Menu
Busca terça, 11 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Imigração para os países desenvolvidos cresce em dez anos

03 dezembro 2012 - 17h45

Em uma década, de 2000 a 2010, aumentou em um terço o número de imigrantes que vivem nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) , apesar dos impactos da crise econômica que começou em 2008 e da redução gradativa de busca de oportunidade nos países desenvolvidos. Os dados da OCDE, formada por 34 países, foram divulgados hoje (3).

Os números são mais expressivos na Espanha, cuja população de imigrantes triplicou, entre 2000 e 2010, e mais do que duplicou na Islândia e Irlanda. Não há registros de aumento relevante na França, na Alemanha, nos Países Baixos e nos Estados Unidos.

No entanto, a organização adverte que as queixas sobre discriminação são constantes e ainda presentes no cotidiano dos imigrantes. As reclamações se referem às dificuldades para integração à sociedade, como condições para matricular os filhos e oportunidades de emprego.

O relatório da OCDE indica ainda que há diferenças entre os imigrantes mais antigos e os que chegaram recentemente. Em geral, concluíram os especialistas, os novos imigrantes são mais qualificados, inclusive com nível superior completo. A tendência se repete na Austrália, no Canadá, na Dinamarca, na Alemanha, nos Países Baixos e no Reino Unido.

Na Bélgica, na República Checa, na Alemanha, na Islândia, em Israel e na Suécia, a diferença entre os imigrantes antigos e os mais novos alcança um ano e meio de escolaridade. Por outro lado, há pouca diferença na Áustria, em Luxemburgo, na Suíça e no Reino Unido. No Sul da Europa e na Irlanda, houve uma queda no número dos imigrantes qualificados.

De acordo com a pesquisa da OCDE, apenas nos países atingidos de maneira intensa pelos efeitos da crise econômica internacional houve queda de emprego entre os imigrantes. Nessa relação estão, considerado o período da pesquisa, os Estados Unidos, onde a taxa caiu de 70% para 67%, e a Espanha, cuja taxa de 62% passou para 57%.

Porém, as taxas de emprego em quase todos os países têm aumentado na última década, segundo a OCDE, atingindo a média de 65%. Na Alemanha, país cujos efeitos da crise econômica internacional são considerados mínimos, a taxa de emprego de imigrantes aumentou de 57%, em 2000, para 64% em 2010. No Reino Unido, a taxa subiu de 62% para pouco mais de 66%, no mesmo período.

Os dados apontam evolução, principalmente, entre as mulheres trabalhadoras. Os números são positivos, especialmente na Suécia, Bélgica e Holanda. Segundo o estudo, a maior parte dos países mostrou ter avançado na integração dos imigrantes à sociedade, o que inclui atividades extracurriculares para as crianças e os adolescentes, por exemplo. O relatório completo pode ser obtido em língua inglesa na página da OCDE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Yasmin Brunet renova o bronzeado em dia de praia de Ipanema
DOIS IRMÃOS DO BURITI
Servidores públicos flagram abuso de criança e detêm estuprador
CAPITAL
Bíblias são encontradas intactas depois de incêndio que destruiu hotel
PLANO DE MANEJO
Futuro ministro do Meio Ambiente responde por ação de improbidade
NOVA ANDRADINA
Mãe de menino com doença degenerativa pede ajuda para bazar solidário
UFMS
Abertas 74 vagas para professores substitutos com salário de até R$ 6 mil
FUTEBOL
Marta é a primeira mulher a eternizar os pés na calçada do Maracanã
OPERAÇÃO JOÃO DE BARRO
Proposta da UFGD é aprovada para o Projeto Rondon 2019
RURAL
Governo defende agricultura e turismo sustentável em Bonito e região
CAMPO GRANDE
TRE/MS mantém mandato de vereadora, acusada de infidelidade partária

Mais Lidas

DOURADOS
Criança morre no HV três dias após ser atropelada na Cachoeirinha
PREGÃO
Vereadora presa desde outubro tenta retomar cargo na Câmara de Dourados
CHAPADÃO DO SUL
Avião agrícola cai e mata piloto em cidade de MS
DOURADOS
Criança morta após acidente de trânsito teve órgãos levados para SP e Campo Grande