Menu
Busca terça, 16 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
INVESTIGAÇÃO

Fachin envia para primeira instância denúncia contra Lula, Dilma e Mercadante

10 setembro 2017 - 07h15

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou para a primeira instância da Justiça Federal em Brasília a denúncia apresentada na última quarta-feira (6) contra os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Aloizio Mercadante. Ele contrariou pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que queria que o julgamento ocorresse no Supremo.

Lula e Dilma são acusados por obstrução de Justiça no episódio da nomeação do ex-presidente como ministro-chefe da Casa Civil, em março do ano passado. Segundo Janot, há indícios de que a indicação ao cargo por Dilma tenha servido para evitar que o ex-presidente tivesse a prisão decretada pelo juiz Sérgio Moro.

Mercadante foi incluído na denúncia por ter sido flagrado em gravação com um assessor do ex-senador Delcídio do Amaral. Na conversa, o ex-ministro ofereceu apoio financeiro e jurídico a Delcídio para que ele desistisse do acordo de delação premiada.

Com a decisão de Fachin, a denúncia contra Lula, Dilma e Mercadante será analisada por um único juiz federal em Brasília, ainda não definido. Caberá ao magistrado decidir se abrirá processo criminal contra os três, tornando-os réus, ou se arquivará o caso.

Falta de vínculos

Janot tinha pedido que a ação permanecesse no STF por entender que a nomeação de Lula para a Casa Civil estava relacionada a outra denúncia, de formação de organização criminosa, apresentada na terça-feira (5). Além de Lula e Dilma, seis membros do PT foram denunciados nessa ação, que só tramita no Supremo porque a senadora Gleisi Hoffmann, uma das acusadas, tem foro privilegiado.

Apesar dos argumentos de Janot, Fachin informou não ver ligação suficiente para manter a segunda denúncia no Supremo. Sem foro privilegiado, Lula, Dilma e Mercadante podem ser julgados em primeira instância.

Arquivamento

Mais cedo, Fachin tinha arquivado inquérito contra Dilma, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e dois ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Dilma e Cardozo eram suspeitos de terem nomeado o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Marcelo Navarro em 2015 para atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. Fachin atendeu ao pedido de Janot, que informou não ter encontrado indícios de favorecimento e havia pedido o arquivamento da investigação. O nome do ministro do STJ Francisco Falcão também constava desse inquérito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Correios fecham 41 agências a partir de hoje; duas delas em MS
EDUCAÇÃO
Inscrições prorrogadas para fiscais externos dos vestibulares da UFGD
SUFOCO
Seleção marca no fim e vence Argentina em amistoso
MATO GROSSO DO SUL
Próximo governador de MS pode ter R$ 15,04 bilhões de orçamento para 2019
DOIS DIAS DEPOIS
Servidora pública é encontrada nos fundos de residência que estava para alugar
MATO GROSSO DO SUL
Geração de mídias para o segundo turno das Eleições 2018 começa amanhã
CLIMA
Sensação térmica bate quase 36ºC em Dourados
RURAL
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na última quinzena de setembro
BEACH TENNIS
MS termina competição nacional em 8º lugar
CONTRABANDO
Caminhão adulterado é apreendido com 500 mil maços de cigarros

Mais Lidas

DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
JARDIM MONTE LÍBANO
Policiais douradenses são presos por assalto a família
QUADRILHA PRESA
Preso em assalto a família em Fátima do Sul mentiu o nome à polícia
FATALIDADE
Voluntário morre ao cair de “trenzinho” durante o Dia das Crianças em Dourados