Menu
Busca segunda, 19 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Artigo: Apure-se até o fim, para o bem do Brasil...

18 maio 2011 - 16h35

Um novo escândalo é desenhado no céu da república brasileira, onde num passado recente pontificaram os mensalões, o dinheiro na cueca e outras infelicidades. Estranha-se que o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci – que já esteve sob investigação no caso do lixo quando era prefeito de Ribeirão Preto e como participante de festas de lobistas em Brasília, quando ministro da Fazenda – tenha multiplicado por 20 o seu patrimônio durante os quatro anos que exerceu o mandato de deputado federal. Quando se elegeu para a Câmara, em 2006, ele declarou patrimônio de R$ 375 mil e recebeu perto de R$ 1 milhão durante os quatro anos. Mas no ano passado, comprou um apartamento e um escritório avaliados em R$ 7,4 milhões. Justifica que ganhou esse dinheiro com trabalhos de consultoria, o que não é proibido aos parlamentares.

Torcemos, sinceramente, para que o ministro consiga provar a lisura das transações e, com isso, acabe o mais rápido com o possível escândalo, que pode macular o governo. Mas não abrimos mão da mais acurada apuração sobre o fato. A transparência é a grande luz que deve pairar sobre a democracia e, através dela, a sociedade pode evitar os desvios e os governantes e lideranças ganham crédito e o respeito da população.

Todo indivíduo - mais especialmente os detentores de mandatos ou cargos públicos - tem o dever de ser honesto. Não pode e nem deve admitir que sua honorabilidade seja colocada em dúvida, sob pena de perdê-la, efetivamente. Assim, Palocci tem o dever de esclarecer sua evolução patrimonial sob todos os aspectos e, feito isto, se conseguir a carta de honorabilidade, tem de exigir as devidas reparações daqueles que o acusam (no caso, sem provas). O mesmo deveria ser feito por todos os acusados, de forma a não restar mais dúvida sobre os questionamentos.

Tornou-se tradição no meio político-administrativo brasileiro os políticos acusarem-se mutuamente, montarem esquemas escandalosos de desgaste dos seus adversários e, passada a motivação, todos os envoldidos, por mais estranho que isso pareça, se esquecerem dos problemas enfaticamente abordados. Resta ao povo, como única opção, pensar que tudo o dito é verdade, e os acusados e acusadores chegaram a um acordo onde todos ficam equiparados à popular “farinha do mesmo saco”. Temos de reagir contra esses expedientes de interesse sazonal, normalmente eleitoreiro. Toda denúncia tem de ser apurada até o fim, para condenar ou absolver o denunciado. No caso de absolvição, o falso denunciador tem de ser punido para não tornar a delinqüir. Com isso, faremos a vida pública voltar a ser respeitada pelo povo.

Não podemos continuar convivendo com a farsa do corporativismo e da impunidade. Ela faz mal a um país que luta para ser potência e merecer o respeito internacional. Tem de se acabar com os maus hábitos...


*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br*

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Policia Militar apreende arma, drogas e 15 pessoas são presas durante a operação Proclamação da República
INTERNACIONAL
Os melhores hotéis do mundo
BRASIL
A pouco mais de um mês para posse, equipe econômica está quase fechada
DOURADOS
Concessionária diz trabalhar em área afetada por queda de árvore e previsão de retorno de energia é até as 22h
FUTEBOL
Rivais tropeçam e apimentam Fluminense x Ceará no Brasileirão
MS
Publicados novos valores das unidades monetária e de referência do MS
ECONOMIA
PIB per capita de MS cresceu 4,5 vezes em 14 anos
BRASIL
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
DOURADOS
Pastoral Universitária da Unigran celebram os sacramentos do batismo e 1ª Eucaristia
DOURADOS
Hemocentro atende em horário diferenciado no próximo sábado

Mais Lidas

TEMPORAL
Fortes ventos derrubam mais de 30 árvores e deixa rastro de destruição em Dourados
FACADAS
Traficante brasileiro mata namorada dentro de cela no Paraguai
TEMPORAL
Ventos fortes derrubam árvores em Dourados
DOURADOS
Antes de ser assassinado, homem passou por ‘tribunal do crime’