Menu
Busca Sexta, 17 de Novembro de 2017
(67) 9860-3221

FMI aprova crédito de US$ 6,6 bi ao Brasil

15 Dezembro 2003 - 18h41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou nesta segunda-feira que políticas monetária e fiscal prudentes são essenciais no novo acordo com o Brasil, aprovado na sexta-feira, que prevê a liberação de cerca de R$ 6,6 bilhões recursos novos para o país. Segundo o Fundo, a economia brasileira está retomando fôlego e deverá crescer no próximo ano 3,5% - em linha com as previsões do mercado. Para este ano, o FMI prevê crescimento não superior a 0,6%. "Após a performance decepcionante no início deste ano, existem agora claros sinais de que a demanda doméstica começou a se recuperar", disse Horst Koehler, diretor-gerente do Fundo em comunicado. Além da extensão do acordo até o final do próximo ano, a diretoria do Fundo aprovou a quinta e última revisão do acordo atual, e liberou mais uma parcela de cerca de 8,2 bilhões de dólares para o Brasil. "Contudo, tendo em vista a melhora do balanço de pagamentos, as autoridades indicaram que não pretendem fazer novos saques", disse o Fundo no comunicado. O governo brasileiro, desde a proposição do acordo no início de novembro, tem dito que o programa tem caráter preventivo. O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou que o objetivo era proteger a economia contra eventuais turbulências financeiras. O acordo prevê também o rescalonamento dos prazos de pagamento de obrigações de 2005 e 2006, além de uma série de medidas estruturais para impulsionar e sustentar o crescimento no Brasil. "Isso inclui medidas para reduzir os spreads bancários, aumentar a intermediação financeira e melhorar as condições dos negócios, além de medidas preparatórias para aumentar a flexibilidade do orçamento", afirmou Koehler em comunicado. O Fundo disse ainda que o governo pretende continuar melhorando o perfil da composição da dívida interna, reduzindo a sua vulnerabilidade. Os detalhes da administração da dívida pública para 2004 ainda estão sendo finalizados e serão publicados em janeiro. Todo o início do ano, o Tesouro Nacional anuncia um plano de admistração da dívida pública interna. O FMI afirmou que o Brasil pretende manter os objetivos de reduzir a proporção da dívida indexada ao câmbio e de títulos pós-fixados, e aumentar a proporção dos papéis com juros prefixados e atrelados à inflação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Sem calcinha, Fani Pacheco esbanja corpão em foto sensual
FIQUE ATENTO
Saiba o que levar na prova do IFMS neste domingo
PNAD CONTÍNUA
Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados no país
TECNOLOGIA
Após Goiás, CNH eletrônica começa a ser implantada no Distrito Federal
AÇÃO
Funtrab divulga balanço de multirão realizado no feriado
DOURADOS
Nova lavanderia leva oportunidades a presos da PED
BRASIL
Portaria disciplina reprogramação dos investimentos em concessões rodoviárias
BRASIL
Governo federal vai descontingenciar R$ 7,5 bilhões do Orçamento
ECONOMIA
“Desempenho do PIB demonstra força da economia de MS”, diz Reinaldo Azambuja
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda antes de feriado e de olho em movimentação política

Mais Lidas

DESAPARECIDO
Estudante desaparece e deixa família desesperada em Dourados
DOURADOS
Pintor de moto é flagrado com quase 300 papelotes de cocaína
DOURADOS
Incêndio deixa casa destruída no Jardim Novo Horizonte
RIO BRILHANTE
Homem é surpreendido por assassino e morto na varanda de casa