Menu
Busca Segunda, 22 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221
Escola Sesc - Janeiro 2018

Decisão judicial pára reforma agrária em todo o Brasil

12 Dezembro 2003 - 16h10

O processo de reforma agrária entrou em processo de bloqueio em todo o País porque o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) desobedeceu a uma decisão judicial relativa ao pagamento de indenização a um fazendeiro de Goiás (GO). A medida foi concedida em primeira instância pela juíza Marluce Gomes de Sá, da 6ª Vara Cível da Justiça Federal de Goiás, no dia 11 de novembro. O Incra entrou com recurso tentando cassar a liminar, mas o STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou efeito suspensivo ao pedido e, na última terça-feira, julgou o mérito do recurso e manteve os efeitos da liminar. O problema começou quando o fazendeiro goiano entrou na Justiça ao descobrir que dívidas mais recentes que a sua estavam sendo pagas pelo Incra sem a observância da ordem cronológica. O advogado do fazendeiro, Edmar Teixeira de Paula, explicou ao MidiamaxNews que a terra de seu cliente foi desapropriada em 1996, mas só agora recebeu R$ 750 mil do Incra para o pagamento de uma dívida com o Banco do Brasil. No entanto, a propriedade foi reavaliada em R$ 2 milhões e a diferença não foi paga pelo órgão.O fazendeiro entrou novamente na Justiça, pedindo multa pelo não pagamento e, mesmo assim, não foi ressarcido pelo Incra, sendo que o advogado avalia que a dívida hoje passe dos R$ 5 milhões. Liminar conseguida pelo fazendeiro suspendeu os pagamentos de todos os demais precatórios em todo o País e a emissão de novos TDAs (Títulos de Desapropriação Agrária), enquanto o Incra não pagar sua dívida. Jair Rodrigues, representante do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) em Mato Grosso do Sul, disse que a entidade não vai se meter em questões judiciais. “Cabe ao governo e ao Incra definir com a Justiça para desbloquear a reforma no país. Nós não vamos entrar nessa briga”, opinou.Para o presidente do MNP (Movimento Nacional dos Produtores Rurais), João Bosco Leal, a lei, em qualquer circunstância, precisa der respeitada. “O Incra não pode interromper o processo cronológico de pagamento, a lei igual para todos e tem de ser respeitada independente das circunstâncias. O incra foi incorreto, procedeu mal. Aliás, tem perdido várias propriedades improdutivas por não seguir a lei”, afirmou. Se o Incra não conseguir resolver o impasse, a reforma agrária em todo o País estará comprometida, já que novas ações podem aparecer e o órgão não terá dotação para cobrir esses montantes imprevistos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRANQUILIDADE
Destinos para quem quer um carnaval mais tranquilo
MARUN
Governo vai buscar "caminho jurídico" para garantir posse de Cristiane Brasil
COTAÇÕES
Petrobras anuncia redução nos preços do diesel e da gasolina
CASA PRÓPRIA
Prefeitura de Dourados regularizou mais de 500 imóveis em 2017
DROGA EM VAN
Jovem que viajava em van é preso com cinco tabletes de maconha
EDUCAÇÃO
Inscrições para o Sisu 2018 começam nesta terça-feira
CONCURSO
Divulgado resultado definitivo da prova de títulos para Delegado de Polícia
ABV 30 ANOS
Supermercado realiza último sorteio da Campanha Abevê 30 anos
RIO BRILHANTE
Após ultrapassagem proibida, polícia aprende carro com maconha
SAÚDE
Carreta do Hospital do Câncer de Barretos realiza exames gratuitos

Mais Lidas

DOURADOS
Homem morre após veículo bater em árvore na Hayel
PONTA PORÃ
Veículo furtado no centro de Dourados capota na BR-463
BR-463
Após perseguição, homem é preso com 700 quilos de maconha
WEIMAR
Mineiro perde veículo ao estacionar no centro de Dourados