Menu
Busca quarta, 22 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Brasil começa a testar vacina poderosa contra HIV

17 agosto 2006 - 11h35

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro vão começar a testar em cerca de 70 voluntários a vacina HVTN 502, considerada a mais promissora já desenvolvida para imunização contra o vírus HIV, que causa a aids.O objetivo dos testes, que strão início até o fim deste mês, é avaliar se a vacina reduz as chances de uma pessoa ser infectada pelo HIV ou se é capaz de diminuir a quantidade de vírus no sangue caso a infecção ocorra, por outros motivos, durante o tratamento. Os testes não expõem os voluntários ao vírus.Para Mônica Barbosa, coordenadora do Projeto Praça Onze da UFRJ, responsável pelos testes no Rio de Janeiro, a iniciativa representa um grande avanço.“Hoje existem diversos estudos em andamento no mundo, mas essa vacina é a mais promissora. Em testes iniciais o medicamento foi considerado muito seguro, sem efeitos colaterais graves e com grande capacidade de estimular o sistema de defesa das pessoas para se proteger do HIV. Agora vamos avaliar se elas realmente são eficazes na proteção de indivíduo contra o vírus”, afirmou.O estudo será realizado, simultaneamente, em outros países, como Estados Unidos, Canadá, República Dominicana, Haiti, Peru e Austrália, e vai selecionar cerca de 3 mil candidatos que também serão submetidos aos testes.No Brasil, 230 pessoas farão o teste, na UFRJ e no Centro de Referência e Treinamento em Doenças Sexualmente Transmissíveis, da Universidade Federal de São Paulo. A previsão é de que esta fase tenha duração de quatro anos e meio.Mônica Barbosa disse que espera obter bons resultados. Segundo ela, ainda que a vacina em teste não seja a definitiva para o combate ao vírus, o estudo será fundamental para que se chegue à formulação definitiva. De acordo com a coordenadora, o Projeto Praça Onze pode dar dicas importantes sobre como seria a vacina ideal e, com alguns pequenos ajustes, pode ser possível definir a formulação mais eficaz contra o HIV.Para participar os testes, os voluntários devem ser homens e mulheres com idade entre 18 e 45 anos, que se submeteram a situações de risco de contração do vírus nos últimos seis meses. A vacina não contém em sua composição o vírus HIV vivo, morto, atenuado nem partículas reais. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Atividade do comércio encerra 2019 com alta de 2,0%, revela Serasa
DOURADOS
Aced e Senai firmam parceria buscando qualificação para empresários
PLEBISCITO
Senado chileno aprova paridade de gênero no processo constituinte
ESTADO
ONU cita universidade de MS por debater proteção da natureza
ESTADO
Instituto ligado à Fiems anuncia 1,3 mil vagas de estágio para preencher até fevereiro
Ciência e Tecnologia
Fundação de MS abre edital para intercâmbio de pesquisadores do Reino Unido e Brasil
STJ
Mesmo com a revogação do Estatuto do Estrangeiro, declaração falsa em pedido de residência pode configurar crime
ESTADO
TJ mantém até 7 de fevereiro inscrição para Campanha de Páscoa
BRASIL
Anvisa orienta vigilâncias a fiscalizar interdição da Backer
DOURADOS
Banco que arrematou folha da prefeitura por R$ 22 milhões faz mutirão para abrir contas

Mais Lidas

UFGD
Aluna branca aprovada em Medicina como indígena aponta engano na inscrição
EMPREGO
Empresa abre 136 vagas para classificadores de grãos em Dourados e região
POLÍCIA
Mulheres são presas com malas ‘recheadas’ de maconha no Jardim Santo André
POLÍCIA
Participante de fuga em massa no Paraguai é recapturado em MS