Menu
Busca segunda, 11 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Falta de independência de programa nuclear recebe criticas de físicos

14 junho 2011 - 15h58

O programa nuclear brasileiro sofre de uma "promiscuidade perigosa" porque o mesmo órgão que fiscaliza as atividades envolvendo energia atômica também financia as pesquisas nesse campo.

Esse é o diagnóstico de uma comissão da SBF (Sociedade Brasileira de Física), que avaliou o estado da área e apresentou suas conclusões durante o Encontro de Física 2011, em Foz do Iguaçu (PR). "A confluência de interesses prejudica a supervisão de segurança", diz Luiz Carlos Menezes, físico da USP e presidente da comissão.

O alvo das críticas dos físicos é a Cnen (pronuncia-se "que nem"), ou Comissão Nacional de Energia Nuclear.

Menezes lembra que já há a iniciativa de criar uma agência independente de monitoramento, mas ela não avança. "Não duvido que os interesses corporativos da própria Cnen estejam emperrando essa consulta", diz ele.
No relatório, o terceiro produzido pela comissão da SBF, os físicos também abordam o que consideram estratégico para o futuro da pesquisa nuclear no Brasil. Entre as principais demandas da comunidade científica está a criação de um reator multipropósito.

Esse tipo de reator poderia suprir o país com radioisótopos de uso médico, importantes para radioterapia ou diagnóstico e hoje produzidos fora do Brasil. "A construção autônoma também traria qualificação técnica, até para fazermos outros reatores se fosse decidido que é o caso de fazer", diz Menezes.

Nesse ponto, o chefe da comissão é categórico: o país não precisa de mais reatores neste momento, e construí-los equivaleria a simplesmente comprar tecnologia pronta fora, o que seria "tolice", afirma o pesquisador.

Laercio Vinhas, diretor de radioproteção e segurança nuclear da Cnen, diz que, com o passar do tempo, os programas nucleares mundo afora de fato foram ganhando agências de monitoramento independentes."Também pretendemos que haja separação aqui, embora isso não signifique que hoje o trabalho seja malfeito", afirma Vinhas.

"Não estamos contrariando as convenções internacionais porque elas pedem que regulação e fomento sejam funcionalmente independentes, e isso já acontece no interior da Cnen", argumenta.

Fonte: Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
Polícia apreende ônibus transportando mil pacotes de cigarros
ASSEMBLEIA
Homenagem aos parlamentares que compõe a história da Casa de Leis
CUMPRIMENTO DE MANDADO
Homem acusado de matar rival no MT é preso em Dourados
DOURADOS
TJ autoriza vereadores investigados por corrupção de participarem de sessões juntos
DEBATE
Audiência Pública abre mês de Consciência Negra em Dourados
PONTA PORÃ
Polícia apreende mais de 300kg de maconha dentro de carro na fronteira
CAPITAL
Homem é ferido a tiro por amigo após bebedeira e agressão a namorada
BOA AÇÃO
Com estoques quase zerados, Hemosul convoca doadores de sangue O- e O+
INTERNACIONAL
Líderes da América Latina se manifestam após renúncia de Evo Morales
TRÁFICO
Passageiros que saíram de MS são presos com cocaína em SP

Mais Lidas

CACHOEIRINHA
Jovem é espancada, sofre traumatismo craniano e está na UTI
VILA LILI
Jovem é preso e adolescente apreendido acusados de tráfico de drogas
PONTA PORÃ/PEDRO JUAN
Três são assassinados e um bebê fica ferido em "domingo sangrento" na fronteira
DOURADOS
Vítima de atropelamento, desconhecido morre no Hospital da Vida