Menu
Busca domingo, 22 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Ganho de empregados domésticos sobe mais que a média

02 janeiro 2013 - 09h51

Nunca foi tão difícil achar uma emprega doméstica nas maiores metrópoles do país como no ano passado. E, para conseguir uma diarista ou uma mensalista, os patrões tiveram de pagar mais.


Quem ganhou foi a categoria, a de mais baixa remuneração entre todas. Tais conclusões surgem de dados levantados pela Folha, com base na Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE.

O número de pessoas empregadas em serviços domésticos vem caindo desde 2008, com exceção de 2009, quando a crise empurrou trabalhadores para funções menos qualificadas.
Com a menor oferta de domésticos --em sua grande maioria mulheres--, o rendimento do grupo cresceu acima da média.

Desde 2004, o ganho real (descontada a inflação) do salário das domésticas foi de 56%, ante 29% da renda média dos trabalhadores.

Ainda assim, o rendimento dessas funcionárias correspondia, em 2012, a 40% da média da remuneração de todos os trabalhadores.

Elas recebiam, em média, R$ 721 por mês de janeiro a novembro --6,7% a mais do que em igual período de 2011.

De acordo com Cimar Azeredo Pereira, gerente da pesquisa do IBGE, o emprego doméstico é a única categoria em que fica claro que a falta de mão de obra elevou os salários. Somente nesse grupo o emprego não cresceu nos últimos anos.

Desde 2009, última vez que o contingente cresceu, quase 130 mil pessoas deixaram o trabalho doméstico nas seis maiores regiões metropolitanas do país.
Outro impulso, afirma Pereira, veio do forte reajuste real do salário mínimo nos últimos anos.

O técnico do IBGE ressalta que, historicamente, a renda das domésticas sempre oscilava em torno do mínimo, mas distanciou-se dessa referência principalmente em 2011 e 2012 com a maior remuneração paga à categoria.

"É uma questão de oferta e demanda. Se há menos trabalhadores disponíveis, o custo desse serviço cresce", diz Pereira.

FAMÍLIAS

"A empregada doméstica representa a única categoria não contratada por empresas, mas por famílias, que arcam com uma despesa maior."

A pesquisa do IBGE considera trabalhadoras com carteira, sem carteira, diaristas e mensalistas.

A diarista Raquel Reigada, 47, ilustra a maior procura por domésticas: tem todos os dias da semana ocupados e sua diária aumentou de R$ 80 em 2011 para R$ 100 em 2012.

"Agora está mais fácil trabalhar como doméstica. Os patrões dão aumento todo ano e décimo terceiro. Acho que é porque tem muita gente que não quer esse serviço", afirma Reigada.

"Onde eu moro ninguém quer ser diarista no Rio", diz a moradora de Itaguaí, que gasta duas horas e meia para chegar às casas onde trabalha, na zona sul.

De acordo com Márcio Salvatto, professor do Ibmec, as mulheres ampliaram o nível de educação nos últimos anos e, como consequência, passaram a procurar postos de trabalho que exigem maior qualificação.

Além disso, elas passaram a ser aproveitadas pelo setor de serviços, que se expandiu e tradicionalmente já era um grande empregador de mão de obra feminina.
Nacionalmente, os dados do Censo de 2010 também mostraram uma redução do número de trabalhadores domésticos e aumento da renda desse grupo --no qual 92% eram mulheres.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Mulher fica gravemente ferida após ser lançada contra arame farpado
AMPLAVISÃO 1315
Nas pontes de Roma a lembrança de André
DOURADOS
Poste derrubado após roubo de veículos continua caído na Marcelino Pires
TRADIÇÃO CATÓLICA
27ª Festa a São Cristóvão leva caminhões às ruas de Dourados
EDUCAÇÃO
IFMS encerra nesta segunda inscrições para transferências
FÓRMULA 1
Hamilton vence após Vettel parar no muro no GP da Alemanha
SINOP
Adolescente é flagrando com maconha que seria comercializada no MT
DIRETRIZES
Período eleitoral impõe restrições na Comunicação da UFGD
CRIME AMBIENTAL
Homem é multado por construir muro que degrada matas ciliares
ELEIÇÕES
PSL faz convenção neste domingo para lançar candidatura de Bolsonaro

Mais Lidas

ÁGUA BOA
Ferido com tiro durante comemorações na Copa é preso com drogas em Dourados
CAMPO DOURADO
Jovem nega tráfico e diz que pedido de carona o levou até casa com droga
DOURADOS
Índios invadem fazenda, torturam e fazem caseiro refém por 6h
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao bater carro na traseira de caminhão parado