Menu
Busca segunda, 17 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
SAÚDE

Dia Mundial da Hanseníase destaca importância do tratamento

26 janeiro 2020 - 10h49Por Agência Brasil

O último domingo do mês de janeiro celebra o Dia Mundial contra a Hanseníase. Cercada por mitos e preconceitos, a doença antigamente conhecida como lepra, tem cura, porém, pode causar incapacidades físicas se o diagnóstico for tardio ou se o tratamento for inadequado. 

Atualmente, o Brasil é o segundo país com mais casos novos da doença, atrás somente da Índia. Por ano, são registrados cerca de 30 mil casos nos estados brasileiros, incluindo adultos e crianças. 

A hanseníase é uma doença infecciosa, contagiosa, causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. A transmissão da hanseníase acontece por tosse ou espirro de uma pessoa doente, que esteja sem tratamento, para outra - após “contato prolongado e contínuo”, segundo o Ministério da Saúde.

A doença atinge a pele e nervos periféricos e pode causar incapacidades e deformidades físicas, que alimentam estigma e preconceito.

Para que a doença se manifeste, normalmente há um longo período de incubação, ou seja, um intervalo, em média, de dois a sete anos, entre a contaminação e a manifestação dos sintomas. De acordo com o Ministério da Saúde, já houve, porém, casos atípicos, em que esse período foi mais curto - de sete meses - ou mais longo - de dez anos.

Tratamento

O diagnóstico se faz por meio de exame dermatoneurológico e avaliação neurológica simplificada. Os pacientes que iniciam o tratamento, que leva de seis meses a um ano, não transmitem a doença. 

O tratamento da doença não exige isolamento do paciente e é ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A terapia é feita por meio de Poliquimioterapia (PQT), por via oral, administrada em associação com medicamentos antimicrobianos. Desde o início dos cuidados, a doença deixa de ser contagiosa. O dia 31 de janeiro é o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase, data instituída pela Lei nº 12.135/2.009.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2017, 26.875 casos novos da doença foram diagnosticados no Brasil, taxa de detecção de 12,94 por 100.000 habitantes. Do total desses casos, 1.718 (6,4%) ocorreram em pessoas menores de 15 anos. Tocantins é o estado com maior número de diagnósticos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Acadêmicos da Unigran podem estudar na Espanha
CAARAPÓ
Carro é apreendido transportando 50 pneus contrabandeados
FISCALIZAÇÃO
Procon notifica 56 postos de combustível a prestar informações sobre estoque e preços
MS
Exportações de soja e milho caem em janeiro
DOURADOS
Propostas para construir bases de 190 casas variam quase meio milhão de reais
BRASIL
Anvisa descarta suspeita de coronavírus em navio no Porto de Santos
MS
PF cita prioridade em investigação sobre suposto atentado contra deputado federal
UNIVERSIDADE
UEMS abre 551 vagas para 32 cursos em 13 cidades
ESTADO
Plantio do milho segue atrasado em comparação com safra anterior
TRÁFICO
Veículo roubado em SP é apreendido com 80kg de maconha

Mais Lidas

VILA SÃO BRÁS
Venezuelanos são flagrados consumindo maconha em bairro de Dourados
DOURADOS
Ferido com tiro no peito, entregador chega pilotando moto na UPA
DOURADOS
VÍDEO: Internos 'batem grade' e queimam colchões em princípio de rebelião na Unei
DOURADOS
Líderes de motim que causou estragos na Unei são levados à delegacia