Menu
Busca domingo, 22 de abril de 2018
(67) 9860-3221

FMI aprova crédito de US$ 6,6 bi ao Brasil

15 dezembro 2003 - 18h41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou nesta segunda-feira que políticas monetária e fiscal prudentes são essenciais no novo acordo com o Brasil, aprovado na sexta-feira, que prevê a liberação de cerca de R$ 6,6 bilhões recursos novos para o país. Segundo o Fundo, a economia brasileira está retomando fôlego e deverá crescer no próximo ano 3,5% - em linha com as previsões do mercado. Para este ano, o FMI prevê crescimento não superior a 0,6%. "Após a performance decepcionante no início deste ano, existem agora claros sinais de que a demanda doméstica começou a se recuperar", disse Horst Koehler, diretor-gerente do Fundo em comunicado. Além da extensão do acordo até o final do próximo ano, a diretoria do Fundo aprovou a quinta e última revisão do acordo atual, e liberou mais uma parcela de cerca de 8,2 bilhões de dólares para o Brasil. "Contudo, tendo em vista a melhora do balanço de pagamentos, as autoridades indicaram que não pretendem fazer novos saques", disse o Fundo no comunicado. O governo brasileiro, desde a proposição do acordo no início de novembro, tem dito que o programa tem caráter preventivo. O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou que o objetivo era proteger a economia contra eventuais turbulências financeiras. O acordo prevê também o rescalonamento dos prazos de pagamento de obrigações de 2005 e 2006, além de uma série de medidas estruturais para impulsionar e sustentar o crescimento no Brasil. "Isso inclui medidas para reduzir os spreads bancários, aumentar a intermediação financeira e melhorar as condições dos negócios, além de medidas preparatórias para aumentar a flexibilidade do orçamento", afirmou Koehler em comunicado. O Fundo disse ainda que o governo pretende continuar melhorando o perfil da composição da dívida interna, reduzindo a sua vulnerabilidade. Os detalhes da administração da dívida pública para 2004 ainda estão sendo finalizados e serão publicados em janeiro. Todo o início do ano, o Tesouro Nacional anuncia um plano de admistração da dívida pública interna. O FMI afirmou que o Brasil pretende manter os objetivos de reduzir a proporção da dívida indexada ao câmbio e de títulos pós-fixados, e aumentar a proporção dos papéis com juros prefixados e atrelados à inflação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Homem ainda não identificado morre após bater motocicleta em poste
ITINERANTE
Carreta da Justiça realiza exames de DNA e 63 casamentos em Tacuru
MEIO AMBIENTE
Homens são multados em R$ 2,5 mil por pesca ilegal no rio Verde
FUTEBOL
Corumbaense perde por 2 a 0 na estreia da série D do Brasileirão
CAMPO GRANDE
Homem é assassinado a golpes de faca no interior de sobaria
ELEIÇÕES
Paraguai escolhe novo presidente com candidato de direita favorito
SOCIAL
Clube Indaiá de Dourados promove "Costelão Dançante" neste domingo
CAMPO GRANDE
Idoso morre em hospital depois de cair do telhado de residência
TEMPO
Domingo de sol com algumas nuvens em Dourados. não chove
UAUUUU!!
De lingerie, Mel Fire posa sensual e garante ser totalmente natural

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Homem morre após cair com veículo em rio
JARDIM GUANABARA
Homem é preso acusado de abusar de criança em Dourados
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao ser arremessada de caminhonete
DOURADOS
Adolescente que comprava maconha no Paraguai para revender é apreendido