Menu
Busca terça, 16 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Confira trechos do livro de português que causou polêmica

19 maio 2011 - 14h06

O livro Por uma Vida Melhor foi distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) para turmas de educação de jovens e adultos (EJA) em todo o Brasil. A publicação causou polêmica ao incluir frases com erro de concordância em uma lição que apresentava a diferença da norma culta e a falada.

Confira abaixo trechos do livro sobre o assunto:

"É importante saber o seguinte: as duas variantes (norma culta e popular) são eficientes como meios de comunicação. A classe dominante utiliza a norma culta principalmente por ter maior acesso à escolaridade e por seu uso ser um sinal de prestígio. Nesse sentido, é comum que se atribua um preconceito social em relação à variante popular, usada pela maioria dos brasileiros".

"'Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado'. Você pode estar se perguntando: 'Mas eu posso falar 'os livro?'.' Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico. Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas. O falante, portanto, tem de ser capaz de usar a variante adequada da língua para cada ocasião".

"Na variedade popular, contudo, é comum a concordância funcionar de outra forma. Há ocorrências como:
Nós pega o peixe. - nós (1ª pessoa, plural); pega (3ª pessoa, singular)

Os menino pega o peixe. - menino (3ª pessoa, ideia de plural - por causa do "os"); pega (3ª pessoa, singular).

Nos dois exemplos, apesar de o verbo estar no singular, quem ouve a frase sabe que há mais de uma pessoa envolvida na ação de pegar o peixe. Mais uma vez, é importante que o falante de português domine as duas variedades e escolha a que julgar adequada à sua situação de fala".

"É comum que se atribua um preconceito social em relação à variante popular, usada pela maioria dos brasileiros. Esse preconceito não é de razão linguística, mas social. Por isso, um falante deve dominar as diversas variantes porque cada uma tem seu lugar na comunicação cotidiana".

"A norma culta existe tanto na linguagem escrita como na linguagem oral, ou seja, quando escrevemos um bilhete a um amigo, podemos ser informais, porém, quando escrevemos um requerimento, por exemplo, devemos ser formais, utilizando a norma culta. Algo semelhante ocorre quando falamos: conversar com uma autoridade exige uma fala formal, enquanto é natural conversarmos com as pessoas de nossa família de maneira espontânea, informal".

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Geisy Arruda posa de biquíni e avisa: “De volta à dieta e treinos”
CORUMBÁ
Flagrado pedindo propina, ginecologista foi denunciado por abuso sexual
SAÚDE
No Dia do Homem, endocrinologistas fazem campanha contra anabolizantes
TRÊS LAGOAS
Durante manutenção em terreno, trator gera faíscas e incendeia aeroporto
CAMPO GRANDE
Homem manteve ex grávida em cárcere porque 'não queria ter filhos' diz Polícia
PREVIDÊNCIA
Senado pode aprovar reforma em 60 dias, diz Simone Tebet
EDUCAÇÃO
Parceria entre UEMS e PM resulta em livro sobre Ciências Policiais
FENÔMENO
Eclipse lunar parcial será visto em todo o Brasil nesta terça-feira
PORTO MURTINHO
Homem é atacado por onça pintada e salvo por cães em fazenda
FERIADO
Comarca de Miranda não terá expediente nesta terça-feira

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é assassinado a tiros em conveniência
DOURADOS
Homem é morto no Jardim Pantanal; segundo homicídio da noite
DOURADOS
Homem é baleado no Jardim Pelicano
DOURADOS
Homem assassinado no Jardim Pantanal tinha 23 anos