Menu
Busca sábado, 22 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
EDUCAÇÃO

CFM lança sistema que vai avaliar escolas médicas no país

29 junho 2015 - 16h00

Agência Brasil

O Conselho Federal de Medicina (CFM), em parceria com a Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), lançou hoje (29) um sistema de acreditação de escolas médicas no país. A ideia é identificar cursos de medicina – públicos e privados – atentos às exigências mínimas para a formação de profissionais.

A proposta consiste no reconhecimento formal da qualidade do serviço oferecido pelas instituições e será composta pelas seguintes etapas: autoavaliação online, visita de um comitê técnico e divulgação do resultado. Serão observados aspectos como projeto pedagógico, programa educacional, corpo docente e discente e infraestrutura.

Na primeira etapa, que começa em outubro, 20 instituições públicas e privadas serão avaliadas, sendo seis no Sudeste, quatro no Nordeste, quatro no Sul, três no Centro-Oeste e três no Norte. As primeiras visitas do grupo técnico estão previstas para novembro e dezembro e a divulgação dos resultados, para o primeiro trimestre de 2016.

A adesão ao chamado Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (Saeme) é voluntária e a expectativa do conselho é que o programa esteja plenamente implantado no país no prazo de três anos. Dados do órgão mostram que, atualmente, o Brasil conta com 252 escolas médicas, que oferecem cerca de 23 mil novas vagas todos os anos.

Para o presidente do CFM, Carlos Vital, é preciso estabelecer critérios que permitam à sociedade identificar os cursos capazes de oferecer formação de qualidade. “Nossa intenção é fazer uma avaliação independente e transparente para os que pretendem fazer curso de medicina no Brasil”, disse. As pessoas que pagam mensalidades muito caras querem saber se o sistema funciona.

O presidente da Abem, Sigisfredo Luis Brenelli, lembrou que o país registra um aumento crescente no número de escolas médicas ao longo dos últimos anos e destacou a importância de se discutir, além da expansão do número de vagas, a formação adequada de professores e a preparação da infraestrutura necessária para se formar um profissional dessa área.

“Sabemos dos riscos e do custo que um profissional mal formado representa para o próprio sistema de saúde”, ressaltou. “As instituições de ensino vão poder enxergar onde estão os acertos e o caminho a ser feito. Um selo de qualidade dá uma certa garantia à sociedade”, concluiu.

Para a criação do Saeme, foram estudados seis processos internacionais de avaliação do ensino médico: o Liaison Committee on Medical Education, utilizado no Canadá e nos Estados Unidos; o General Medical Council, na Grã-Bretanha; o Australian Medical Council, na Austrália; o Arcu-Sul, no âmbito do Mercosul; o Neederlands-Vlaamse Accreditation Organization, na Holanda; e o Institution for Academic Degrees and University Evaluation, no Japão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORUMBÁ
Cavalos em rodovia causam acidente e deixam duas pessoa mortas
DOURADOS
Jovem é encontrada morta no Jardim Pelicano
EMPREGO
20 empresa estão com inscrições abertas para trainee; veja lista
ESPORTE
Sediado em Dourados, festival paralímpico fortalece inclusão e superação de limites
PORTE
Jovem é preso com armas e maconha que seriam levados para Goiás
INTOLERÂNCIA
Concurso elege Miss e Mister Gay Mato Grosso do Sul neste sábado
ANASTÁCIO
Idoso é preso suspeito de aliciar e estuprar menina de 9 anos
PROJETO
Anatel inicia amanhã programa para bloquear celular irregular em MS
CAPACITAÇÃO
Sebrae realiza curso sobre gerenciamento de oficinas mecânicas
TRÁFICO
Mulher é flagrada com 57 quilos de maconha em duas malas

Mais Lidas

DIOCLÉCIO ARTUZI
Polícia divulga imagens de criança de 1 ano desaparecida em Dourados
DOURADOS
Criança de 1 ano desaparece de dentro de casa no Dioclécio Artuzi
OPERAÇÃO NEPSIS
Ação conjunta prende cinco Policiais Rodoviários Federais em MS
OPERAÇÃO NEPSIS
Ação cumpre mandados de prisão contra suspeitos de contrabando