Menu
Busca domingo, 16 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
INVESTIGAÇÃO

Fachin vê múltiplos indícios de prática de organização criminosa por empresários

10 setembro 2017 - 19h05

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin retirou hoje (10) o sigilo de sua decisão que determinou a prisão temporária dos empresários do grupo J&F Joesley Batista e Ricardo Saud. Para Fachin, a prisão temporária é necessária porque são múltiplos os indícios, confessados pelos próprios empresários, de que integram organização voltada à prática sistemática de delitos contra a administração pública e de lavagem de dinheiro. Fachin é o relator da Operação Lava Jato no STF.

A decisão determina também a suspensão cautelar da eficácia dos benefícios de delação premiada acordados entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e os colaboradores.

Fachin não determinou a prisão do ex-procurador da República Marcello Miller, dizendo que não há elemento indiciário com a consistência necessária para a decretação da prisão temporária por organização criminosa, "ainda que sejam consistentes os indícios de que pode ter praticado o delito de exploração de prestígio e até mesmo de obstrução às investigações". Segundo o ministro, não se mostraram presentes os elementos de estabilidade e permanência que configuram o crime de associação criminosa.

Fachin determinou que o cumprimento dos mandados deve ocorrer com a "máxima discrição e com a menor ostensividade", evitando o uso de algemas, pois não se trata de pessoas perigosas. "Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento das medidas tomar as cautelas apropriadas, especialmente para preservar a imagem dos presos, evitando qualquer exposição pública", diz a decisão.

A autorização da prisão de Joesley e Saud foi feita a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, depois que ele concluiu que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos, o que representa a quebra do acordo de delação premiada. Os empresários estão em São Paulo e podem ir à Brasília para se apresentar à Polícia Federal entre hoje (10) e amanhã (11).

O que motiviou o pedido de prisão de Marcelo Miller foi a suspeita da PGR de que o ex-procurador da República atuou como "agente duplo" durante o processo de delação. Miller ainda estava na procuradoria no período das negociações e deixou o cargo para atuar em um escritório de advocacia em favor da J&F.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FORAGIDO
Polícia Federal divulga possíveis disfarces de Cesare Battisti
ESPONTANEAMENTE
João de Deus, acusado de abusos sexuais, se entrega à polícia em Goiás
TRÊS LAGOAS
Motorista perde controle e tomba carreta carregada de celulose na BR-158
IMUNIZAÇÃO
Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias
DOF
Veículo furtado em Curitiba é recuperado a caminho do Paraguai
ESCOLA AVANI
Projeto de Extensão organiza Colônia de Férias em Dourados
OPORTUNIDADES
Concursos: 15 órgãos abrem inscrições para 409 vagas nesta segunda
TRÊS LAGOAS
Dupla invade casa e foge com objetos avaliados em R$ 60 mil
CLÁUSULA PÉTREA
Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
PROCON
Pesquisa aponta que produtos de fim de ano tem variação de 276%

Mais Lidas

DOURADOS
Homem morto em confronto articulava assassinato de sargento do Corpo de Bombeiros
DOURADOS
Jovem colide veículo em poste na avenida Marcelino Pires
ABORDAGEM
Homem morre após confronto com a polícia em Dourados
DOURADOS
Homem morto a facadas havia tentado separar briga de mãe e filho por R$ 30