Menu
Busca domingo, 24 de março de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Gás de cozinha ficará mais caro 12,2% a partir de quarta-feira

05 setembro 2017 - 15h05

A Petrobras anunciou hoje (5), no Rio de Janeiro, reajuste de 12,2% para o gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial, o chamado gás de cozinha, vendido em botijões de até 13 quilos. O aumento foi decidido pelo Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) da empresa e começa a vigorar amanhã (6).

Segundo a Petrobras, o Gemp considerou para efeito de ajustes nos preços do gás para uso residencial o cenário externo de estoques baixos, além dos reflexos de eventos climáticos, como o furacão Harvey, na maior região exportadora mundial do produto, que é a cidade de Houston, no Texas, Estados Unidos, cujos terminais permanecem fora de operação, o que afeta o mercado internacional. Com a menor disponibilidade de gás, os mercados consumidores, inclusive o brasileiro, sofreram aumento de preço.

A estatal afirmou, entretanto, que o reajuste aplicado "não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional". O Gemp fará nova avaliação do comportamento do mercado no próximo dia 21.

A Petrobras destacou que o reajuste previsto foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Se for integralmente repassado aos preços ao consumidor, a empresa indicou que "o preço do botijão de GLP P-13 pode ser reajustado, em média, em 4,2% ou cerca de R$ 2,44 por botijão, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos".

A Petrobras reajustou também os preços de venda às distribuidoras do GLP destinado aos usos industrial e comercial. O aumento médio de 2,5% entra em vigor amanhã (6).

Sindigás distribui nota

Em nota, o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) estimou que o reajuste para o gás residencial ficará entre 11,3% e 13,2%, de acordo com o polo de suprimento.

Como o aumento não repassa de forma integral a variação de preços do mercado internacional, a entidade calculou que o preço do produto destinado a embalagens até 13 quilos ficará 16,56% abaixo da paridade de importação. Segundo o Sindigás, isso inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento.

Em relação ao reajuste nos preços do gás industrial, para embalagens acima de 13 quilos, o Sindigás indicou que a variação será entre 2,4% a 2,6%, dependendo do polo de suprimento.

O sindicato externou preocupação com o reajuste para o gás industrial, porque "afasta ainda mais o preço interno dos valores praticados no mercado internacional, impactando justamente setores que precisam reduzir custos".

De acordo com o Sindigás, esse aumento levará o valor do produto destinado a embalagens maiores que 13 quilos a ficar 39,94% acima da paridade de importação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANASTÁCIO
Homem ameaça mulher com faca em discussão sobre troca de canal
CARIOCA
Flamengo e Fluminense fazem clássico pela Taça Rio
FLAGRANTE
Droga que seria levada à Bahia é apreendida
POR VAGA NA SEMIFINAL
Sete e Costa Rica: histórico equilibrado de confrontos
CRIME AMBIENTAL
Arrendatário é autuado em R$ 8 mil por desmatamento e uso ilegal de motoserra
POLÍCIA
Bandidos furtam motos em menos de 2h em Dourados
FUTEBOL
Sob desconfiança, São Paulo recebe Ituano em busca de reverter vantagem
TRÂNSITO
Homem morre após ser atropelado por motorista que fugiu do local do acidente
DOURADOS
Mulher é presa tentando entrar na PED com drogas escondidas na vagina
PAULISTÃO
Ferroviária e Corinthians iniciam disputa por vaga na semi

Mais Lidas

IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
BRASIL
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento
AQUIDAUANA
Colisão entre dois veículos deixa um morto e oito feridos na BR-262
DOURADOS
Homem é assaltado por trio quando trafegava próximo ao shopping