Menu
Busca terça, 18 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Desempenho pífio da economia e promessas descumpridas fecham 2º ano do governo Dilma

29 dezembro 2012 - 10h15

#####.

Um futuro que nunca chega. Essa é a sensação ao comparar as promessas feitas pela presidente Dilma e a realidade. Dois exemplos mostram o abismo entre as palavras da petista e o que ela entrega aos brasileiros. Em dezembro ela prometeu “pibão grandão” em 2013, mas 2012 chega ao fim com desempenho medíocre da economia brasileira, cujo crescimento não deve passar de 1%.

Tão pífio quanto é o descumprimento da promessa de campanha de construir 6 mil creches no seu governo. Até agora não entregou nem dez. Apagões, demagogia no anúncio da redução das contas de energia, revelações sobre a atuação do esquema montado no escritório da Presidência em São Paulo. Dia após dia dezembro mostra que a gestão petista deixa muito a desejar. Enquanto isso, a presidente vive seu mundo paralelo, ao acreditar, por exemplo, que não há crise de energia e o seu governo está aumentando investimentos, como afirmou em café da manhã com jornalistas no dia 28.

Confira abaixo os principais fatos do último mês de 2012.

Dá-lhe, PIBinho: junho de 2012. Guido Mantega, ministro da Fazenda, é questionado sobre a projeção do Banco Credit Suisse de que a economia brasileira cresceria 1,5% neste ano. “Piada”, rechaçou o ministro de bate pronto. Péssimo para fazer previsões, Mantega foi derrotado pelos fatos: as mais recentes estimativas de crescimento do PIB apontam para um cenário ainda pior: em torno de 1%. No início do ano o ministro falava em 4%.

Sua chefe, a presidente Dilma, prometeu um “pibão grandão” em 2013, mas até agora só entregou pibinhos à população. “O governo continua longe de formular políticas amplas, articuladas e de longo alcance para aumentar a eficiência nacional e permitir um crescimento mais firme por vários anos”, afirmou o jornal “O Estado de S. Paulo” em editorial. O desempenho pífio do PIB brasileiro levou publicações renomadas no exterior, como a “The Economist” e a “Financial Times”, a criticar o governo Dilma. A revista britânica inclusive defendeu a demissão do ministro da Fazenda.

Creches só no papel: o descumprimento de uma das principais promessas feitas por Dilma durante a campanha à Presidência, em 2010, retrata o descaso com a educação e o bem-estar das famílias brasileiras, sobretudo as mais carentes. Das seis mil creches prometidas pela petista, apenas sete unidades estão prontas. Ou seja, metade do mandato passou e menos de 1% da meta foi cumprida.

Os dados foram obtidos pelo jornal “O Estado de S. Paulo” em pesquisa feita nos ministérios. De dez áreas levantadas, a educação foi a que apresentou a maior diferença entre o prometido e o cumprido. Apenas 11,4% das promessas da presidente para o setor foram colocadas em prática até agora. No Ministério das Cidades o quadro não é muito diferente: nem 17% das metas saíram do papel.

País corre o risco de mais apagões: os recorrentes apagões no país evidenciam a falta de gestão, de planejamento e de investimentos do governo federal no setor elétrico, apesar da ilusão da presidente de que não há crise no setor. Em 15/12 pelo menos 2,7 milhões de pessoas de oito estados ficaram novamente sem luz. Foi a sexta vez que o país ficou às escuras desde setembro.

O polêmico marco regulatório idealizado pela petista para o país pode atrapalhar ainda mais os já combalidos investimentos para manter a qualidade dos serviços. Em dezembro o Planalto impôs seu modelo sem negociar com os atores envolvidos. Veículos importantes como a revista “Veja” e o jornal “Folha de S.Paulo” criticaram o caráter populista e a irresponsabilidade fiscal da proposta.

Redução das contas de luz: PT mostra sua verdadeira face: a reta final da votação da Medida Provisória 579/12, que trata das concessões de energia elétrica e diminui encargos do setor, mostrou a demagogia e a verdadeira face do PT em relação a este assunto. A legenda da presidente Dilma não quis aprovar a isenção de PIS/Pasep e Cofins da conta de luz, medida que traria economia de 5% para o consumidor. E depois o Partido dos Trabalhadores tenta vender para a sociedade que o PSDB é contra a redução das tarifas de energia, apesar de governos estaduais tucanos como os de SP, MG e PR darem isenção do ICMS na conta de luz das famílias mais pobres.

Envolvidos no “Rosegate” são blindados: o Planalto articulou sua base no Congresso para impedir a convocação de envolvidos no “Rosegate”, escândalo revelado a partir da Operação Porto Seguro, da Polícia Federal. Entre os protegidos pelo governo Dilma estão o ministro Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União), dirigentes de agências reguladoras e a própria Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. No dia 4 o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, participou de audiência na Câmara e negou a existência de esquema na Presidência. A tese foi rechaçada por tucanos, que também questionaram o porquê de Rose não ter sido investigada pela PF.

Corrupção é o que não falta no governo: a declaração da presidente Dilma ao jornal francês “Le Monde” de que não tolera a corrupção não corresponde à realidade, como esta cronologia da má gestão vem mostrando mês após mês. Para derrubar a tese da petista basta lembrar que a maioria das demissões de ministros da equipe dela foi motivada por suspeitas de corrupção e denúncias até hoje não esclarecidas. A única punição para os exonerados foi a perda do cargo. O troca-troca e a exoneração de ministros estão entre os fatos que marcaram a atual gestão desde que ela assumiu o Palácio do Planalto, em 2011.

Qualidade da telefonia não avança: durante audiência no dia 11/12 na Comissão de Ciência e Tecnologia, o presidente da Anatel, João Rezende, reconheceu as falhas dos serviços prestados pelas operadoras de celular e afirmou que nos últimos meses não houve melhora na qualidade. À frente da comissão, o PSDB reprovou a lentidão da agência reguladora para cobrar das companhias a melhoria da qualidade dos serviços prestados.

Privatização tardia: com atraso de anos, o governo avança lentamente na privatização de aeroportos. Em dezembro Dilma anunciou as concessões dos terminais do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Minas Gerais. Para deputados tucanos, a gestão petista se rendeu de vez às privatizações defendidas há anos pelo PSDB. Mas a resistência petista motivada por mera ideologia custou muito caro ao país, que perdeu dez anos até optar pelo caminho exitoso das privatizações.

(Da redação/Charges: Fernando Cabral – PSDB)

Deixe seu Comentário

Leia Também

EM PONTA PORÃ
"Guerra d’água" acontece domingo e terça-feira de carnaval na fronteira
DOURADOS
Geraldo garante asfalto e drenagem para o Parque dos Jequitibás
CAPITAL
Motorista se apresenta e confessa que matou vizinho por som alto
ECONOMIA
Dólar volta a bater R$ 4,35 e tem novo recorde de fechamento
FUTEBOL
Pia Sundhage convoca Seleção Feminina para disputa do Torneio França
CONTRABANDO
DOF realiza em Dourados maior apreensão de narguilé do ano
IRREGULARIDADES
MPMS recomenda à Assomasul que se abstenha de realizar pagamentos
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
POLÍTICA
Lava Jato denuncia Jucá e Raupp por corrupção e lavagem de dinheiro
DOURADOS
Aprovados em concurso em 2016 são convocados

Mais Lidas

DOURADOS
Ferido com tiro no peito, entregador chega pilotando moto na UPA
DOURADOS
Líderes de motim que causou estragos na Unei são levados à delegacia
DOURADOS
VÍDEO: Internos 'batem grade' e queimam colchões em princípio de rebelião na Unei
FRONTEIRA
Festa termina com aniversariante e convidado assassinados por pistoleiros