Menu
Busca sexta, 22 de junho de 2018
(67) 9860-3221

Excesso de oferta desafia mercado de celulose em 2013

02 janeiro 2013 - 13h52

Depois de investir alto na expansão da capacidade para produção de celulose, empresas brasileiras podem demorar mais que o previsto para recuperar o capital.

Cerca de R$ 12 bilhões estão sendo destinados aos dois maiores projetos do setor no mundo até aqui: a fábrica da Eldorado em Três Lagoas (MS), inaugurada em dezembro, e a da Suzano em Imperatriz (MA), que começa a operar no fim deste ano.


Com capacidade para produzir 1,5 milhão de toneladas de celulose em cada unidade, o Brasil responderá por cerca de 70% da oferta adicional da commodity no mundo entre 2013 e 2014.
O crescimento não para por aí. Em dezembro, a Celulose Riograndense confirmou a expansão de sua fábrica em Guaíba (RS), que consumirá R$ 4,9 bilhões em recursos.

A capacidade passará das atuais 450 mil toneladas por ano para 1,75 milhão de toneladas ao ano em 2015.

O apetite das indústrias, no entanto, pode provocar sobra de celulose em 2013 e 2014, reduzindo os seus preços.

"O mercado corre o risco de excesso de oferta", afirma Wemerson França, economista da LCA.

Enquanto a demanda mundial por celulose deve crescer aproximadamente 1 milhão de toneladas por ano entre 2013 e 2014, a quantidade de produto disponível aumentará 2 milhões de toneladas a cada ano, estima Juan Tavarez, analista do Citi.

A crise na Europa, principal destino das exportações brasileiras de celulose, com 45% do total, e a desaceleração econômica na China, responsável por outros 26%, atrapalham o crescimento do consumo mundial.

Com a oferta maior do que a demanda, a queda das cotações será inevitável. "Os preços devem cair 2% em 2013 e 9% em 2014", diz Tavarez.

ESPERANÇA CHINESA

Para absorver a produção, as empresas apostam no processo de urbanização chinês e no maior consumo de papel que ele deve provocar.

"O potencial de crescimento na China é enorme", afirma Alexandre Yambanis, diretor da Suzano.

Segundo ele, o consumo per capita de papel para fins sanitários é de 2,5 quilos por ano na China, enquanto a média dos países ocidentais está entre 20 quilos e 25 quilos por pessoa ao ano.

Como a celulose de eucalipto, produzida no Brasil, é a mais indicada para a fabricação desse tipo de papel, as empresas acreditam no aumento da participação do Brasil no mercado mundial.

A Eldorado trabalha com uma estimativa de crescimento anual entre 2% e 2,5% na demanda mundial por celulose nos próximos anos.

"Isso significa uma demanda adicional entre 1 milhão e 1,5 milhão de toneladas por ano. É como se a cada ano uma fábrica do porte da Eldorado tivesse de ser construída", diz o presidente da empresa, José Carlos Grubisich.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE
Leilão do Governo do Estado tem Renault Logan por R$ 1,5 mil
DOURADINA
Motorista fica preso em ferragens após caminhão tombar na MS-470
UFGD
Programa de Monitoria recebe propostas a partir de segunda
JAPORÃ
Polícia Militar captura autor de estupro contra adolescente
EDUCAÇÃO
Aberta as matrículas para os convocados na 1° chamada do IFMS
PONTA PORÃ
Veículo roubado na Bahia é apreendido com 273 quilos de maconha
JUSTIÇA
Universidade deve indenizar formando por cobrar dívida inexistente
TERENOS
Dois são autuados por exploração de madeira e uso de motosserra
UFGD
Terminam no domingo as inscrições para seleção de estagiários
ITINERANTE
Carreta da Justiça atende 148 pessoas na comarca de Alcinópolis

Mais Lidas

DOURADOS
Interno é encontrado morto em cela da PED
DOURADOS
Suspeito nega envolvimento, mas é autuado por latrocínio
DOURADOS
Assassinato de andarilho pode ter ocorrido dentro de barraco
DOURADOS
Corpo encontrado carbonizado seria de andarilho