Menu
Busca quinta, 19 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CRA

Emprego na indústria volta a subir em outubro, aponta IBGE

11 dezembro 2012 - 13h53

Depois de recuar em setembro, o emprego na indústria brasileira voltou a subir em outubro, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O total do pessoal ocupado na indústria mostrou variação positiva de 0,4%.

Em relação a outubro do ano anterior, o emprego industrial teve queda de 1,2%, o 13º resultado negativo seguido nesse tipo de comparação. No ano, de janeiro a outubro, a taxa recuou 1,4% frente ao mesmo período de 2011. Já nos últimos 12 meses, o índice caiu 1,2%, repetindo o resultado de setembro.

Na comparação anual, foi registrada redução em 10 dos 14 locais pesquisados, com principal impacto negativo partindo da região Nordeste (-3,8%). Na sequência, estão São Paulo (-1,4%), Rio Grande do Sul (-3,7%) e Pernambuco (-6,8%). Na contramão, contrataram mais Minas Gerais (0,7%) e Paraná (0,8%).

Nesse mesmo tipo de comparação, o total do pessoal ocupado assalariado caiu em 12 dos 18 ramos pesquisados, com destaque para vestuário (-10,5%), calçados e couro (-5,9%), meios de transporte (-3,3%), têxtil (-5,5%), outros produtos da indústria de transformação (-3,7%), madeira (-6,6%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-2,4%) e papel e gráfica (-2,5%). Os impactos positivos partiram dos setores de alimentos e bebidas (4,0%), borracha e plástico (2,1%) e indústrias extrativas (3,6%).

No índice acumulado no ano, o emprego industrial registrou taxas negativas em 12 dos 14 locais e em 14 dos 18 setores investigados, com principal destaque sendo visto em São Paulo (-3,0%). Na sequência, estão região Nordeste (-2,5%), Rio Grande do Sul (-1,5%), Santa Catarina (-1,3%), Ceará (-2,7%) e Bahia (-2,6%). Tiveram taxas positivas Paraná (2,5%) e Minas Gerais (1,0%).

Por setor, as taxas negativas vieram de vestuário (-8,8%), calçados e couro (-6,3%), têxtil (-5,6%), produtos de metal (-3,7%), papel e gráfica (-3,8%), madeira (-8,2%), metalurgia básica (-3,7%), outros produtos da indústria de transformação (-2,6%) e borracha e plástico (-2,2%). As pressões positivas partiram dos setores de alimentos e bebidas (3,8%), máquinas e equipamentos (1,3%) e indústrias extrativas (3,9%).

Horas pagas

O número de horas pagas aos trabalhadores da indústria cresceu 1,1% sobre setembro. Na comparação com o mesmo mês de 2011, o número de horas pagas mostrou queda de 1,1%, a 14ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. No ano, foi registrada queda de 2,1% frente a igual período do ano anterior e, nos últimos 12 meses, de 2,0%.

Na comparação anual, foram registradas taxas negativas em 10 dos 14 locais pesquisados e em 10 dos 18 ramos. Os principais destaques partiram de vestuário (-11,9%), calçados e couro (-5,8%), outros produtos da indústria de transformação (-5,3%), madeira (-7,9%), meios de transporte (-2,1%), têxtil (-3,2%) e máquinas e equipamentos (-1,5%). Na contramão, estão os setores de alimentos e bebidas (4,1%) assinalou o principal impacto positivo nesse mês, seguida por produtos químicos (2,3%) e indústrias extrativas (4,1%).

Pagamento

O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria cresceu 0,1% sobre o mês anterior. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o valor da folha de pagamento real avançou 3,0%, trigésimo quarto resultado positivo consecutivo nesse tipo de comparação.

De janeiro a outubro, o indicador mostrou expansão de 3,2% sobre o mesmo período de 2011. A taxa dos últimos 12 meses também ficou em 3,2%.

Na comparação com igual mês do ano anterior, o valor da folha de pagamento real cresceu 3,0% em outubro de 2012, com resultados positivos em treze dos quatorze locais investigados. As maiores influências positivas sobre o total nacional foram verificadas em Minas Gerais (5,8%), Rio de Janeiro (7,9%), Paraná (5,8%), região Norte e Centro-Oeste (6,0%), São Paulo (0,8%) e região Nordeste (2,8%).

Na análise por setor, o valor da folha de pagamento avançou em 14 dos 18 setores investigados, com destaque para alimentos e bebidas (7,4%), indústrias extrativas (9,9%), produtos químicos (7,2%), borracha e plástico (6,8%), minerais não metálicos (5,7%), produtos de metal (2,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (2,0%) e refino de petróleo e produção de álcool (4,1%). Na contramão, o setor de vestuário (-7,6%) exerceu o maior impacto negativo sobre o total da indústria.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRANSPORTE AÉREO
Demanda por voos domésticos tem melhor 1º trimestre desde 2015
MODA
Inverno 2018 aposta em roupas com veludo
SAUDÁVEL
Receita de panqueca leva banana, pasta de amendoim e calda de cacau
MAIOR RIGOR
Entra em vigor pena maior para motorista bêbado que mata em acidente
VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL
Prêmio Nacional de Educação Fiscal abre inscrições a partir de hoje
DOURADOS
PM realiza operação no trânsito, apreende 13 veículos e oito motocicletas
CINEMA
Cineclube UFGD inicia sessões de gratuitas no sábado
DOURADOS
No Dia do Exército, solenidade homenageia personalidades na 4ª Brigada
ARQUITETURA INTERNACIONAL
Paris ganhará vila vertical de madeira; veja fotos do projeto ousado
NORTE DO ESTADO
Homem que armazenava combustível irregularmente é multado pela PMA

Mais Lidas

ITAPORÃ
Mortos em troca de tiros após assalto eram de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Em comunicado, PCC convoca integrantes para “alerta geral”
TENSÃO EM MS
Presos tentam impedir pente-fino na PED, mas agentes fazem ‘limpa’
DOURADOS
Após invadir Ceim, dupla ameaça vigia de morte e rouba equipamentos