Menu
Busca sábado, 20 de abril de 2019
(67) 9860-3221
SAÚDE

Brasil reduziu em 28% número de fumantes acima de 18 anos

31 maio 2015 - 20h00

Celebrado neste domingo, 31 de maio, o Dia Mundial Sem Tabaco alerta para os prejuízos do fumo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 2 bilhões de pessoas fumam - um terço da população mundial. A OMS estima que o tabaco é atualmente responsável por seis milhões de mortes no mundo a cada ano, com muitas delas ocorrendo prematuramente. Desse total, cerca de 600 mil mortes ocorrem por conta dos efeitos do tabagismo passivo.

Em 2015, a OMS chama atenção para os prejuízos do comércio ilícito de tabaco, que torna o cigarro mais acessível para pessoas de baixa renda e crianças. A entidade defende que a irregularidade prejudica as políticas fiscais de controle do tabagismo e diminui a capacidade dos governos de destinar recursos para o desenvolvimento socioeconômico. Além disso, os produtos ilegais podem descumprir regras como advertências sanitárias nas embalagens.

“O comércio ilícito de produtos do tabaco é, portanto, não apenas uma questão econômica, mas também um importante saúde e prioridade de segurança”, comenta Mariana Pinho, consultora da área de Promoção da Saúde da Fundação do Câncer.

O Dia Mundial Sem Tabaco deste ano também marca o primeiro ano após a regulamentação da Lei Antifumo (12.546/11), que entrou em vigor e no dia 3 de dezembro. A norma, válida há seis meses em todo o país, proíbe fumar em ambientes coletivos fechados ou parcialmente fechados e a propaganda do cigarro nos pontos de venda em todo o país. A Fundação do Câncer e entidades parceiras na causa cobravam a regulamentação desde a sanção da lei, em 2011.

Brasil reduziu em 28% o percentual de fumantes acima de 18 anos em oito anos

“O Brasil está empenhado em reduzir as perdas causadas pelo fumo passivo, que, segundo a OMS, é a terceira maior causa de morte evitável do mundo (nas primeiras posições, estão o tabagismo ativo e o consumo excessivo de álcool). Quem ganha é a saúde pública, em especial a população que não fuma, mas convive com a fumaça do cigarro dos outros”, avalia Cristina Perez, também consultora de Promoção da Saúde da Fundação do Câncer.

Menos fumantes

Graças à sua política de controle do tabagismo, referência no mundo, o Brasil reduziu em 28% o percentual de fumantes acima de 18 anos em oito anos. Em 1989, 34,8% da população acima de 18 anos era fumante; em 2003, o percentual observado foi de 22,4 %; em 2008, a taxa era de 18,5 %; em 2013, o percentual total de adultos fumantes foi de 14,7%. Os dados são da Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (Conicq), do Ministério da Saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROCON
CCR-MSVias é notificada por falta de pessoal e troco em pedágio
MEIO AMBIENTE
Campo-grandense é autuado em R$ 3 mil por desmatamento de vegetação nativa
SORTE
Dupla de Páscoa deve pagar prêmio de R$ 25 milhões neste sábado
PONTA PORÃ
Polícia prende homem e apreende drogas e armas em residência
IMUNIZAÇÃO
Nova etapa da Campanha contra a Gripe começa na segunda-feira
CAMPO GRANDE
Quadrilha é presa após invadir garagem e fazer funcionários reféns
UEMS
Curso de Pedagogia realiza encontro brincante no dia 27 de abril
CRIME AMBIENTAL
Fazendeiro é multado por degradação de matas ciliares de córrego
POLÍTICA
Câmara de Ladário conclui processos e chega ao sétimo vereador cassado
CAARAPÓ
PF apreende quase meia tonelada de maconha em tanque de carreta

Mais Lidas

DOURADOS
Guarda faz batida em festa regada a álcool e narguilé e encontra menores bêbados
DOURADOS
Homem é preso tentando se esconder sob balcão de loja em que furtava
CAMPO GRANDE
Mulher é encontrada pendurada em árvore ao lado de carro
MS-338
Motorista freia ao ver anta e tem caminhão atingido por ônibus