

Para o líder do movimento Atyguaçu Guarani, Eliseu Pereira, de 43 anos, a ação é considerada um genocídio para a comunidade indígena.

"Eles querem acabar com o nosso povo."

Conflitos agrários

Os conflitos no campo foram os responsáveis por ao menos 24 assassinatos ocorridos em 2018. Foram cinco mortes envolvendo indígenas e quilombolas.

O número total de casos é inferior aos registrados em 2017, quando houve 71 mortes, mas não representa uma queda na violência, diz a Comissão Pastoral da Terra (CPT), responsável pelo levantamento. No ano passado, foram 575 tentativas de ameaça e expulsão em territórios indígenas, em Mato Grosso do Sul, de acordo com levantamento feito pelo CTP.

A Funai (Fundação Nacional dos Índios), afirma que são no total 567 terras indígenas no Brasil e 116 terras em estudos. Mas o líder Guarani contesta. Afirma que eles não têm espaço em Mato Grosso do Sul, além de sofrerem todo tipo de violência, seja verbal a física.

“Nós queremos que parem de matar nossas lideranças e que haja Justiça”.

“O nosso sonho é que tenham projetos voltados para a causa indígena como saúde, educação, segurança, social, porque a situação lá está muito difícil”, afirma Eliseu Pereira.

Processo que arrasta por anos

O processo da demarcação de terras para as comunidades indígenas do povo Guarani Kaiowá se arrastam há 20 anos, afirma o Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Um dos questionamentos do grupo, é o fato dos indígenas não serem ouvidos durante o processo da delimitação dos territórios.

"A gente não tem voz. Qualquer decisão que o governo toma é sem nos consultar", diz Eliseu.

Durante a vigília, o indígena Tito Virilhalva, de 100 anos, e a esposa, Miguela Almeida, encaminharam ao STF um memorial contando a história dos Guarani Kaiowá. Eles querem que o presente seja entregue aos ministros "para que eles entendam o contexto histórico".

Deixe seu Comentário

Leia Também

AEROPORTO
Governador da Bahia diz que não irá a evento com Bolsonaro
CORUMBÁ
Homem armado é preso por importunar meninas e agredir mulher
ECONOMIA
Governo estuda liberar neste ano até R$ 500 por conta do FGTS
DESCAMINHO
Polícia apreende mais de 3.400 unidades de bebidas sem documentação
COPA DO BRASIL
Athletico e Internacional fazem último jogo em casa
DOURADOS
Homem sofre tentativa de homicídio ao ser baleado nas costas
POLÍTICA
Governador Azambuja recebe embaixador do Reino da Tailândia no Brasil
ACIDENTE
Após sofrer acidente no Paraguai, jovem morre em hospital na Capital
MEDALHA DE OURO
Judoca de MS conquista ouro no Pan-Americano e garante vaga no Mundial
BRASIL
ANTT suspende resolução com novas regras para cálculo de frete mínimo

Mais Lidas

DOURADOS
Homem morre após bater moto em carro parado na Marcelino Pires
AMAMBAI
Morto a tiros em frente a conveniência era 'braço direito' de Jarvis Pavão
RIBAS DO RIO PARDO
Avô e neta morrem após caminhonete bater de frente em carreta
CAPITAL
Acidente entre dois carros e carreta mata motorista na BR-163