Menu
Busca sábado, 20 de julho de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Dilma: Brasil não pode aceitar ser o 25º lugar no comércio internacional

24 junho 2015 - 13h30

Agência Brasil

A presidenta Dilma Rouseff disse hoje (24), durante o lançamento do Plano Nacional de Exportações (PNE), que o Brasil não pode aceitar ser apenas o 25º colocado no ranking de comércio mundial. Segundo ela, o Brasil precisa aproveitar o câmbio favorável às exportações para fortalecer o setor. O anúncio do novo plano é umas das medidas do governo para tentar recuperar a economia.

“O plano é parte estratégica da nossa agenda de voltar a crescer. Vamos implementar, em parceria com o setor produtivo, conjunto de medidas para ampliar e dinamizar nossas exportações. Potencial para isso não falta à sétima economia do mundo. Mas a sétima economia no mundo não pode aceitar ocupar 25º lugar no comércio internacional”, disse a presidenta em discurso durante o lançamento do pacote.

O novo plano de exportações terá vigência até 2018 e está baseado em cinco estratégias: acesso a mercados; promoção comercial; facilitação de comércio; financiamento de garantias à exportações; e aperfeiçoamento do sistema tributário relacionado ao comércio exterior.

Dilma destacou medidas comerciais e diplomáticas para ampliar mercados e diversificar as vendas brasileiras para o exterior. “A palavra de ordem é aumentar nossa participação no comércio mundial. Com câmbio favorável às exportações, com ação diplomática incisiva, com ação comercial determinada e com as medidas desse plano vamos fazer do comércio exterior elemento central da nossa agenda de competitividade da nossa economia”.

Entre as ações, Dilma destacou as viagens e missões comerciais a outros países e as visitas internacionais ao Brasil como oportunidades de acertos de acordos tarifários e gestões junto à Organização Mundial do Comércio para derrubar barreiras ao comércio de produtos brasileiros. “Vamos trabalhar para superar barreiras impostas às nossas exportações de bens e serviços, sejam as tradicionais, sejam aquelas que usam de elementos regulatórios para criar processos de contenção de ampliação das exportações”, explicou.

A presidenta destacou mais de uma vez durante o discurso a importância do mercado interno para a economia brasileira, que sustentou as políticas econômicas de seu primeiro mandato. Segundo Dilma, investir agora na ampliação do comércio internacional não significa negligenciar o mercado doméstico.

“Mercados internos fazem a diferença, funcionam com âncora, mas funcionam também como plataformas de lançamento. Vamos continuar trabalhando para ampliar o mercado interno, vamos continuar atuando para consolidá-lo, mas queremos que ele se transforme numa plataforma de lançamento das empresas, produtos e empresários para o mundo. Não há contradição entre a ampliação do mercado interno e a nossa conquista de mercados internacionais, pelo contrário, há uma complementariedade”, argumentou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Já estão em vigor as novas regras do frete mínimo para caminhoneiros
FLAGRANTE
Ambiental apreende barco e redes com paulistas no rio Sucuriú
DOURADOS
Após reunião com lideranças, Câmara suspende audiência sobre extinção de cargos indígenas
IMUNIZAÇÃO
Campanha imunizou mais de 11 mil presos contra a gripe em MS
BRASILEIRÃO
Três jogos encerram rodada da Série B neste sábado
TRÂNSITO
Mulher morre após acidente entre carro e moto
BRASILEIRÃO
Vasco vira diante do Fluminense e volta a vencer no campeonato
DOURADOS
Bancada de MS terá que "brigar em Brasília" para garantir hospital da mulher e da criança
INTERNACIONAL
Trump diz que ajuda a resolver questão entre a Coreia do Sul e o Japão
SAÚDE PÚBLICA
Julho Amarelo terá ações sobre IST e hepatites virais em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é baleado com quatro tiros no Estrela Verá
DOURADOS
AGORA: Homem é baleado no Estrela Verá
HOMICÍDIO
Jovem é assassinado com tiro de 9mm em Itaporã
INVESTIGAÇÕES
Preso no RJ, suspeito de planejar morte de “chefão da fronteira” é acusado de lavagem de dinheiro em MS