Menu
Busca domingo, 21 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

Cresce número de homens que não trabalham nem estudam, diz Ipea

05 dezembro 2012 - 14h11

O número de homens jovens que nem trabalham nem estudam está aumentando no país, enquanto ocorre o inverso entre mulheres da mesma idade. Os dados são do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

De 2000 a 2010, o número de homens jovens que não trabalhavam nem estudavam aumentou em 1,107 milhão.



Já o número de mulheres na mesma situação caiu 398 mil, segundo Ana Amélia Camargo, técnica de planejamento e pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do Ipea.

Ela levou em consideração a definição de população jovem entre 15 e 29 anos, de acordo com a Secretaria Nacional da Juventude.

"Mudou o perfil dos "nem-nem" [como é chamado o grupo]. Isso tem a ver com a maior participação da mulher no mercado de trabalho e com a mudança de papéis."

Em 2000, as solteiras eram 22,6% do total de jovens e hoje são 30,5%, enquanto as casadas caíram de 71,3% para 69,9%. Já os homens solteiros eram 80,9% em 2000 e 75,9% em 2010. Os casados subiram de 13,4% para 16% no mesmo período.

Segundo Ana, as mulheres ainda são maioria entre os jovens "nem-nem", porém menos que no passado.

Em 2000, 6,4 milhões de jovens mulheres estavam nessa categoria, e hoje são 6 milhões. Já os homens jovens "nem-nem" passaram de 1,8 milhão para 2,9 milhões.
"A maioria ainda é formada por mulheres que casaram e já tiveram filhos", afirmou.

Levando em conta dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2001 a 2011, no universo dos jovens que não trabalham nem estudam, as mulheres apresentavam escolaridade média de 8,03 anos em 2011, ante 6,01 anos em 2000, enquanto os homens registravam 6,95 anos de estudo em 2011 e 5,33 em 2000.

Os homens jovens que estudam e trabalham registravam escolaridade de 8,76 anos (2000) e 9,87 (2011) e as mulheres de 9,81 e 10,94.

O estudo apontou ainda que a maioria dos jovens que não estudam e não trabalham é apoiada pela família e mora em domicílios de baixa renda, nos quais o chefe da família tem idade média de 40 anos e baixa escolaridade.

No caso dos homens, a maioria dos "nem-nem" é formada por filhos. No das mulheres, cônjuges.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Renata Kuerten desistiu da barriga trincada: "quero um corpinho violão"
FRONTEIRA
Homem tenta fugir, mas acaba preso com 392 quilos de maconha
AMEAÇA
Para fechar STF basta 'um soldado e um cabo', diz filho de Bolsonaro
RIO BRILHANTE
Morador de assentamento é encontrado morto e suspeita é latrocínio
DOURADOS
Mulher de 40 anos é assaltado quando desembarcava de ônibus
UEMS
Conselho de Ética abre inscrições para eleição de representantes
EMPREGO
Ao menos 7 órgãos abrem amanhã inscrições para mais de 100 vagas
FÁTIMA DO SUL
‘Tuzin’ morre após colidir motocicleta em rotatória
SHOWBIZ
Sabrina Sato coloca fim a mistério e revela nome pra lá de diferente da filha
INTOLERÂNCIA
UFGD divulga Nota de Repúdio sobre "Suástica" em painel

Mais Lidas

DOURADOS
Familiares e amigos dão adeus a empresário e filho mortos em acidente
DOURADOS
Bandidos atiram contra viatura e abandonam carro tomado em assalto
CANAÃ
Órgãos de segurança fecham festa organizada através do WhatsApp
RIO BRILHANTE
Caminhonete invade pista, bate em motocicleta e mata casal