Menu
Busca quarta, 23 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Congresso terá semana com foco em denúncia contra Temer e retorno de Aécio

16 outubro 2017 - 06h34Por Agência Brasil

Nesta semana, as atenções de deputados e senadores estarão voltadas principalmente à análise pela Câmara da denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), além da decisão sobre o futuro de Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

A partir de amanhã, dia 17 de outubro, quando retornam a Brasília depois do feriado prolongado do dia 12 de outubro, os deputados se concentrarão na análise, discussão e votação na Comissão de Constituição e de Justiça (CCJ) da Câmara da denúncia do Ministério Público Federal contra o presidente Temer e ministros. O parecer sobre a peça foi apresentado na última terça-feira (10) pelo relator, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendou a rejeição do prosseguimento da denúncia, afirmando que ela se baseia em “delações espúrias, sem credibilidade não havendo justa causa para o prosseguimento da ação penal”.

Como foi concedido pedido de vista coletivo, o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), marcou para terça-feira (17), a partir das 10h, o início das dicsussões da denúncia e do parecer do relator. Pacheco informou que seguirá os mesmos procedimentos adotados na apreciação da primeira denúncia contra o presidente: cada membro da CCJ terá 15 minutos de fala – 66 titulares e 66 suplentes. Serão concedidos ainda 10 minutos para não membros da comissão, contra e a favor do prosseguimento da denúncia, com até 20 em cada grupo. Cada advogado dos denunciados terá 20 minutos para o pronunciamento final.

A votação do parecer na CCJ poderá ocorrer na quarta ou na quinta-feira, a depender do ritmo das discussões. Qualquer que seja o resultado da votação na comissão, o parecer será encaminhado para discussão e votação em plenário da Câmara, prevista para terça (24) ou quarta-feira (25). Para que a Câmara autorize o Supremo Tribunal Federal (STF) a investigar o presidente e os ministros, serão necessário 342 votos favoráveis de deputados ao prosseguimento da denúncia.

Senado

Enquanto a Câmara se dedica à analise da denúncia, os senadores devem deliberar já na terça-feira (17) sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que afastou do mandato o senador Aécio Neves. Na última semana, os ministros da Corte decidiram que caberá à Casa Legislativa confirmar ou não as medidas cautelares determinadas pelo STF a parlamentares, como o afastamento do mandato, o recolhimento noturno, dentre outras. Na sessão de terça-feira, os senadores devem decidir sobre o retorno de Aécio ao mandato, revogando ou não a medida cautelar adotada contra ele. A grande polêmica, ainda sem definição, é se essa votação será feita de forma aberta ou secreta. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

RURAL
Plantio da safra da Soja já atingiu 12,4% em Mato Grosso do Sul
UFGD
Evento leva pesquisa e extensão à praça Antônio João nesta quarta
JUDICIÁRIO
STF retoma nesta quarta julgamento sobre prisão após 2ª instância
CIRURGIAS PLÁSTICAS
Juiz manda prender médico Rondon, condenado por mutilar pacientes
INFORME PUBLICITÁRIO
Loja de materiais de construção traz caminhões com pisos direto da fábrica e aquece a briga pelo cliente
TEMPO
Quarta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
CHAPADÃO DO SUL
Motociclista morre após ser atingido por carro e arremessado contra muro
ÓLEO
Senadores pedem declaração de emergência ambiental no Nordeste
AMAMBAI
Homem é suspeito de esfaquear a filha após ser denunciado por estuprá-la
PRAZO
Submissão de trabalhos para Jornada de Linguística vai até o dia 30

Mais Lidas

HAYEL BON FAKER
Homens são presos fazendo sexo em via pública em Dourados
DOURADOS
Três são presos após ‘batida’ em ‘boca de fumo’ no Jardim Pantanal
DOURADOS
“Se não pagar vocês não vão dormir, não vão ter paz”, ameaçou professora indígena presa por extorsão
DOURADOS
Suspeito de extorsão em área de conflito, policial é levado ao Presídio Militar da capital