Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Brasil Carinhoso acaba com o ciclo de pobreza entre gerações

04 dezembro 2012 - 18h15

#####Assessoria

A dona de casa Samara Adriana da Conceição Guariroba, 26 anos, estudou apenas até o quarto ano do ensino fundamental. Ainda adolescente, engravidou e, então, não voltou à escola. Ela é beneficiária do Programa Bolsa Família e também recebe o Benefício de Superação da Extrema Pobreza (BSP), da Ação Brasil Carinhoso, porque tem crianças com até 6 anos. Samara tem consciência de que está saindo da linha da extrema pobreza por causa da política social do governo, que oferece à geração de seus filhos condições que ela não teve quando criança e queria estudar e precisava de cuidados de saúde, além de renda familiar.



“Se eu tivesse estudado, a gente não viveria do jeito que vive. Não teria uma vida difícil”, diz Samara, que mora em uma área de invasão em Planaltina, no Distrito Federal. Com ela vivem nove crianças, além do marido, que está desempregado. Mas, com as condicionalidades do Bolsa Família – por meio da qual a saúde e a educação das crianças são acompanhadas –, a história de vida de Samara não tende a se repetir com as crianças. O filho mais velho, Carlos Henrique da Conceição Oliveira, 11 anos, superou a mãe em escolaridade. Ele já está no quinto ano do ensino fundamental. Os irmãos de Carlos Henrique em idade escolar também estão estudando. Com isso, a família cumpre a exigência do programa.



Samara tem sete filhos e dois enteados. Há quatro meses, recebe o benefício do Brasil Carinhoso, que, a partir do dia 10 deste mês, será ampliado a todas as famílias inscritas no programa de transferência de renda que tenham filhos de até 15 anos. Com o Brasil Carinhoso, o governo garante que a renda mínima de cada integrante da unidade familiar supere o patamar de R$ 70 por mês, retirando-os da extrema pobreza. “Não são nove pessoas que se viram. São nove pessoas que precisam”, diz a dona de casa, referindo-se às crianças.



Carne no almoço – Com a saída da extrema pobreza, não foi só a renda da família que aumentou, mas houve, sobretudo, uma melhora na vida de seus filhos. O almoço, que se resumia a arroz e feijão, agora tem carne. “Frango, carne, verdura, eu não conseguia comprar. Agora consigo.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Fani Pacheco ousa em ensaio e faz post reflexivo: "Não perca seu Norte"
CAMPO GRANDE
Homem é preso após fazer gestante refém e ameaçar policiais
FUTEBOL DE BASE
Semifinais do Estadual Sub-17 começam neste fim de semana
NOVA ANDRADINA
Cinco são presos pela PM durante ações ostensivas
CLIMA
Especialista diz que MS terá chuva significativa apenas em setembro
CRIME AMBIENTAL
Usina é multada em mais de R$ 270 mil por incêndio em canavial
PREVENÇÃO
Sala integrada para controle e combate de incêndios é criada em MS
BRASIL
Encceja: candidatos com dificuldade de acesso podem ligar para 0800
BRASILEIRÃO
Bahia bate Galo em Minas na abertura da 16ª rodada
MOVIMENTO
Manifestantes vão à Praça Antônio João em ato contra queimadas

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher tem dedo amputado após empilhadeira a atingir enquanto fazia compras
DOURADOS
VÍDEO: Guarda agride rapaz em abordagem na UPA e corregedoria abre inquérito para apuração
VALE QUANTO?
Peritos imobiliários avaliam Douradão para venda ou aluguel a pedido da prefeitura
VIOLÊNCIA
Bandidos encapuzados invadem casa no Santo André e agridem idoso a coronhadas