Menu
Busca quarta, 26 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Caso de vaca-louca nos EUA pode beneficiar Brasil

24 dezembro 2003 - 16h28

A suspeita provável do primeiro caso de vaca-louca no estado de Washington (EUA), pode aumentar as exportações de carnes do Brasil. A avaliação é do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues que está em Ribeirão Preto (SP), para comemorar o recesso de Natal.Ele disse que até a venda de carne bovina para os Estados Unidos é possível. Na onda, as exportações de frangos e suínos, para outros países também poderão sair fortalecidas, uma vez que a desconfiança das pessoas em relação à carne bovina aumento demais. "É uma situação dramática para os Estados Unidos. É uma pena que tenha acontecido isso com eles, mas isso pode abrir mercados para o Brasil".Apesar da hipótese de incremento das exportações brasileiras, o ministro imagina que o protecionismo sanitário dos países importadores de carne poderá aumentar ainda mais. "O lado negativo é que pode haver um crescimento do sentido protecionista sanitário dos países importadores de carne e que irão criar cada vez mais dificuldades para que os países produtores, como é o caso do Brasil, possam avançar seus mercados consumidores", disse o ministro, numa entrevista por telefone, afirmando que tal situação exigirá do Brasil muito mais rigor e dureza nas questões sanitárias.Rodrigues afirmou que o primeiro caso da vaca-louca nos Estados Unidos pode ajudar também o Brasil a aumentar suas vendas para países como Japão e Coréia, que compram cerca de 60% de toda a carne bovina produzida pelos Estados Unidos. Segundo ele, países como Brasil - atualmente o maior exportador de bovinos do mundo - Austrália e Argentina poderão ganhar mais espaço no mercado asiático. "Ainda há resistência dos países da Ásia em comprar carne do Brasil por causa da aftosa, especialmente na Região Nordeste do país, mas ainda sim há possibilidades de abrirmos mercados na Ásia", disse. Para evitar qualquer impacto negativo no mercado brasileiro, o Ministério da Agricultura já tomou as providências sanitárias exigidas pela Organização Internacional de Epizootias (OIE). Suspendeu as importações de ruminantes originários dos Estados Unidos e de todos os produtos e subprodutos desses animais. As autorizações de importações de produtos considerados de risco que estavam em negociação e que não foram implementadas também foram canceladas. De acordo com Rodrigues, o governo brasileiro está em contato com o governo dos Estados Unidos e rastreando todos os animais suspeitos para evitar qualquer impacto no Brasil. "Estamos livres da doença porque o Brasil tem seu gado alimentado no pasto. E a vaca-louca só se transmite por rações de origem animal e não por rações de origem vegetal, como é o caso brasileiro", explicou, reforçando a tranquilidade do governo brasileiro quanto a questão. (ABr)  

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Suspeito de ter contraído coronavírus divulgou viagem nas redes sociais
CRIMES AMBIENTAIS
Multas aplicadas durante Carnaval 2020 é quatro vezes maior que no último ano
CORUMBÁ
Homem é preso com faca após ser flagrado pela mulher na cama com amante
ITAHUM
Pesticida apreendido em Dourados pesou quase 2 toneladas
OUSADIA
Ladrões invadem casa em bairro da Capital e roubam de revólver a SW4
QUARTA-FEIRA DE CINZAS
Douradenses fazem filas em agências bancárias após Carnaval
CLIMA
Defesa Civil emite alerta de chuvas e ventos fortes para quase 40 municípios de MS
EDUCAÇÃO
UEMS publica a terceira Chamada da Lista de Espera do Sisu
PONTA PORÃ
Fugindo da polícia, assaltantes cruzam fronteira e um morre
DOURADOS
Cadastro de biometria pode ser feito aos sábados a partir deste fim de semana

Mais Lidas

DOURADOS
Ex-prefeito de Amambai não resiste e morre no Hospital do Coração
MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
ATENTADO
Aeronave pousa em Dourados e fica a disposição de Lanzarini
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar