Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Brasil negocia limites para importação de produtos chineses

18 agosto 2006 - 15h03

O governo brasileiro está negociando acordos para limitar a importação de produtos fabricados na China e diz que o caminho é melhor do que salvaguardas, ou seja, proteção comercial. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, no entanto, estuda pedidos de salvaguardas para outras categorias além dos setores têxtil e confecções e brinquedos.Empresários e representantes dos governos dos dois países se reuniram nesta sexta-feira para discutir a ampliação do intercâmbio comercial, principalmente com a cidade chinesa de Shenzhen, quarto maior PIB daquele país e maior parque tecnológico. O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, disse que os acordos e restrições voluntárias entram em vigor mais depressa do que um processo de salvaguarda. O último acordo fechado ontem para o setor de brinquedos será colocado em prática em 30 dias e limita as importações a 40% do mercado nacional.O secretário explicou que o departamento analisa a consistência do pedido e, se for comprovado que o produto importado tem uma participação muito expressiva no mercado brasileiro, é feita uma investigação de salvaguarda. "Se houver indicador de que o produto importado está causando dano a indústria nacional", afirmou.Ramalho disse que, até agora, os casos verificados que apresentavam participação ampla e que preocupava o mercado doméstico eram dos setores de têxtil e confecção, limitados por restrição voluntária desde fevereiro, e brinquedos, que acaba de fechar o acordo.Além dos setores têxtil e de brinquedos, os produtos mais sensíveis às importações chinesas são calçados, metais, armação de óculos e máquinas para indústria plástica.A China, de acordo com o secretário, é vista como "grande oportunidade de ampliação comercial e de investimentos". "Nós temos uma participação muito ampla de produtos básicos nas exportações para a China, como minério de ferro e soja", disse Ramalho.Segundo ele, 70% das exportações feitas pelo Brasil são de produtos industrializados e o restante de produtos básicos. "Agora precisamos ter engajamento maior de pequenas e médias empresas produtoras de manufaturados para diversificarmos nossas exportações."O embaixador da China no Brasil, Chen Duqing, disse que o Brasil tem a China como o terceiro parceiro comercial, perdendo apenas para Estados Unidos e Argentina e que os dois países têm espaço para avançar e ampliar as relações comerciais. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA
Motociclista morre ao bater de frente contra Fiat/Uno na BR-262
CULTURA
Regina Duarte quer uma conversa 'olho no olho' com Bolsonaro
ECONOMIA
Jucems registra abertura de mais de sete mil empresas em 2019
PONTA PORÃ
Do interior de veículo, homem atira contra namorada de 22 anos
PRÊMIOS
Nota Dourada terá primeiro sorteio na proxima segunda-feira
CRIME AMBIENTAL
Aposentado é autuado em R$ 6 mil por desmatamento em área protegida
PRAZO
IFMS encerra amanhã seleção para professores de educação especial
DOURADOS
Jovem é preso com maconha que seria levada para o Mato Grosso
BRASIL
Prazo para eleitor regularizar título termina no mês de maio
CARANDÁ BOSQUE
Homem espera na porta do trabalho e atira contra a ex-namorada

Mais Lidas

CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
DOURADOS
'Rua do medo' tem dois entregadores assaltados em 10 dias
TRÁFICO
Polícia flagra esquema de venda de droga no cartão em Dourados