Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 9860-3221

FMI aprova crédito de US$ 6,6 bi ao Brasil

15 dezembro 2003 - 18h41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou nesta segunda-feira que políticas monetária e fiscal prudentes são essenciais no novo acordo com o Brasil, aprovado na sexta-feira, que prevê a liberação de cerca de R$ 6,6 bilhões recursos novos para o país. Segundo o Fundo, a economia brasileira está retomando fôlego e deverá crescer no próximo ano 3,5% - em linha com as previsões do mercado. Para este ano, o FMI prevê crescimento não superior a 0,6%. "Após a performance decepcionante no início deste ano, existem agora claros sinais de que a demanda doméstica começou a se recuperar", disse Horst Koehler, diretor-gerente do Fundo em comunicado. Além da extensão do acordo até o final do próximo ano, a diretoria do Fundo aprovou a quinta e última revisão do acordo atual, e liberou mais uma parcela de cerca de 8,2 bilhões de dólares para o Brasil. "Contudo, tendo em vista a melhora do balanço de pagamentos, as autoridades indicaram que não pretendem fazer novos saques", disse o Fundo no comunicado. O governo brasileiro, desde a proposição do acordo no início de novembro, tem dito que o programa tem caráter preventivo. O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou que o objetivo era proteger a economia contra eventuais turbulências financeiras. O acordo prevê também o rescalonamento dos prazos de pagamento de obrigações de 2005 e 2006, além de uma série de medidas estruturais para impulsionar e sustentar o crescimento no Brasil. "Isso inclui medidas para reduzir os spreads bancários, aumentar a intermediação financeira e melhorar as condições dos negócios, além de medidas preparatórias para aumentar a flexibilidade do orçamento", afirmou Koehler em comunicado. O Fundo disse ainda que o governo pretende continuar melhorando o perfil da composição da dívida interna, reduzindo a sua vulnerabilidade. Os detalhes da administração da dívida pública para 2004 ainda estão sendo finalizados e serão publicados em janeiro. Todo o início do ano, o Tesouro Nacional anuncia um plano de admistração da dívida pública interna. O FMI afirmou que o Brasil pretende manter os objetivos de reduzir a proporção da dívida indexada ao câmbio e de títulos pós-fixados, e aumentar a proporção dos papéis com juros prefixados e atrelados à inflação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Homem é preso após furtar tela de Associação de Moradores
ECONOMIA
Dólar fecha em queda com foco no Fed e aposentadoria dos militares
CRIME AMBIENTAL
Desmatamento gera multa de R$ 41 mil a produtor rural
IBOPE
Aprovação do governo Bolsonaro cai 15 pontos e chega a 34%
TEMPO
Caarapó é castigada com mais de 70 mm de chuva
TJMS
Juiz da infância de Dourados é promovido a desembargador do TJ
TRAGÉDIA
Brumadinho: total de mortes confirmadas sobe para 209
FUTEBOL DE MS
Primeira fase do Estadual termina sem troca de técnicos
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região
RESSOCIALIZAÇÃO
Artesã ensina detentas a confeccionar bonecas de pano

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
DOURADOS
Pai e madrasta de criança morta por agressão vão a júri popular
FRONTEIRA
Homem é executado enquanto tomava tereré na frente de açougue
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED