Menu
Busca quinta, 19 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CRA

Dilma veta distribuição de royalties para áreas licitadas

01 dezembro 2012 - 10h15

A presidenta da República, Dilma Rousseff vetou o Artigo 3º do projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados que muda as regras de distribuição dos royalties do petróleo de campos já em exploração. Além disso, todos os royalties dos futuros contratos serão destinados à educação.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que a decisão da presidenta Dilma tem um “grande significado histórico”. “Todos os royalties, a partir das futuras concessões, irão para a educação. Isso envolve todas as prefeituras do Brasil, os estados e a União, porque só a educação vai fazer o Brasil ser uma nação efetivamente desenvolvida”, disse.

A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse que a medida provisória (MP), que será encaminhada para publicação no Diário Oficial da União na próxima segunda-feira (3), tem como premissas o respeito à Constituição e aos contratos estabelecidos, a garantia da distribuição das riquezas do petróleo e o fortalecimento da educação brasileira.

A ministra espera "sensibilidade" do Congresso Nacional para a aprovação da MP e argumentou que a medida vai beneficiar todos os entes federativos. "Estamos chegando num momento que não conseguimos ir para frente, não conseguimos fazer novas concessões porque não temos uma regra estabelecida na distribuição de royalties. Então, começamos a passar para um momento em que todos vão perder. Da forma como estamos mandando a medida provisória, respeitando a distribuição feita pelo Congresso, dirigindo para a educação, acredito que vamos ter a sensibilidade do Congresso Nacional."

Segundo Gleisi, a presidenta procurou conservar a maior parte do que foi deliberado no Congresso Nacional. “O veto ao Artigo 3º, resguarda exatamente os contratos em exercícios e redistribuição dos royalties ao longo do tempo”, disse.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que o veto não significa "nenhum desapreço ao Congresso Nacional", "mas sim a defesa de dispositivos constitucionais que asseguram a preservação dos contratos firmados até então."

Deixe seu Comentário

Leia Também

MINAS GERAIS
Brumadinho guarda uma das maiores preciosidades cultural e natural do país
TRANSPORTE AÉREO
Demanda por voos domésticos tem melhor 1º trimestre desde 2015
MODA
Inverno 2018 aposta em roupas com veludo
SAUDÁVEL
Receita de panqueca leva banana, pasta de amendoim e calda de cacau
MAIOR RIGOR
Entra em vigor pena maior para motorista bêbado que mata em acidente
VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL
Prêmio Nacional de Educação Fiscal abre inscrições a partir de hoje
DOURADOS
PM realiza operação no trânsito, apreende 13 veículos e oito motocicletas
CINEMA
Cineclube UFGD inicia sessões de gratuitas no sábado
DOURADOS
No Dia do Exército, solenidade homenageia personalidades na 4ª Brigada
ARQUITETURA INTERNACIONAL
Paris ganhará vila vertical de madeira; veja fotos do projeto ousado

Mais Lidas

ITAPORÃ
Mortos em troca de tiros após assalto eram de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Em comunicado, PCC convoca integrantes para “alerta geral”
TENSÃO EM MS
Presos tentam impedir pente-fino na PED, mas agentes fazem ‘limpa’
DOURADOS
Após invadir Ceim, dupla ameaça vigia de morte e rouba equipamentos