Menu
Busca sexta, 23 de agosto de 2019
(67) 9860-3221
BRASIL

Frente parlamentar quer juros baixos para Santas Casas endividadas

07 fevereiro 2019 - 11h46Por Agência Câmara

A Frente Parlamentar Mista de Apoio às Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas foi reinstalada ontem (6/2), com a preocupação de assegurar que essas entidades consigam financiar suas dívidas a juros baixos.

O presidente da frente parlamentar, deputado Antonio Brito (PSD-BA), criticou a Medida Provisória 859/18, editada em dezembro pelo governo Temer, que permite elevar as taxas de juros a serem pagas pelas Santas Casas. Ele lembrou que uma medida provisória anterior (848/18), aprovada pelo Congresso Nacional, limitava o percentual de juros a 8,66%, mas a MP 859 possibilita aumentar até 3% a mais. “Portanto, nós vamos ficar com juros de quase 12% ao ano”, afirmou.

“Os parlamentares estão se articulando para tentar ver se isso não ocorre e pedir tanto à Caixa e ao Banco do Brasil quanto ao BNDES e ao governo federal que mantenham os juros subsidiados. Rolar a dívida para pagar com recursos do SUS subfinanciado, com juros de 12% ao ano, é praticamente enxugar gelo, na dificuldade que é manter pagamento de juros com um dinheiro do SUS que não aumenta", disse o deputado.

A comissão mista que vai analisar a MP 859 ainda não foi instalada, e os deputados da frente parlamentar querem garantir a Presidência ou relatoria do colegiado. Há uma ação direta de inconstitucionalidade contra essa medida provisória.

Equilíbrio das contas

A 1ª vice-presidente da frente parlamentar, deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), disse que é fundamental a defesa do equilíbrio de contas das Santas Casas. “Hoje, as Santas Casas têm uma despesa muito alta e uma receita baixa para os serviços prestados, como o atendimento de um paciente que chega em uma emergência e o internamento de um paciente com pneumonia ou com uma fratura”, declarou.

De acordo com dados do setor, as Santas Casas e os hospitais filantrópicos são responsáveis por mais de 50% dos atendimentos ambulatoriais e internações hospitalares realizadas no Sistema Único de Saúde (SUS) e representam a maior rede hospitalar no País. A dívida dessas entidades, no entanto, já contabiliza mais de R$ 21 bilhões.

Além da dívida a ser paga, o presidente da Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, Edson Rogatti, afirmou que é preciso haver novas fontes de recursos para as entidades. “Precisamos de recursos novos para as Santas Casas, para a saúde, para que a gente tenha um atendimento justo”, disse.

A Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos reúne cerca de 2.100 hospitais em todo o País e está presente em mais de 1.700 municípios do Brasil. Em 967 municípios, os filantrópicos são a única unidade de saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Brigada realiza formatura em alusão ao Dia do Soldado
JUSTIÇA
Clientes que acionaram garantia serão indenizadas por eletrodoméstico com defeito
DOURADOS
Prefeita diz abominar discriminação e aciona Procuradoria para investigar conduta de guarda
FAMOSOS
Ator responderá na Justiça por desacato e briga em bar
FUTEBOL
Árbitra de MS atua em duelo da Série A do Brasileirão neste final de semana
CAGED
País gera 43,8 mil empregos formais em julho
DOURADOS
Délia revoga nomeação de coordenadora da intervenção na Funsaud
DOURADOS
VÍDEO: Guarda agride rapaz em abordagem na UPA e corregedoria abre inquérito para apuração
VALE QUANTO?
Peritos imobiliários avaliam Douradão para venda ou aluguel a pedido da prefeitura
REUNIÃO
Procon cobra maior agilidade de atendimento em agências bancárias

Mais Lidas

TRÂNSITO
Empresa desliga mais de 30 lombadas eletrônicas em Dourados após rescisão contratual
DOURADOS
Veículo é consumido pelas chamas no Água Boa; veja vídeo
CRIME ORGANIZADO
Operação contra o PCC cumpre 30 mandados de prisão em cidades de MS
DOURADOS
Coordenador diz que Samu tentou reanimar acidentado por uma hora em HV sem médico