Menu
Busca sábado, 25 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Caso de vaca-louca nos EUA pode beneficiar Brasil

24 dezembro 2003 - 16h28

A suspeita provável do primeiro caso de vaca-louca no estado de Washington (EUA), pode aumentar as exportações de carnes do Brasil. A avaliação é do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues que está em Ribeirão Preto (SP), para comemorar o recesso de Natal.Ele disse que até a venda de carne bovina para os Estados Unidos é possível. Na onda, as exportações de frangos e suínos, para outros países também poderão sair fortalecidas, uma vez que a desconfiança das pessoas em relação à carne bovina aumento demais. "É uma situação dramática para os Estados Unidos. É uma pena que tenha acontecido isso com eles, mas isso pode abrir mercados para o Brasil".Apesar da hipótese de incremento das exportações brasileiras, o ministro imagina que o protecionismo sanitário dos países importadores de carne poderá aumentar ainda mais. "O lado negativo é que pode haver um crescimento do sentido protecionista sanitário dos países importadores de carne e que irão criar cada vez mais dificuldades para que os países produtores, como é o caso do Brasil, possam avançar seus mercados consumidores", disse o ministro, numa entrevista por telefone, afirmando que tal situação exigirá do Brasil muito mais rigor e dureza nas questões sanitárias.Rodrigues afirmou que o primeiro caso da vaca-louca nos Estados Unidos pode ajudar também o Brasil a aumentar suas vendas para países como Japão e Coréia, que compram cerca de 60% de toda a carne bovina produzida pelos Estados Unidos. Segundo ele, países como Brasil - atualmente o maior exportador de bovinos do mundo - Austrália e Argentina poderão ganhar mais espaço no mercado asiático. "Ainda há resistência dos países da Ásia em comprar carne do Brasil por causa da aftosa, especialmente na Região Nordeste do país, mas ainda sim há possibilidades de abrirmos mercados na Ásia", disse. Para evitar qualquer impacto negativo no mercado brasileiro, o Ministério da Agricultura já tomou as providências sanitárias exigidas pela Organização Internacional de Epizootias (OIE). Suspendeu as importações de ruminantes originários dos Estados Unidos e de todos os produtos e subprodutos desses animais. As autorizações de importações de produtos considerados de risco que estavam em negociação e que não foram implementadas também foram canceladas. De acordo com Rodrigues, o governo brasileiro está em contato com o governo dos Estados Unidos e rastreando todos os animais suspeitos para evitar qualquer impacto no Brasil. "Estamos livres da doença porque o Brasil tem seu gado alimentado no pasto. E a vaca-louca só se transmite por rações de origem animal e não por rações de origem vegetal, como é o caso brasileiro", explicou, reforçando a tranquilidade do governo brasileiro quanto a questão. (ABr)  

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Continuam abertas as inscrições para eleição de conselheiros tutelares
DOMINGO
Para teste físico de concurso, Parque dos Poderes será interditado
DOURADOS
Doadores de “sábado” no Hemocentro falam sobre mais tranquilidade para o gesto de solidariedade
ESPIRITUALIDADE
Congresso Holístico Internacional começa neste sábado em Bonito
ITAQUIRAÍ
Homem é assassinado a golpes de machado enquanto dormia
VELOCIDADE
Lewis Hamilton garante a pole para o GP de Mônaco de Fórmula 1
REITOR
Justiça Federal cassa liminar e lista tríplice da UFGD volta a valer
HOJE
Acadêmicos participam de amistoso de Futebol Suiço na Aldeia Jaguapiru
MS
Carga de cigarro avaliada em R$ 1,5 mi é apreendida na MS-345
POLÍTICA
Ricardo Ayache assume o comando do PSB em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

APÓS INVESTIGAÇÃO
Polícia conclui que atentado registrado por vereadora foi acidente de trânsito
VILA CACHOEIRINHA
“Boca” é fechada, mulher é presa e diz traficar pelo baixo valor do salário mínimo
TRÁFICO
Motorhome com destino a São Paulo é apreendido com mais de 4 toneladas de maconha
MS-156
Dupla é presa pela PF com pistolas entre Dourados e Itaporã