Menu
Busca sábado, 20 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

Dilma quer "o maior crescimento possível" em 2013 e defende redução de impostos

27 dezembro 2012 - 15h25

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (27) que está fazendo “o possível e o impossível” para que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano seja o maior possível. Para ela, a retomada da economia mundial, principalmente dos Estados Unidos e da China, deve beneficiar o Brasil. Dilma disse ainda que não pretende fazer mudanças no comando do Ministério da Fazenda. “O Mantega [Guido Mantega] não tem a menor hipótese de sair do meu governo, a não ser que queira”.

“O ano de 2013 terá um ambiente melhor, que também vai ser propício ao Brasil. Mas nós somos uma economia que pode caminhar pelos seus pés”, disse a presidenta, durante café da manhã com jornalistas. “O Brasil tem que ter crescimento sustentável e contínuo, com grau de sustentação muito alto. Este foi o ano de buscar a competitividade. É algo que teremos que fazer permanentemente a partir de agora, mas a partida foi dada neste ano”, acrescentou.

Entre as medidas que levaram a essas condições, Dilma listou a redução de juros, a taxa de câmbio “mais realista” e investimentos pesados em infraestrutura. No entanto, cobrou veementemente a redução de impostos e mudanças na estrutura tributária, que, segundo ela, tem que ser mais racional.

“O Brasil precisa reduzir impostos. Quando diminui a carga de juros, possibilita reduzir impostos. O Brasil precisa de uma mudança na sua estrutura tributária. Não falo em reforma, porque é mais fácil criar um mosaico do que fazê-la abruptamente. O Brasil precisa de uma estrutura tributária mais racional”.

Perguntada sobre interferência no setor privado, a presidenta foi enfática ao responder que agiu para garantir condições de empréstimos de longo prazo para investimentos. “Ninguém investe com financiamento de sete anos. Interferi sim para ter financiamento de 20, 30 anos e brigo ainda. Sou umas das pessoas mais preocupadas com financiamento a longo prazo".

Dilma defendeu a criação de outras formas de financiamento a longo prazo no país, como fundos que aceitem debêntures como ações, e a maior participação de bancos privados no setor. “Precisamos que bancos privados participem do financiamentos, e não apenas o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social]. Hoje tudo recai sobre o BNDES e não pode ser assim. O setor privado vai dar musculatura”, ponderou.

A presidenta evitou comentar a expectativa de novas quedas na taxa de juros ou outros indicadores econômicos. “Não me manifesto sobre juros e câmbio”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTSAL
Copa Abevê tem rodada de goleadas
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 3 milhões neste sábado
PRIMEIRO DIGITAL NO INTERIOR
1ª Peixada acontece hoje em comemoração aos 18 anos do Dourados News
UAU
Top baiana Daiane Sodré posa completamente nua na cama
RIGOR
Proposta de indulto de Natal exclui benefício a presos por corrupção
RURAL
Plantio da safra de soja no Estado chega a 54% da área estimada
CONFUSÃO
Troca de tiros entre policiais de SP e MG deixa um morto em hospital
SAÚDE
HU de Dourados inicia segundo ciclo da Pesquisa de Satisfação dos Usuários
CAMPO GRANDE
Polícia identifica suspeito de ter matado PM atrás de frigorífico
MEIO AMBIENTE
Pesquisadores da UEMS recebem Prêmio Troféu Marco Verde 2018

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Empresário retornava de Bonito e bateu de frente com carreta
DOURADOS
Mulher é presa furtando farmácia e confessa outros crimes
DOURADOS
Homem atropelado por motorista em fuga morre quase 2 meses após acidente
FRONTEIRA
Brasileiro é executado na frente de casa após receber ligação