Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Delcídio apresenta relatório do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste

13 dezembro 2012 - 12h21

O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) apresentou na Comissão Mista Especial do Congresso que analisa a Medida Provisória 581/2012 o relatório com a regulamentação do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste .

“O fundo é uma ferramenta fundamental para garantir o desenvolvimento da nossa região. A proposta inicial, apresentada pelo governo, tratava o Centro-Oeste de forma diferenciada das demais regiões, como o Norte e o Nordeste. No meu relatório procurei atrelar todas as características das agências e dos fundos de desenvolvimento que a Amazônia e o Nordeste têm. A leitura equivocada, aqui em Brasília, é de que o Centro-Oeste não precisa de fundos de desenvolvimento regional. Por conta disso, procurei mudar essa realidade para que regras válidas para o Nordeste e para o Norte possa valer também para o Centro-Oeste. Sugeri , inclusive , a criação de um banco de desenvolvimento regional para o Centro-Oeste, como o Banco do Nordeste(BNB) e o Banco da Amazônia (BASA) “, revelou o senador.

O senador detalhou outras características da proposta de regulamentação do FDCO.

“Os bancos oficiais cobram 6% de risco bancário quando assumem solitariamente as operações. Quando o risco é partilhado a taxa cai para 3%. Nós estamos reduzindo esse risco para 3% quando a responsabilidade é só do Banco do Brasil ou da CEF, e 1,5% para quando compartilharem esses riscos com outras instituições. Esse é um número razoável porque está abaixo inclusive da inadimplência observada, especialmente, no FCO de 2011, e desonera quem vai tomar esses financiamentos , privilegiando o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste com taxas compatíveis com as taxas atuais de mercado”, exemplificou.

O relatório de Delcídio destina recursos para investimentos na região.

“Nós estamos aportando R$13 bilhões na CEF e R$ 8,1 bilhões no Banco do Brasil, totalizando R$21 bilhões sendo que, dos R$13 bilhões da CEF, previmos R$ 3,8 bilhões para investimentos em infraestrutura. No caso do Banco do Brasil, dos R$8,1 bilhões, separamos R$1 bilhão, para financiamento da safra. Foquei esses dois bancos e esses recursos porque precisamos de mais dinheiro para a safra, além de recursos para a infraestrutura porque precisamos ter uma logística ágil. Temos que reduzir o custo Brasil - o custo de produção. E, como o Mato Grosso do Sul e toda a região Centro-Oeste, hoje, representam o celeiro do Brasil na produção de alimentos, nada melhor do que infraestrutura para facilitar a vida dos produtores e levar comida barata para a população , com o agronegócio se consolidando como o segmento mais importante da economia brasileira”, especificou o relator.

Os membros da Comissão pediram vistas coletivas e a votação do relatório de Delcídio será realizada na próxima terça-feira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Preço médio da gasolina se manteve acima dos R$ 4 em maio
TRÁFICO DE DROGAS
Ação conjunta apreende 5 toneladas de maconha em rodovia estadual
DOURADOS
Prazo dado pela Justiça para prefeitura entregar equipamentos de saúde termina esta semana
INFRAESTRUTURA
Sanesul investe no abastecimento de água de Ladário e vai ampliar rede de esgotamento sanitário
DOURADOS
Pesquisa mostra alta de 2,3% na cesta básica e grande variação de valores de produtos
COVID-19
Prefeitura rebate Saúde de MS e diz que não considera Dourados epicentro do coronavírus
PANDEMIA
Estado de calamidade pública pode ser decretado a outros quatro municípios de MS
ECONOMIA
Governo Federal oferece garantia em empréstimo para pequena e média empresa
DOURADOS
Câmara promulga Lei que beneficia alunos com déficit de atenção e hiperatividade
NAS REDES SOCIAIS
Novo diretor do DOF toma posse em solenidade transmitida ao vivo de Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados