Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Estudante de medicina tem maior coleção de camisinhas do país

09 junho 2011 - 10h31

O que leva alguém a colecionar preservativos? “No meu caso foi por falta de uso mesmo”, diz o paulista Ricardo di Lazzaro Filho, de 25 anos, dono da maior coleção de camisinhas do Brasil, segundo o RankBrasil.

“Minha avó ganhou uma camisinha na Parada do Orgulho Gay em 2005, que ocorre todos os anos em São Paulo, e me deu. Falou que eu estava ficando mocinho e precisava me cuidar. Como nunca usei, guardei. A minha vida sexual não era ativa, então eu comecei a guardar os preservativos que ganhava. Foi depois de ver uns dez guardados em minha gaveta que resolvi colecionar”, conta o estudante de medicina da Universidade de São Paulo, que já se formou em Farmácia Bioquímica também pela USP.

Nesses seis anos até agora, não só a vida sexual de Ricardo mudou - namora a fisioterapeuta Renata Paraizo Leite, de 29 anos - como a sua coleção de preservativos aumentou e acabou reconhecida.

O RankBrasil homologou em fevereiro deste ano o recorde do universitário, como o maior colecionador de preservativos, “intactos”, do país. Na época, eram 419 modelos de diferentes tamanhos, cores, gostos, cheiros, temas e nacionalidades. Até esta quarta-feira (8), no entanto, ele já havia acumulado mais 30: eram 449 exemplares.

Junto com Renata, pretende comemorar o Dia dos Namorados visitando todos os primeiros locais marcantes do casal nos últimos quatro anos. “Vamos ao primeiro lugar onde nos beijamos, onde jantamos, passeamos etc”, anuncia Lazzaro Filho.

“Ele sempre foi muito romântico”, diz Renata, que informa que o casal não dispensa o uso da camisinha na relação. “Somos adeptos do sexo seguro. Ele só não usa as camisinhas da coleção.”

Renata diz que, apesar das piadinhas que ouviu a respeito da coleção do namorado, é a maior incentivadora dele. “Sempre que viajo a congressos trago algum preservativo curioso”, diz ela, que faz pós-doutorado em neurociência na Faculdade de Medicina da USP. “Levo comigo uma lista com a relação das camisinhas que ele tem para não pegar nenhuma repetida. Se for repetida, usamos.”

“Além de mim, acho que só tem mais duas pessoas no Brasil que gostam de colecionar camisinhas”, comenta Ricardo, que troca preservativos repetidos pela internet. Ele possui um blog intitulado "Minha Coleção de Camisinhas".

Ricardo afirma que praticamente metade da coleção foi presente da namorada, de amigos e familiares. Há na coleção camisinhas de mais de 35 países, como, por exemplo, Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Grécia, França, Egito, Argentina e África do Sul. “Além do Brasil, é claro”, diz.

Há sabores para todos os gostos: chocolate, banana, baunilha, cereja, morango, coco, hortelã, laranja, limão, manga, iogurte, maracujá, menta, tutti-frutti, tangerina e uva. “Os mais curiosos são de rosas e refrigerante de cola. Nunca experimentei”, afirma.

Outras chamam a atenção pela ousadia, como uma que tem o rosto de Homer Simpson, personagem de desenho animado.

Como colecionador de camisinhas, o universitário chegou à conclusão de que as mais baratas podem ser adquiridas na China e na Indonésia. “As mais caras estão na Europa. Uma unidade custa, em média, cerca de 5 euros [algo em torno de R$ 12]”, diz.

Nas suas viagens, Ricardo chegou a ser barrado no aeroporto da Holanda por ter comprado um preservativo com uma nota de euro falsa que obteve sem saber na Europa. “Depois descobriram que eu estava com várias camisinhas e as apreenderam”, diz. “Mas foi de lá que eu trouxe a camisinha mais exótica: está dentro de uma noz e foi comprada numa loja especializada em preservativos em Amsterdã.”

Por conta da inusitada coleção, ele já teve de passar por outra situação constrangedora quando teve a mala revistada no aeroporto do México. “Descobriram várias camisinhas na bagagem de mão e uma policial mexicana me alertou para que eu tomasse cuidado, como se fosse usar todas as camisinhas em relações sexuais.”

Mas onde pretende chegar com essa coleção? “Em termos de número, quero quebrar o recorde mundial de um senhor italiano que tem mais de 2 mil. Mas também quero ajudar a conscientizar o uso de preservativos.”

De acordo com o Guinness World Records, que edita o Livro dos Recordes, o idoso Amatore Bolzoni possui mais de 2.400 preservativos, sendo reconhecido como o maior colecionador de camisinhas do mundo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Traficante foge e polícia apreende veículo com maconha e skunk
MUNDO NOVO
Homem é preso por descumprir medida protetiva e ameaçar ex-mulher com faca
ECONOMIA
Com 3.526 empresas abertas em seis meses, MS tem o melhor 1º semestre em sete anos
DOURADOS
Câmara de Dourados discute LDO 2021 durante audiência pública
CHAPADÃO DO SUL
Ultrapassagem irregular teria causado colisão e incêndio em carretas deixando três mortes
REGIÃO
Caminhonete roubada com uma tonelada de maconha é recuperada na BR-376
ECONOMIA
Fornecedores do governo federal poderão pedir antecipação do crédito
MS
Enfermeiros classificados em processo seletivo da Funsau são convocados
COMER BEM
Conheça o 'fast-food saudável' para comer bem (mesmo na pressa)
POLÍTICA
Projeto de Lei exige aferição de temperatura de alunos após retorno das aulas

Mais Lidas

DOURADOS
Decreto vai mandar fechar bares e academias por 10 dias
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
DOURADOS
Publicado, decreto que fecha bares e academias por 10 dias poderá ser prorrogado
DOURADOS
Após trégua, frio intenso deve voltar até o final de semana