Menu
Busca quarta, 17 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

Classe C detém mais da metade dos pequenos negócios, diz Sebrae

26 novembro 2012 - 09h50

Enquanto nos países ricos o empreendedor é de classe mais alta, no Brasil, ele é, em sua maioria (55,2%), da classe C, segundo estudo do Sebrae (Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário).

O aumento da renda e do consumo é uma das explicações, segundo o presidente da agência, Luiz Barretto. As classes D e E respondem por 7,3% dos empreendedores, e as A e B, por 37,5%.

De 2003 a 2011, 32 milhões de brasileiros deixaram as classes D e E e migraram para a C, com acesso a bens que não possuíam antes.

Além do mercado aquecido, Renato Meirelles, diretor do Instituto Data Popular (responsável pela pesquisa), vê um otimismo na classe C, porque viu a vida melhorar, o que estimularia a abertura de novos negócios.

"O sonho do empreendedorismo é o de ser dono do próprio nariz. De não ter cartão de ponto, de poder estar junto com a família e isso vem junto do 'empoderamento' da classe C", afirma Meirelles.

O estudo considerou que a classe C abrange famílias com renda familiar per capita entre R$ 291 e R$ 1.019.

Rinaldo Polito, 48, é um dos que aproveitaram a economia aquecida para deslanchar nos negócios. Em 1984, Polito, que é da classe C, desistiu do curso de engenharia química porque não encontrava emprego e abriu um salão de cabeleireiro na garagem de casa.

Hoje, é dono do Rinaldo Estetic Center, em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo. O salão é especializado em depilação masculina, que foi responsável por impulsionar o negócio a partir de sua implantação, em 2005. "As pessoas gastam mais com beleza hoje", afirma ele.

MENOS BUROCRACIA

A pesquisa do Sebrae também mostra que, entre 2009 e 2012, dobrou o número de médios, micro e pequenos que se formalizaram através de cadastro do portal do empreendedor individual e do Simples nacional (que reduz e facilita a tributação).

"A legislação simplificou a burocracia para abrir e fechar empresas e reduziu em 40% a carga tributária dos pequenos", comenta Barretto.

Cabeleireiros, lojas de roupa, lanchonetes, obras de alvenaria e minimercados são os negócios mais comuns desses empresários.

"O aumento do consumo da classe C se abastece em regiões periféricas junto a pequenos mercados, formados por esse empreendedor [da classe C]", comenta Ricardo Abramovay, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

Mas, para Abramovay, os dados podem revelar uma realidade não tão otimista: cerca de 54% desses empreendedores ganham o equivalente a até três salários mínimos por mês (R$ 1.866) e 64,7% faturam até R$ 60 mil por ano.

"Esses negócios são pequenos não porque as oportunidades de negócios se democratizaram, mas, sim, porque eles são muito precários", afirma Abramovay. Não é possível afirmar, com base apenas nesses dados, que o empreendedorismo possibilita inclusão social, diz.

Sua hipótese é que, com faturamento mensal em média de R$ 5.000 e margens baixas devido à concorrência, essas empresas não são muito prósperas e não têm perspectiva de crescimento. São muito mais frutos da necessidade das famílias do que de um impulso empreendedor, segundo o pesquisador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UFGD
Festival Douradense da Música começa hoje com shows e concertos
BONITO
Após colisão, caminhão cai de serra e motorista morre na MS-382
TEMPO
Quarta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
UAU
Natália Casassola posa seminua em sessão de fotos sensuais
CORUMBÁ
Rapaz defende mulher em briga de casal e acaba assassinado;
ESPORTES
MS garante vaga na série A do Brasileiro de Futebol para Amputados
SAÚDE
Desafios na prescrição de agrotóxicos é tema de palestra em Dourados
UEMS
Núcleo de Línguas abre inscrições para provas de proficiência
SOLIDARIEDADE
Amambai se une na busca por idoso de 86 anos desaparecido
PROSEGUR
Oito brasileiros são condenados por mega-assalto no Paraguai

Mais Lidas

DOIS DIAS DEPOIS
Servidora pública é encontrada nos fundos de residência que estava para alugar
DOURADOS
Cinco anos após crime, acusados pela morte de vendedor douradense vão a júri popular
DOURADOS
Familiares continuam na busca por mulher desaparecida e criticam falsos alertas
FLAGRANTE
Polícia fecha “distribuidora” de drogas em Dourados