Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Comissão da Verdade recebe 1º relato de tortura

11 janeiro 2013 - 17h55

O empresário Boris Tabacof, 84, foi preso e torturado por motivos políticos em 1952, na Bahia. Ele é a primeira pessoa a relatar violações de direitos humanos fora do período da ditadura militar (1964-1985) em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, em novembro de 2012. As informações são da Agência Brasil.

A prisão ocorreu durante o governo Getúlio Vargas. Tabacof era à época membro do PCB (Partido Comunista Brasileiro) e dava suporte a militantes que atuavam dentro das Forças Armadas.

"Fui secretário de organização do Comitê do PCB na Bahia, o segundo cargo do partido no Estado. É aí que entra como eu tenho a ver com todo esse movimento, que foi um movimento dentro da esfera militar", disse o empresário, que fornecia material ideológico para os militares comunistas. "Eu só tinha contato com uma pessoa, um cabo do Exército cujo nome de guerra era Plínio", acrescentou.

"Me obrigaram a tirar a roupa e a ficar nu durante vários dias. A única coisa que tinha nesse cubículo era um balde para as necessidades, e este balde não era retirado. Então, tinha que dormir no chão e, de vez em quando, chegava um soldado e jogava água", afirmou Tabacof no depoimento.

Em 20 de outubro de 1952, Tabacof foi preso dentro de um ônibus. "Foram bofetadas de todo jeito e me arrancaram do ônibus, me colocaram em uma caminhonete e essa caminhonete foi direto para o Forte do Barbalho [em Salvador]", contou. No local, começou o período de 400 dias de prisão ao qual foi submetido. Segundo o empresário, as grades das celas do forte eram cobertas com tábuas "para ninguém ver o que estava acontecendo".

"[O empresário é] o único que falou que está dentro do período da comissão [de 1946 a 1988], mas que não foi torturado na ditadura, foi no governo Getúlio Vargas [de 1951 a 1954 ]", declarou a psicanalista Maria Rita Kehl, um dos membros da comissão presentes ao depoimento de Tabacof.

Além dele, foram presos na operação para desmantelar a infiltração comunista nas Forças Armadas mais um civil e 28 militares. De acordo com o empresário, os agentes do governo de Getúlio queriam provar que havia um complô comunista simpático à União Soviética para assumir o poder no Brasil.
"Como eu não estava contando nada que eles queriam nem queria assinar, eles foram piorando as coisas. Eu fiquei alguns dias de pé com um soldado, de baioneta calada, ao meu lado que não deixava que eu me sentasse." O período de cárcere também incluiu 50 dias de isolamento em uma penitenciária em Sergipe.

Ao final, o empresário acabou assinando uma confissão junto com os demais presos. Ele respondeu a processo até julho de 1954, quando foi solto após o julgamento.

O trauma impediu que Tabacof revelasse sua história até mesmo para a família, que só recentemente soube desses eventos. "Até a família não sabia, era uma coisa de humilhação que ele não conseguia contar", afirmou Kehl.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIBAS DO RIO PARDO
Homem é preso e confessa que estuprava a sobrinha de 9 anos
SELEÇÃO
Marinha abre concurso para 90 vagas para o Corpo Auxiliar de Praças
JUSTIÇA
Integrante do PCC é condenado a 15 anos por esquartejar rival
DEMANDAS
Comitê da Saúde do Judiciário realiza segunda reunião em Dourados
MS
Jovem é flagrado com 4kg de pasta base em “mocó” de veículo
EDUCAÇÃO
ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre
CAPITAL
Durante corrida, motorista de aplicativo tenta estuprar passageira
ECONOMIA
Dólar fecha em alta, de olho no exterior
CAMPANHA
Grupo ABV faz entrega de agasalhos em bairros de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Parlamentares vêm a Dourados conhecer o Sisfron

Mais Lidas

POLÍCIA
Após pescaria, marido encontra desconhecido na frente de casa e ameaça mulher com arma em Dourados
DOURADOS
Preso em operação estava sob monitoramento por assalto
PEDRO JUAN
Três suspeitos de chacina na fronteira são presos pela polícia paraguaia
PEDRO JUAN
Seis morrem e uma criança fica ferida após ataque de pistoleiros na fronteira