Menu
Busca quarta, 24 de abril de 2019
(67) 9860-3221
VOTAÇÃO HISTÓRICA

Câmara rejeita redução da maioridade penal em casos de crimes graves

01 julho 2015 - 08h04

Após mais de quatro horas de discussão, o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou na madrugada desta quarta-feira, dia 1º de julho, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93 que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Foram 303 votos favor, 184 contra e 3 abstenções. Para ser aprovado o texto da PEC precisava de, no mínimo, o voto de 308 deputados.

A votação, considerada histórica por sua repercussão, começou pouco depois da meia-noite. A PEC reduz a maioridade penal para a prática de crimes hediondos, como estupro, latrocínio; homicídio qualificado e lesão corporal grave, lesão corporal grave seguida de morte e roubo agravado (quando há sequestro ou participação de dois ou mais criminosos, entre outras circunstâncias).

Como o texto rejeitado era um subistutivo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que o plenário deverá fazer nova votação para deliberar sobre a proposta original que diminui a maioridade penal para todos os crimes. “Iremos deliberar no colégio de líderes a deliberação”, disse.

Em uma sessão marcada por um plenário dividido, mais de 20 deputados se revezaram na tribuna para defender e argumentar contra o relatório do deputado Laerte Bessa (PR-DF) aprovado no último dia 17, por 21 votos a 6 na comissão especial destinada a analisar o tema.

O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), disse que a maioria da bancada votaria a favor “Nós somos favoráveis porque ele propõe a redução para os crimes hediondos, graves e sobretudo os crimes contra a vida”.

Mesma posição foi tomada pelo deputado Moroni Torgan (DEM-CE) que defendeu a redução sob o argumento de que a medida vai acabar com a sensação de impunidade. “Queremos acabar com a impunidade para esses adolescentes que cometem crimes graves e que praticamente não são punidos como se deve", defendeu.

Contrário à redução, o líder do PROS, Domingos Neto (CE), argumentou que a sociedade quer o fim da impunidade, mas que muitos parlamentares também se colocam a favor para dar uma resposta a opinião pública. “A nossa bancada é contra este modelo de redução que se estende a alguns setores da sociedade pois é discriminatório. Temos que firmar o compromisso de modernizar o Estatuto da Criança e do Adolescente [ECA]”, disse. “A opinião pública condenou Jesus Cristo e absolveu Barrabás”, complementou o vice-líder do governo, Sílvio Costa (PSC-PE).

O governo se posicionou contra a redução e defendeu como alternativa a alteração no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para aumentar o tempo de internação para os adolescentes que cometerem crimes graves, além de mudanças na legislação para endurecer as penas para quem aliciar adolescentes para a prática de crimes. “Não podemos agir emocionalmente, mas também não podemos deixar de dar uma resposta para a sociedade. E o governo está propondo essa mudança”, afirmou Guimarães.

Após a divulgação do resultado, os manifestantes contrários à redução comemoraram e cantaram o Hino Nacional. desde a manhã eles promoveramatos contra a PEC. Os protestos contra a aprovação da proposta reuniram integrantes de organizações estudantis, centrais sindicais e movimentos sociais contrários a redução da maioridade penal. Em frente ao Congresso Nacional, o gramado foi ocupado por manifestantes com faixas e cartazes em um ato contra a PEC.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Tabela do frete é reajustada em 4,13%
CONTRA VIOLÊNCIA
Médicos de MS querem mais segurança para trabalhar
CONFORTO E ELEGÂNCIA
Visuais com vestidos fluidos para você se inspirar
TRÁFICO
Mulher é presa transportando 20kg de maconha em ônibus
TURISMO SOCIAL
Conheça quatro projetos para fazer trabalho voluntário na Amazônia
DOURADOS
“Mãe Jornalista Convida” supera as expectativas e reúne mais de 100 mães
QUARTA FASE
Vasco recebe o Santos em duelo decisivo pela Copa do Brasil
DOURADOS
Marcelino Pires terá interdição no cruzamento da “Mão do Braz” por 15 dias
BRASIL
Indígenas pedem apoio no Congresso contra MP da demarcação de terras
AÇÃO
INSS terá que regularizar perícia médica em dois municípios de MS

Mais Lidas

DOURADOS
Preso é baleado ao estourar cadeado de cela para buscar ‘encomenda’ no pátio da PED
DOURADOS
Preso baleado na perna tentava pegar malote com 13 celulares
DOURADOS
Homem morre no HV após ser espancado e polícia suspeita de latrocínio
IMPASSES
UFGD "desafia" MEC e Ministério pede realização de nova eleição para Reitoria