Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Delcídio apresenta relatório do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste

13 dezembro 2012 - 12h21

O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) apresentou na Comissão Mista Especial do Congresso que analisa a Medida Provisória 581/2012 o relatório com a regulamentação do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste .

“O fundo é uma ferramenta fundamental para garantir o desenvolvimento da nossa região. A proposta inicial, apresentada pelo governo, tratava o Centro-Oeste de forma diferenciada das demais regiões, como o Norte e o Nordeste. No meu relatório procurei atrelar todas as características das agências e dos fundos de desenvolvimento que a Amazônia e o Nordeste têm. A leitura equivocada, aqui em Brasília, é de que o Centro-Oeste não precisa de fundos de desenvolvimento regional. Por conta disso, procurei mudar essa realidade para que regras válidas para o Nordeste e para o Norte possa valer também para o Centro-Oeste. Sugeri , inclusive , a criação de um banco de desenvolvimento regional para o Centro-Oeste, como o Banco do Nordeste(BNB) e o Banco da Amazônia (BASA) “, revelou o senador.

O senador detalhou outras características da proposta de regulamentação do FDCO.

“Os bancos oficiais cobram 6% de risco bancário quando assumem solitariamente as operações. Quando o risco é partilhado a taxa cai para 3%. Nós estamos reduzindo esse risco para 3% quando a responsabilidade é só do Banco do Brasil ou da CEF, e 1,5% para quando compartilharem esses riscos com outras instituições. Esse é um número razoável porque está abaixo inclusive da inadimplência observada, especialmente, no FCO de 2011, e desonera quem vai tomar esses financiamentos , privilegiando o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste com taxas compatíveis com as taxas atuais de mercado”, exemplificou.

O relatório de Delcídio destina recursos para investimentos na região.

“Nós estamos aportando R$13 bilhões na CEF e R$ 8,1 bilhões no Banco do Brasil, totalizando R$21 bilhões sendo que, dos R$13 bilhões da CEF, previmos R$ 3,8 bilhões para investimentos em infraestrutura. No caso do Banco do Brasil, dos R$8,1 bilhões, separamos R$1 bilhão, para financiamento da safra. Foquei esses dois bancos e esses recursos porque precisamos de mais dinheiro para a safra, além de recursos para a infraestrutura porque precisamos ter uma logística ágil. Temos que reduzir o custo Brasil - o custo de produção. E, como o Mato Grosso do Sul e toda a região Centro-Oeste, hoje, representam o celeiro do Brasil na produção de alimentos, nada melhor do que infraestrutura para facilitar a vida dos produtores e levar comida barata para a população , com o agronegócio se consolidando como o segmento mais importante da economia brasileira”, especificou o relator.

Os membros da Comissão pediram vistas coletivas e a votação do relatório de Delcídio será realizada na próxima terça-feira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Dilma vai ao STF para Bolsonaro explicar declaração dada nos EUA
NAVIRAÌ
Homem é preso após estuprar e arquivar fotos de menina de 9 anos
TEMPO
Sexta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
UAU!
Namorada de Enzo Celulari, Victória Bartelle se refresca em dia de sol
POLÍCIA
PF suspende inquéritos que usam dados do Coaf sem aval da Justiça
BRASIL
ANTT publica novas regras para cálculo do frete mínimo dos caminhoneiros
CORUMBÁ
Médico suspeito de cobrar por cirurgia no SUS é denunciado por abuso sexual
JUDICIÁRIO
Goleiro Bruno obtém progressão de pena para o regime semiaberto
TECNOLOGIA
UEMS oferece curso gratuito de informática básica em Dourados
SAPUCAIA
Motocicleta furtada é recuperada e condutor é preso por receptação

Mais Lidas

FRONTEIRA
Pistoleiros são presos após executarem homem a tiros
FRONTEIRA
Suspeito de ter matado homem encontrado boiando em rio é preso
DOURADOS
Delegado encerra Inquérito e aguarda perícia para saber se tiro que matou bioquímico foi acidental
BR-163
Ponte sobre o Rio Dourados será parcialmente demolida em obra de R$ 3 milhões