Menu
Busca quarta, 26 de junho de 2019
(67) 9860-3221

Anvisa altera regras para bancos de embriões no Brasil

30 maio 2011 - 12h05

O Diário Oficial da União publicou nesta segunda-feira (30) novas normas para a operação de bancos de células e tecidos germinativos (BCTGs) no Brasil. O novo texto altera as regras dispostas na resolução RDC 33, do ano de 2006.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), modificações nos procedimentos de manuseio de óvulos, espermatozoides, embriões e tecidos germinativos de ovários e testículos devem acontecer a cada dois anos. As alterações publicadas nesta segunda foram definidas durante reunião da direção da Anvisa realizada na última quinta-feira (26).

As mudanças obrigam um número maior de informações sobre os bancos. O objetivo é o de criar indicadores sobre as operações nas clínicas e locais autorizados a manipular embriões, sobre a segurança na coleta e até mesmo sobre a autorização assinada pelos pais.

Os dados sobre os BCTGs informados pelas clínicas deverão mostrar não só o número de embriões armazenados, mas também detalhes como quanto óvulos foram captados e quantos embriões foram transferidos para as pacientes. As informações são reunidas no SisEmbrio, banco de dados da Anvisa.

Para Renata Parci, da Gerência de Células, Tecidos e Órgãos da Anvisa, mais informações vão permitir acompanhar o avanço dos embriões no país. "No novo SisEmbrio, nós teremos mais dados sobre a taxa de fertilização, de clivagem, vamos conseguir criar um panorama mais completo, inclusive para a criação de indicadores."

O termo de consentimento a ser assinado pelos pais da paciente a receber os embriões vai conter mais itens. Um deles diz respeito ao risco de contaminação por doenças infeccciosas durante as técnicas de reprodução assistida.

"Quando o embrião é coletado a fresco, mesmo que você faça uma triagem clínica, há uma janela imunológica. A paciente precisa estar bem ciente sobre isso", explica Renata.

Agora, algumas das operações comuns em clínicas como a coleta de óvulos, o congelamento de tecidos e as fertilizações in vitro precisarão ser validadas de acordo com padrões científicos e técnicos reconhecidos.

Segundo a Anvisa, isto é necessário por conta da tecnologia avançada empregada nessas práticas. "Isto estava colocado de maneira mais sutil no texto de 2006, a nossa ideia foi reforçar como o processo de validação é complexo", diz a especialista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Filha de Romário posa de biquíni e irmão brinca: “Que palhaçada é essa?”
BATAYPORÃ
Debate entre vereadores termina em ''quebra-pau'' na porta de delegacia
EXTRADIÇÃO
Após anúncio, Paraguai expulsa presos brasileiros procurados pela Justiça
UEMS
Curso de pedagogia realiza 4ª Colônia de Férias em Dourados
RECADASTRAMENTO
Mais de 93 mil eleitores já passaram pela biometria obrigatória em MS
CAMPO GRANDE
Câmera flagra “puxão” em nota de R$ 100 e caixa de lotérica vai presa
DOURADOS
Defesa de Idenor vai à Justiça para tentar barrar nova sessão
POLÍTICA
Câmara aprova texto-base de projeto que prevê nova lei de licitações
INTERIORIZAÇÃO
Grupo de 167 venezuelanos chega esta semana em Dourados
FUTEBOL
Jogos da Copa América só terão prorrogação a partir da semifinal

Mais Lidas

DOURADOS
Trans e namorado são presos suspeitos de extorquir cliente após programa
FRONTEIRA
Homem assassinado em estacionamento de shopping é ex-policial
DOURADOS
Jovem morre ao bater moto contra carreta parada no Água Boa
DOURADOS
Homem escapa de tiros na Vila Toscana; ex-namorada e o atual dela seriam os autores