Menu
Busca segunda, 15 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
CONGRESSO

CCJ adia votação de proposta que concede autonomia à Polícia Federal

07 novembro 2017 - 19h05Por Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados adiou para a semana que vem a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 412/09, que dá autonomia à Polícia Federal.

O próprio relator, deputado João Campos (PRB-GO), que é favorável à medida, pediu o adiamento devido ao acirramento da discussão.

A reunião desta terça-feira (7) foi acompanhada por manifestantes favoráveis e contrários à PEC, que é apoiada pelos delegados da PF, mas criticada pelos agentes da instituição.

Atualmente, a PF é subordinada ao Ministério da Justiça. Na prática, a PEC teria de ser regulamentada para que a instituição policial funcionasse como ocorre com o Ministério Público, dotado de autonomias funcional, administrativa e orçamentária e com seu diretor escolhido pelo Executivo para um mandato fixo.

Debate

O deputado Marcos Rogério (DEM-RO) lembrou que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou um parecer contrário à PEC. O parlamentar apontou que, embora apoie o trabalho da PF na investigação de qualquer crime, a proposta não é voltada para a instituição, e sim apenas para a carreira dos delegados. “Tentam induzir a opinião pública e dizem que quem está contra essa PEC é contra a Operação Lava Jato. Mas sejamos honestos: a PF já é forte e possui autonomia para investigar, não é isso que propõe a PEC”, comentou.

Por sua vez, o relator, que é delegado da PF, argumentou que a autonomia não significará ausência de controle e que a PEC não revoga as disposições a respeito da fiscalização do Estado e do Judiciário sobre a Polícia Federal. “Então não se exerce nenhum controle sobre o Ministério Público? Nós criamos mecanismos de controle para o Judiciário, que é um poder, por que não criaríamos para um órgão?”, indagou João Campos.

Contrário à PEC, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) ressaltou que até mesmo as Forças Armadas são subordinadas ao Executivo, e que toda instituição que usa armas precisa de supervisão mais constante. “O Exército, a Marinha e a Aeronáutica não têm autonomia. Por que uma polícia teria de ser?”, perguntou.

Já o deputado Paes Landim (PTB-PI), favorável ao texto em análise na CCJ, salientou que o FBI, espécie de Polícia Federal dos Estados Unidos, tem a mesma autonomia e independência que a PEC pretende dar à PF no Brasil, e que essa característica permite uma investigação mais isenta. “Isso livraria a PF das instituições político-partidárias e daria mais poder de investigar. Imaginem como a apuração contra agentes importantes do presidente Trump seria feita nos EUA se não houvesse essa autonomia?”, comentou.

Tramitação

Cabe à CCJ examinar a admissibilidade da proposta de emenda à Constituição. Se aprovada, o texto terá de ser votado em dois turnos no Plenário da Câmara.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PESQUISA
Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%
ECONOMIA
Dólar fecha em queda de mais de 1%
QUADRILHA PRESA
Preso em assalto a família em Fátima do Sul mentiu o nome à polícia
POLÍTICA
André Puccinelli nega, por bilhete, que mulher fará delação
SUPERA DOURADOS
Atenção e concentração: como otimizar estas habilidades no dia-a-dia?
ELEIÇÕES 2018
Dois homens são presos com mais de 100kg de maconha
CINEMA
História de grupo de rap Brô MC's inspira filme rodado em Dourados
ELEIÇÕES 2018
Facção criminosa pode estar por trás de atentado a Jair Bolsonaro
FUTEBOL
Ceará e Botafogo duelam buscando respirar no Brasileirão
NARCOTRÁFICO
Fazenda de traficante brasileiro é transferida para governo paraguaio

Mais Lidas

DOURADOS
Ciclista sofre atropelamento e fica em estado gravíssimo
TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente no RS
DOURADOS
Traficante que atuava com “disk drogas” é preso
DOURADOS
Dois são presos por promover festa para menores de idade “regada” com bebida alcoólica