Menu
Busca quarta, 21 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Aposentados entre 1999 e 2004 podem ter correção de até 9%

07 junho 2011 - 06h15

Segurados do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) que se aposentaram entre 1999 e 2004, prejudicados pela regra de transição após a entrada em vigor do fator previdenciário, podem recuperar as perdas na Justiça e reivindicar valores retroativos. A brecha revelada pela Coluna do Aposentado de domingo abre possibilidade de ganhos variados, de acordo com a condição individual da aposentadoria.

Em um caso exemplar dá para se ter uma ideia dos ganhos: um segurado com média de contribuição ao INSS de R$ 1 mil, 60 anos de idade e 39 anos de contribuição teria, em 2001 (23 meses desde o início do fator), direito a fator 1,1753. Isso representaria renda inicial de R$ 1.175,30. Mas, submetido à regra, o fator cai a 1,0671. Assim, sua renda foi de R$ 1.067,10 - 9,20% inferior ao que receberia sem a norma de transição. O percentual de 9,20% representa a perda e a dívida que o INSS tem com o segurado. Os atrasados são calculados somando as perdas mensais desde a aposentadoria.

Essa dívida surge na chamada regra de transição. A norma, criada para "preservar" esses trabalhadores, acabou provocando prejuízos. O problema atingiu principalmente quem tinha ganho financeiro com o fator - que poderia aplicar a fórmula para aumentar a renda mensal inicial, mas sofreu com inesperado redutor.

Pela regra, o fator deveria ser aplicado segundo o número de meses desde o início do novo critério para concessão de aposentadoria dividido por 60 (a norma tinha como limite cinco anos para a transição).


###Sentenças do teto em um dia
Cinco ações movidas para recuperação das diferenças do teto - direito reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal - da Federação dos Aposentados do Rio (Faaperj) estão em tramitação expressa nos Juizados Especiais Federais. "Sentença do dia 3 de junho refere-se a ação movida no dia 2 de junho", explicou o advogado Carlos Henrique Jund.

"Considerando que a matéria (...) é exclusivamente de direito e que não há necessidade de produzir prova em audiência, cite-se a parte ré para, no prazo de 30 dias, manifestar-se acerca da possibilidade de conciliação", diz decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BNH I PLANO
Grupo é detido depredando patrimônio público em Dourados
GERAL
Política sobre educação ambiental será votada nesta quarta-feira
EM CAMPO GRANDE
Estados do Centro-Oeste discutem sobre a Assistência Social
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Inquérito apura possível funcionária fantasma em prefeitura de MS
ECONOMIA
Temer vai ao Chile para assinar acordo de livre comércio
MS
Lei que garante cães e gatos viajando com donos em ônibus começa a valer em MS
EDUCAÇÃO
UFGD convoca colaboradores para atuação no Vestibular de domingo
MAIS MÉDICOS
Começam hoje inscrições para 8,5 mil vagas para substituir cubanos
BRASÍLIA
Bolsonaro se reúne nesta quarta com embaixadores e equipe de transição
TELEVISÃO
Chef de Mato Grosso do Sul é eliminado do Masterchef Profissionais

Mais Lidas

BORORÓ
Adolescente morre ao tocar em cerca elétrica em Dourados
DOURADOS
Homem que energizou cerca onde menor morreu é preso em flagrante por homicídio
FAZENDA
Sobrinho de prefeito de MS é sequestrado e executado no Paraguai
DOURADOS
Servidor afastado após a “Pregão” é excluído de Comissão